Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

APRESENTAÇÃO

O presente trabalho do professor Fernando Sorondo estabelece claro e didático o panorama do processo evolutivo dos Direitos humanos. Nota-se que a partir da noção básica de dignidade humana, cuja concepção permeia a vida das mais remotas civilizações, desenvolveu-se, lentamente, na consciência dos indivíduos e dos povos, gérmen de profundas mudanças nas relações da espécie, entre si, e especialmente, entre o homem e o poder político.

O autor acentua um largo período histórico, que medeia das origens à Revolução Francesa, quando desabrocham os chamados Direitos Humanos de primeira geração, os direitos civis e políticos, cujo enfoque preponderante reside na exaltação do indivíduo, titular de direitos inalienáveis, como a vida, a liberdade, a propriedade, em contraste com intransponíveis limitações à atuação do Estado. Nesta época pensava-se que bastaria uma declaração solene, reconhecendo os direitos fundamentais do cidadão, para que tais direitos fossem efetivamente respeitados.

Não foi preciso muito tempo para a experiência demonstrar o contrário. Declarações por si só não bastavam, mas representavam um passo significativo. Na seqüência evolutiva, e como conseqüência da expansão capitalista, que gerou multidões de trabalhadores condenados à injustiça e à necessidade, operou-se nova etapa na construção dos direitos humanos. Surgem os direitos sociais, econômicos e culturais, chamados direitos humanos de Segunda geração, cuja ênfase deriva do indivíduo para o direito da categoria, da classe, donde resulta o reconhecimento o reconhecimento do direito ao trabalho, à organização sindical, à justa remuneração, à assistência social, à segurança.

Rebentam as guerras mundiais. A humanidade dolorosamente aprende com sofrimento. Cria-se a ONU. Proclama-se a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Cresce a esperança. Voltamos a sonhar com a possibilidade de sermos felizes, livrando-nos dos fantasmas da guerra, do medo e da necessidade.

Ao lado dos direitos de Segunda geração anterior emergem os direitos humanos de terceira geração: os direitos dos povos. Todo povo tem direito à existência, a conservar sua língua, cultura e tradições, a não ser discriminado por nenhum motivo, à paz e ao desenvolvimento.

A luta prossegue. A humanidade não pode deixar de sonhar.

Luis Goulart Filho – MJDH

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar