Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique
Espanhol
Italiano
Inglês

Tecido Social
Correio Eletrônico da Rede Estadual de Direitos Humanos - RN

E
N. 002 – 20/10/03

ENTREVISTA

NÍLTON BARACHO

"A ALCALIS roubou as terras ao povo"

Quando a vigilância da SALINOR nos parou impedindo que continuássemos a visita na área reivindicada pelos pescadores como pública, um dos nossos acompanhantes, o pescador Nílton Barracho (membro da Associação de Pescadores e Pescadoras de Macau), concedeu esta entrevista a Tecido Social em frente à barraca dos vigilantes que detiveram a visita. Do outro lado dela, surge uma comunidade de pescadores praticamente cercada. Barracho conta a este jornal as humilhações às quais os pescaEdores de Macau são submetidos todo dia pela ALCALIS.

Por Antonino Condorelli

Quando começou a luta dos pescadores de Macau contra a empresa salineira ALCALIS?

Onde nos encontramos, onde hoje tem esta barraca, havia um rio que a ALCALIS robou à população, um recurso natural público de onde vários pescadores tiravam seu sustento. Fui criado e pesquei nesse rio, ele era navegável e a ALCALIS o cercou, matou todo o manguezal e usou a área pela exploração salineira. Aqui há vinte anos era cheio de mangue seco. A empresa não fez isso só com este rio, mas também com o rio Imburanas e queriam fazê-lo com o rio Aquiqui mas a gente organizada conseguiu impedí-lo. E hoje a gente não tem direito nem de passar por cima do paredão... um rio que antes era público, o lugar onde a gente pescava. A empresa roubou, assaltou os pescadores. Eles hoje têm que se organizar para que as autoridades lhes devolvam o direito de pescar. Se o pescador não se unir, vai chegar um tempo em que não vai haver mais onde pescar aqui em Macau.

Qual é o balanço humano do conflito com a empresa?

Já morreram várias pessoas aqui de bala, de faca... alguns já levaram tiros, outros foram torturados, a gente apanha da polícia e apanha dos vigilantes. Vai dar parte, chega lá mas o delgado não acata porque ele recebe propina, a gente é testemunha de que há seis meses aqui ele mesmo pescava... agora ele manda uma equipe. Esse peixe que eles pescam é vendido às nossas barbas, não é um recurso para a polícia, para ser distribuído aos soldados. Por não falar dos outros abusos da ALCALIS. Nós temos um assentamento, um ponto de apoio lá na Ilha do Barro Preto do qual somos posseiros há mais de dez anos, com barracas de palha, de lona, etc. A gente vai pescar, chega lá e pernoita por dois ou três dias quando faz a conta de peixe que vai para a cidade. Agora com essa especulação da carcinocultura a ALCALIS tentou nos tirar de lá. Várias vezes os homens dela chegaram lá quando não tinha ninguém e quebraram os barracos levando todos os objetos, os de lona, de tudo, deixavam limpo. Depois a gente se uniu, há três anos organizou uma associação no papel, com CNPJ e tudo, para que eles não viessem mais derrubar o nosso patrimônio e para conseguir fazer um Eviveiro para a criação de peixe. É a Associação dos Pequenos Produtores da Pesca e Aquacultura, que tem como objetivo garantir o direito de pescar e ao mesmo tempo de criar peixe. Depois da gente criar a associação, uma vez mandaram 25 policiais lá pela madrugada. Eu cobrei o mandato, mas eles não quiseram conversa: invadiram o mangue, chegaram atirando e quebraram todos os nossos objetos. Me levaram preso junto com outros dois colegas, mas quando chegamos ao quartel mandaram a gente ir embora. Foi muita crueldade: fomos obrigados a experimentar a sensação de ser presos... porque estávamos pescando, porque estávamos buscando o nosso sustento! Eu fui procurar o Promotor, mas ele disse que só me recebia com oito dias. Depois eu fui para Natal denunciar o acontecido ao coronel Reis e quando cheguei o coronel me cobrou o BO (Boletim de Ocorrência, n. d. r.)... e não existia BO! Tudo para fazer os caprichos da empresa, porque a polícia recebe propina. Aqui colegas da gente foram massacrados, porradas nos olhos, a cabeça lascada, então vão dar parte e quando chegam o delegado recebe o cara como se o reu fosse ele, dá mais um batido dizendo que o cara estava roubando... roubando! Quando isso aqui era público, era patrimônio de todos, tudo o mundo tirava seu sustento aqui, desse rio, desse manguezal!

EQuem é o dono da empresa?

Segundo as informações que temos é de Fragoso Pires. Agora, a cada mudança de Governo ela muda de nome para conseguir empréstimos. A cada novo Governo ela obtêm um novo empréstimo. Quando procuramos legalizar nosso assentamento lá na Ilha do Barro Preto chegamos na União e ela disse que a SALINOR estava interessada em comprar o patrimônio salineiro da ALCALIS, mas ela não tinha vendido porque estava inademplente com a União. Quando a gente foi expulsa lá do Barro Preto, o juiz mostrou um papel à gente que dizia que a ALCALIS era arrendatária, que as terras eram da SALINOR. Uma contradição, pois lá na União nos tinham dito que eram da ALCALIS e a SALINOR estava interessada em comprar. Mas quando fomos despejados de lá, a maior decepção dos pescadores foi ouvir do juiz que a ALCALIS era arrendatária, não era dona: porém, nós fomos expulsos por ela. Depois de seis meses, ela mudou de carácter social e virou SALINOR definitivamente. Tudo foi uma manobra orquestrada só para enganar a gente e as autoridades.

Que acontece com a comunidade que mora aqui do lado e à qual não nos deixaram acessar?

É a comunidade do Maxixe, é uma comunidade mais velha do que a própria ALCALIS. Por causa de tanta repressão, foi a única comunidade que não se desenvolveu aqui em Macau, ela ficou minguando e hoje fica em torno de dez moradores, os restantes foram embora pelas pressões da empresa, pois ela não aceita nem passar água para o terreno da comunidade, se você tem um veículo ela não lhe deixa passar por aqui, só aceita passagem a pé. E a comunidade ficou confinada a um pequeno bloco de terra porque ao redor a empresa diz que é tudo dela, tanto o Maxixe quanto a Ilha do Porto da Folha que chamam de Ilha do Paraíso. Na Ilha da Casqueira há o mesmo problema, ela se diz dona de tudo. Tem o mesmo poder de um cartel organizado: onde quer que a gente for, ela diz que aquele território é seu e todo mundo concorda com ela, acata o que ela faz por medo ou conivência.

Qual é a extensão da área de maguezal que foi destruída pela ALCALIS?

A área de manguezal destruída aqui é em torno de 5.000 hectares, fora os rios que eram navegáveis e onde eles mataram o mangue, os represaram somente para sal que não está servindo de nada... hoje é só um rio de Esal, onde antes tinha uma área navegável de até três metros de profundidade. Hoje é só sal e ainda por cima não o estão nem utilizando.

Quantas pessoas sofreram violações por parte da polícia de Macau e da vigilância da ALCALIS?

De mortes houve três, agora de violações como espancamentos, etc., muito mais de cinquenta e ainda continuam. Quem for pego aqui pescando é tachado como um ladrão: a polícia vem, leva o cara preso e ainda por cima e toma as armadilhas de pesca e não devolve.

quanto tempo dura este conflito?

Há aproximadamente 50 anos. De dez em dez anos a empresa foi pegando mais um pedaço de terra, um pedaço de rio da população. Tem uma parte do rio, aqui nesse paredão perto de onde nós estamos agora, que eles também iam tomar para matar o manguezal. Mas a gente se movimentou, se organizou até que conseguiu dar um basta. Agora a gente não pode ter uma organização melhor poque não tem um advogado, não tem nada. Muitas vezes eles drenam E uma água densa (que não serve mais para o sal) na maré seca, fazendo um verdadeiro massacre no rio, matando tudo quanto é peixe. A gente como pescador vai dar parte, um dia desses fomos obrigados a dar parte na polícia porque o prefeito não quer saber, o Secretário do Meio Ambiente diz que a gente filme, mas com que se a gente não tem nada? Nós somos pescadores! Estamos lutando não só para nós, mas para toda a comunidade, para que todos tenham um rio limpo porque as autoridades não fazem nada. A gente até se encarrega de limpar o mangue, somos os únicos que o fazem. E a empresa diz nas suas placas: "preservem o meio ambiente, não jogem lixo no mangue", quando são eles quem jogam o pior veneno nele, a água densa que faz um verdadeiro estrago na vida do rio! O pescador é revoltado com a ALCALIS. Agora ele não pode nem falar porque se fizer ela manda borracha!

Quais são as soluções ao coflito que vocês propôem?

Os pescadores acham que as terras que não foram secas ainda devem ser devolvidas ao povo, para que os pescadores possam usá-las para a carcinocultura, a piscicultura e até para fazer moradias nas ilhas. Seria o ideal para os pescadores nativos, os que estão vivos porque alguns Ejá morreram, uma parte deles de desgosto por terem visto se negar o direito de posse sobre cantos nos quais moraram por mais de trinta anos: os expulsaram das ilhas e destruíram as suas casas. As autoridades recebem todas propinas, têm acesso a uma pescaria especial que eles chamam de "cortesia". A ALCALIS não dá "cortesia" nem para os trabalhadores dela, isso é propina para as autoridades, para elas pescarem nas áreas das quais se diz dona e tirarem proveito disso. E para que elas tratem aos pescadores que trabalham e buscam sobreviver como marginais.

Veja também:
- Especial Denúncia. Violência e impunidade contra os pescadores de Macau
- Audiência pública discute as violações dos direitos humanos na região salineira. O DELEGADO DE MACAU: "NÃO ABRO MÃO DO MEU PEIXE"
- ENTREVISTA. Benito Barros. "Os dirigentes da ALCALIS são os responsáveis principais pelos crimes, mas nunca são punidos"

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar