1935 Mapa Natal
 1935 Mapa RN
 ABC da Insurreição
 ABC dos Indiciados
 ABC Personagens
 ABC Pesquisadores
 Jornal A Liberdade
 1935 Livros
 1935 Textos e Reflexões
 1935 Linha do Tempo
 1935 em Audios
 1935 em Vídeos
 1935 em Imagens
 1935 em CD-ROM
 Nosso Projeto
 Equipe de Produção
 Memória Potiguar
 Tecido Cultural PC
 Curso Agentes Culturais
 Guia Cidadania Cultural
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede DHnet
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN

Insurreição Comunista de 1935
em Natal e Rio Grande do Norte

Praxedes, um operário no poder

 

Praxedes: Um Operário no poder
A Insurreição de 1935 vista por dentro

Moacyr de Oliveira Filho
Editora Alfa-Omega,1985

 

 

Nosso Projeto | Mapa Natal 1935 | Mapa RN 1935 | ABC Insurreição | ABC dos Indiciados | Personagens 1935 | Jornal A Liberdade | Livros | Textos e Reflexões | Bibliografia | Linha do Tempo 1935 | Imagens 1935 | Audios 1935 | Vídeos 1935 | ABC Pesquisadores | Equipe de Produção

 

7. De volta a Natal

Terminado o curso, Praxedes retorna ao Rio de Janeiro, onde fica até o dia 6 de janeiro de 1935, quando o partido decide mandá-lo de volta a Natal. Antes de seguir viagem, mantém, inúmeros contatos com os dirigentes do partido, como Bangu e Miranda, onde, pela primeira vez toma conhecimento da existência de um plano de preparação de um movimento insurrecional contra o Governo de Getúlio Vargas.

No dia 14 de janeiro de 1935, o sapateiro José Praxedes de Andrade desembarca do navio Manaus no porto de Natal sem saber que em poucos meses estaria no centro de uma experiência política que o marcaria pelo resto da vida. Na sua ausência da cidade, o partido havia se reestruturado e Lauro Lago, diretor da Casa de Detenção, era um dos seus principais dirigentes. Praxedes se surpreende com o posto de Lago e explica por quê: “Eu sempre fiz objeções ao seu ingresso no partido pois achava ligado à polícia. Afinal, ele era diretor da Casa de Detenção. Além disso, era um elemento pequeno-burguês e de origem aristocrática. Varias vezes ele tentou ingressar no partido quando eu ainda estava em Natal, mas não conseguiu. Eu sempre dava um jeito de desconversar. Com a minha ausência ele não só conseguiu entrar como logo virou dirigente. A pequena burguesia é maluca por uma direção. Não quer saber de trabalho de base, não. Quer logo ser dirigente. Mas, já que ele estava lá, não podia fazer nada. Fiquei quieto. Aceitei a situação e continuei meu trabalho partidário”.

Em abril de 1935, o partido realiza uma nova conferência estadual para traçar suas diretrizes de ação política e elege uma nova direção, formada por Praxedes, Aristides, Francisco Moreira, Raimundo Reginaldo e Lauro Lago. Praxedes é eleito secretário político.

Pouco tempo depois da Conferência, Natal é sacudida por um forte movimento grevista que começou pelos motoristas de táxi e se estendeu às docas, à estiva, aos ferroviários da Great Western, culminando com a adesão dos funcionários da Companhia de Água e Energia Elétrica. A grave era dirigida pelo motorista Epifânio Guilhermino; e Praxedes, como dirigente do partido, dava assistência política ao movimento. As principais reivindicações eram 8 horas de trabalho e aumento de salário. A entrada dos funcionários da Companhia de Água e Energia Elétrica no movimento foi decisiva. Sem luz e sem água, a situação da cidade se agravava. A luz foi logo estabelecida a pedido dos próprios grevistas. “Nós não podíamos ficar com a cidade sem luz e pedimos para que o pessoal fosse movimentar as turbinas” – conta Praxedes. Mas a água continuou faltando, o que obrigou os soldados do Exército a buscar fontes de abastecimento do quartel, trazendo água das lagoas que havia nas proximidades de Natal.¹

As autoridades, preocupadas com a situação, pediram ajuda a Café Filho, na época já deputado federal. “Levaram o Café para o Centro Operário e os operários lá para ouvi-lo. O pessoal foi porque esperava que ele fosse anunciar um acordo. Mas não fez nada disso. Pelo contrário. Ele simplesmente fez um apelo ao bom-senso do pessoal, dizendo que a greve já estava muito prolongada e que não havia mais como evitar represálias, inclusive do Exército. Apelava, então, para que o movimento fosse encerrado, para evitar violências por parte do Exército. O pessoal ficou sem saber o que fazer e pediu para que eu falasse alguma coisa. Eu tomei a palavra e comecei dizendo: ‘Está provado que o senhor é um traidor dos trabalhadores’. Rapaz, não tive tempo de dizer mais nada porque o pessoal do Café caiu em cima de mim. Foi uma confusão dos diabos. Não houve pancadaria por muito pouco, mas a confusão foi grande. No meio do tumulto, o Café se aproveitou e fugiu pelos fundos do quintal. A greve foi mantida, até que as empresas deram alguma coisa e o movimento foi suspenso” – relembra Praxedes.

Na versão de alguns historiadores, as bases da Insurreição de 1935 começaram a ser sedimentadas exatamente a partir desse movimento grevista. Segundo Edgar Carone, os ferroviários da Great Western obtiveram um aumento de salário de 30% exatamente no momento em que a greve adquiria cada vez mais um caráter insurrecional. “Foi igualmente essa luta que forneceu o impulso decisivo para a Insurreição”, s – escreve Carone. Segundo ele, os soldados receberam ordens para atirar contra os trabalhadores, mas recusaram-se unanimemente a cumpri-las, preferindo confraternizar-se com os grevistas.²

Depois da greve, Praxedes é convocado pelo Comitê Central para ir ao Rio de Janeiro fazer um relato do movimento paredista. Ele reúne-se com o secretariado do Comitê Central integrado, na época, por Lauro Reginaldo, o Bangu, secretário de agitação e propaganda; Miranda ou Antonio Maciel Bonfim, secretário político e Martins, ou Heitor Guimarães, secretário de organização. “Nessa conversa” – conta Praxedes – “fiz um relato detalhado de todo o movimento grevista em Natal e recebi orientações sobre os preparativos que o Partido estava fazendo para um movimento armado contra o Governo. Fui informado nesse contato que a ANL estava preparando um movimento armado, mas não recebi nenhuma orientação mais concreta. Não havia ainda um plano detalhado. A ordem era apenas preparar as massas para a revolução. Não ficamos de braços cruzados como fizemos em 1931 e 32 quando o partido foi criticado pela Internacional Comunista, sobretudo o Comitê Regional de São Paulo, por ter pregado a paz durante a Revolução Constitucionalista”.

Recebidas as instruções, Praxedes retorna a Natal acompanhado de um assessor do Comitê Central, de nome João Lopes, que foi especialmente deslocado para ajudar o partido na preparação do movimento rebelde. Na viagem, Praxedes e Lopes levam algumas armas para reforçar o arsenal que já começava a ser montado em Natal. “Nessa época nós já estávamos nos preparando para a luta, montando arsenais, fabricando explosivos. Quando o voltei do Rio trouxe algumas armas comigo. Dois rifles e umas armas miúdas, como pistola e revólveres” – conta Praxedes.

A evolução da radicalização política era rápida. Em fins de junho de 1935, a Aliança Nacional Libertadora promove um comício em Natal com a presença de um dos seus principais líderes nacionais, o comandante Roberto Sisson. Depois do comício, Sisson reúne-se com alguns simpatizantes da ANL, entre eles muitos militantes do partido, e faz um novo alerta sobre a necessidade de se ir preparando um movimento armado de envergadura. De Natal, Sisson segue viagem para o Norte onde iria continuar sua pregação revolucionária. Nesse meio tempo, o Governo Getúlio Vargas a ilegalidade da ANL. A radicalização política iria ser ainda maior.
_________

1. SODRÉ, Nelson Werneck, Contribuição à História do PCB, Global, Editora São Paulo, 1984, pág. 101.

2. CARONE, Edgar, A Segunda República, 1930-37, Difel, Rio de Janeiro, 1978, pág. 363.

^ Subir

< Voltar

Nosso Projeto | Mapa Natal 1935 | Mapa RN 1935 | ABC Insurreição | ABC dos Indiciados | Personagens 1935 | Jornal A Liberdade | Livros | Textos e Reflexões | Bibliografia | Linha do Tempo 1935 | Imagens 1935 | Audios 1935 | Vídeos 1935 | ABC Pesquisadores | Equipe de Produção

História dos Direitos Humanos no Brasil
Projeto DHnet / CESE Coordenadoria Ecumênica de Serviço
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
DHnet - Rede de Direitos Humanos e Cultura
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular
Rede Brasil de Direitos Humanos
 
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: dhnet@dhnet.org.br Facebook: DHnetDh
Google
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
Linha do Tempo RN Rio Grande do Norte
Memória Histórica Potiguar
Combatentes Sociais RN
História dos Direitos Humanos RN Rio Grande do Norte
Guia da Cidadania Cultural RN
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Brasil de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Direito a Memória e a Verdade
Projeto Brasil Nunca Mais
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Djalma Maranhão
Othoniel Menezes Memória Histórica Potiguar
Luiz Gonzaga Cortez Memória Histórica Potiguar
Homero Costa Memória Histórica Potiguar
Brasília Carlos Memória Histórica Potiguar
Leonardo Barata Memória Histórica Potiguar
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP RN
Centro de Estudos Pesquisa e Ação Cultural CENARTE