1935 Mapa Natal
 1935 Mapa RN
 ABC da Insurreição
 ABC dos Indiciados
 ABC Personagens
 ABC Pesquisadores
 Jornal A Liberdade
 1935 Livros
 1935 Textos e Reflexões
 1935 Linha do Tempo
 1935 em Audios
 1935 em Vídeos
 1935 em Imagens
 1935 em CD-ROM
 Nosso Projeto
 Equipe de Produção
 Memória Potiguar
 Tecido Cultural PC
 Curso Agentes Culturais
 Guia Cidadania Cultural
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede DHnet
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN

Insurreição Comunista de 1935
em Natal e Rio Grande do Norte

 

A Revolta Comunista de 1935 em Natal
Relatos de Insurreição que gerou o primeiro soviete nas Américas
Luiz Gonzaga Cortez

 

 

 

 

Nosso Projeto | Mapa Natal 1935 | Mapa RN 1935 | ABC Insurreição | ABC dos Indiciados | Personagens 1935 | Jornal A Liberdade | Livros | Textos e Reflexões | Bibliografia | Linha do Tempo 1935 | Imagens 1935 | Audios 1935 | Vídeos 1935 | ABC Pesquisadores | Equipe de Produção

 

 

18. Adulteraram o relatório da insurreição

Enquanto o aposentado Sizenando Filgueira, residente em Lagoa Seca e que não foi ressuscitado, pois concedeu entrevista em setembro passado ( a gravação está conosco), afirma que Luiz Gonzaga era um débil mental que ele matou nas margens do mangue do rio Potengi, no dia 24 de dezembro de 1935, o ofício do major Luiz Júlio, comandante do Batalhão Policial, endereçado ao Governador Rafael Fernandes, no dia 24 de dezembro de 1935, confirma que se tratava de um soldado da PM e que foi morto após o tiroteio que durou 19 horas.

O citado ofício confirma que Sizenando Filgueira não é um mentiroso, mas que foi ele e Odilon Rufino, que comandavam um grupo de rebeldes, que prenderam o tenente-coronel Pinto Soares e o major Luiz Júlio, a uns 200 metros do quartel do Batalhão. “O tenente José Paulino de Medeiros, encontrando-se com uma patrulha rebelde, recebeu uma rajada de arma automática que o atingiu no tronco e no antebraço esquerdo que teve de ser amputado. O signatário seguia em companhia do Tenente Coronel Pinto Soares rumo à Escola de Aprendizes Marinheiros, quando um troço de insurrectos chefiado pelos indivíduos Odilon Rufino e Sizenando Filgueira, fardados de Sargento do Exercito, os aprisionaram a uns duzentos metros do Quartel tiroteiado, sendo ambos recolhidos presos ao Quartel dos rebeldes”, afirmou o major Luiz Júlio no ofício ao governador.

No final do ofício, o major Luiz Júlio diz que “ após a retirada deste Quartel foi atingido e morto por certeiros tiros do inimigo, o soldado Luiz Gonzaga, que na metralhadora pesada se salientara como um bravo.”

Por que falsificaram?

Não foi o repórter que disse que Luiz Gonzaga não era soldado da PM e um falso herói-mártir da Polícia Militar do RN. Sizenando Filgueira, que pode ser facilmente localizado, foi quem disse que ele matou “Doidinho”, nu da cintura para cima, vestindo um calção cáqui molhado, nos fundos do quartel da PM, no dia 24 de novembro de 35. “Essa história do herói Luiz Gonzaga foi invenção do Dr. João Medeiros Filho para motivar comemorações anuais e alimentar o anticomunismo”. Essa declaração é de Sizenando Filgueira, o “S. F.”.

No seu livro “Vertentes”, o desembargador João Maria Furtado, vitima da repressão pós 35, também sustenta a versão dita por Sizenando Filgueira. “J.M.F.” acha que o herói Luiz Gonzaga tornou-se soldado com efeito retroativo. Basta ler “Vertentes”.

Sem querer servir de “refrão a inimigos do Estado Democrático” nem desafinar a harmonia da pesquisa jornalística sobre o comunismo no RN na década de 30, onde não cabe levantar opiniões jurídicas ou anti-jurídicas, devemos comunicar aos leitores, a bem da verdade, que constatamos adulterações no “Relatório do Delegado da Ordem Social (sobre a insurreição) – Departamento de Segurança Pública – Delegacia de Ordem Social e Investigações”, datado de 18 de abril de 1936.

O relatório foi encaminhado ao Chefe de Polícia quase cinco meses depois da revolução comunista de 35 e não registra morte do tal soldado Luiz Gonzaga. O relatório, assinado por Enoch Garcia, “Del. Auxiliar responsável pela Delegacia de Ordem Social”, foi inserido no livro “Meu Depoimento” , de autoria de João Medeiros Filho, publicado em 1937. O relatório está transcrito entre as páginas 107 e 112 de “Meu Depoimento”, editado dois anos depois da insurreição. E nenhum fala no soldado Luiz Gonzaga. Por quê?

Mas no livro “ 82 Horas de Subversão”, impresso no Centro Gráfico do Senado Federal, em 1980, de autoria de João Medeiros Filho, chefe de polícia do RN em 1935, o relatório do Delegado de Ordem Social, Enoch Garcia foi novamente enxertado nas páginas 97 a 101. Mas o enxerto sofreu uma adulteração. É no trecho “As Victimas” (página 111 da 1ª edição de “Meu Depoimento”), na página 100 do livro “82 Horas de Subversão”. A adulteração enxertada no relatório está na segunda linha do intertítulo “As Víctimas”: “Soldados Luiz Gonzaga, do Batalhão Policial”. Observem que a segunda linha do citado trecho começa com “Entre os mortos contam-se as seguintes: Octacilio Werneck assassinado barbaramente à porta de sua residência a tiros de fuzil pelo comunista Epiphanio Guilhermino de Oliveira”...

Por quê a adulteração?

^ Subir

< Voltar

Nosso Projeto | Mapa Natal 1935 | Mapa RN 1935 | ABC Insurreição | ABC dos Indiciados | Personagens 1935 | Jornal A Liberdade | Livros | Textos e Reflexões | Bibliografia | Linha do Tempo 1935 | Imagens 1935 | Audios 1935 | Vídeos 1935 | ABC Pesquisadores | Equipe de Produção

História dos Direitos Humanos no Brasil
Projeto DHnet / CESE Coordenadoria Ecumênica de Serviço
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
DHnet - Rede de Direitos Humanos e Cultura
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular
Rede Brasil de Direitos Humanos
 
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: dhnet@dhnet.org.br Facebook: DHnetDh
Google
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
Linha do Tempo RN Rio Grande do Norte
Memória Histórica Potiguar
Combatentes Sociais RN
História dos Direitos Humanos RN Rio Grande do Norte
Guia da Cidadania Cultural RN
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Brasil de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Direito a Memória e a Verdade
Projeto Brasil Nunca Mais
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Djalma Maranhão
Othoniel Menezes Memória Histórica Potiguar
Luiz Gonzaga Cortez Memória Histórica Potiguar
Homero Costa Memória Histórica Potiguar
Brasília Carlos Memória Histórica Potiguar
Leonardo Barata Memória Histórica Potiguar
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP RN
Centro de Estudos Pesquisa e Ação Cultural CENARTE