1935 Mapa Natal
 1935 Mapa RN
 ABC da Insurreição
 ABC dos Indiciados
 ABC Personagens
 ABC Pesquisadores
 Jornal A Liberdade
 1935 Livros
 1935 Textos e Reflexões
 1935 Linha do Tempo
 1935 em Audios
 1935 em Vídeos
 1935 em Imagens
 1935 em CD-ROM
 Nosso Projeto
 Equipe de Produção
 Memória Potiguar
 Tecido Cultural PC
 Curso Agentes Culturais
 Guia Cidadania Cultural
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede DHnet
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN

Nosso Projeto | Mapa Natal 1935 | Mapa RN 1935 | ABC Insurreição | ABC dos Indiciados | Personagens 1935 | Jornal A Liberdade | Livros | Textos e Reflexões | Bibliografia | Linha do Tempo 1935 | Imagens 1935 | Audios 1935 | Vídeos 1935 | ABC Pesquisadores | Equipe de Produção

Insurreição Comunista de 1935
em Natal e Rio Grande do Norte

A Insurreição Comunista de 1935 – Natal, o primeiro Ato da Tragédia
Homero de Oliveira Costa

Capitulo III
A Insurreição de novembro de 1935

3.6 - A articulação dos levantes nos quartéis do Nordeste
3.6.4 - Maranhão

No Maranhão, a ANL foi fundada no dia 14 de abril de 1935, com ato solene realizado em São Luis. Constituido basicamente por profissionais liberais, pequenos comerciantes e estudantes, terá um dos maiores crescimento registrado no Nordeste.(46)

Em setembro de l935, portanto, depois da ANL ser posta na ilegalidade, chega a São Luis, proviniente do Rio de Janeiro, Vitor Correia Silva, que havia sido membro do diretório nacional da ANL. Militante do partido comunista, foi enviado pelo comitê central aos Estados do Maranhão e Piauí, a fim de ajudar na preparação de um levante. Estabelece contatos principalmente nos meios militares e viaja com frequência para Teresina e cidades do interior do Maranhão.

No dia 26 de outubro, participa, em São Luis de uma reunião que tem por objetivo reorganizar a ANL no Estado. Foi constituída três comisões : Finanças, Organização e Propaganda e a Comisão Militar, com três membros cada uma. Esta ultima tinha por objetivo contactar com os militares que haviam pertencido a ANL ou que tivessem pelo menos sido simpatizantes.

No dia 2 de novembro de 1935, Victor escreve uma carta ao “diretório central da ANL”, dando conta da reorganização da ANL no Maranhão, com a constituição de um diretório estadual.

No dia 5 de novembro , chega a São Luis uma circular da “secretaria nacional da ANL ”, dizendo entre outras coisas “... de acordo com a circular de 25.10.35 do diretório nacional que trata da reunião plenária do próximo dia 15 de novembro, esta secretaria necessita com urgência de dados concretos sobre a situação geral, local, politica e organizacional da ANL local, para a propaganda e organização dos núcleos urbanos e de São Luis, quantos diretórios municipais,etc(segue anexo a circular um questionário com 25 perguntas) (47).

Pouco depois, a direção local da “ANL” lança um manifesto intitulado “Aos núcleos da ANL no Estado” no qual apela para a organização dos camponeses e das “massas trabalhadoras” finalizando o documento com a palavra de ordem “pelo governo nacional e revolucionário”

Na realidade, os núcleos que atuavam em nome da ANL eram na constituidos por militantes do partido comunista . Os que não eram se afastaram, alguns inclusive tornando público através da imprensa. O partido elabora um plano para uma rebelião que teria como foco principal o 24 Batalhão de Caçadores, estando articulado também com a guarda do palácio do governo e alguns integrantes da policia militar, estes ultimos sob a liderança do sargento Francisco Moreira.

Como parte do plano o interior do Estado ficaria sob a responsabilidade de Euclides Carneiro Neiva e Ignácio Mourão, que estabeleceriam os contatos e articulariam os trabalhadores, visando para dar respaldo ao levante na capital.

No entanto, tal como ocorreu nas demais capitais, o levante do 21 BC em Natal os surpreendem. Quando são informados, os quarteis do 24 BC e da policia militar já estavam de prontidão. De qualquer forma, ainda tentam dar continuidade aos planos, marcando o levante para o dia 29 de novembro, quando acumulariam forças e deveriam contar com levantes em outras capitais.

Mas a trama foi descoberta antes, por mera casualidade. Um oficial do 24 BC, que havia saído do quartel de folga, retorna à sala em que trabalhava a fim de buscar um objeto que havia esquecido. Ao dirigir-se à sala, ouve uma conversa telefônica entre o sargento Joaquim Leandro Fonseca e um outro sargento da policia militar. Escondido, ouve a conversa até o final e se ficou sabendo da preparação do levante. Flagrado ao telefone, o sargento é preso. Aberto um inquérito, ficou comprovado que havia efetivamente um plano insurrecional e o aliciamento de vários praças e cabos. Muitos são presos e alguns imediatamente excluidos do batalhão (as injustiças nesse caso foram tantas que muitas das ordens de exclusão foram anuladas).


Notas

46 - Para maiores detalhes sobe a atuaçao da ANL no Maranhão, consultar “ A ANL no Maranhão”de José Ribamar C. Caldeira, Consurp/Eduma, São Luis, l980.

47 - Ver processos relativos aos estados do Paiuí e Maranhão. Autos dos processos doTribunal de Segurança Nacional, Arquivo nacional, Rio de Janeiro.

^ Subir

< Voltar

Nosso Projeto | Mapa Natal 1935 | Mapa RN 1935 | ABC Insurreição | ABC dos Indiciados | Personagens 1935 | Jornal A Liberdade | Livros | Textos e Reflexões | Bibliografia | Linha do Tempo 1935 | Imagens 1935 | Audios 1935 | Vídeos 1935 | ABC Pesquisadores | Equipe de Produção

 
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: dhnet@dhnet.org.br Facebook: DHnetDh
Google
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
Linha do Tempo RN Rio Grande do Norte
Memória Histórica Potiguar
Combatentes Sociais RN
História dos Direitos Humanos RN Rio Grande do Norte
Guia da Cidadania Cultural RN
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Brasil de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Direito a Memória e a Verdade
Projeto Brasil Nunca Mais
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Djalma Maranhão
Othoniel Menezes Memória Histórica Potiguar
Luiz Gonzaga Cortez Memória Histórica Potiguar
Homero Costa Memória Histórica Potiguar
Brasília Carlos Memória Histórica Potiguar
Leonardo Barata Memória Histórica Potiguar
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP RN
Centro de Estudos Pesquisa e Ação Cultural CENARTE