Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


2.8 - Saúde

DE IMEDIATO

204. Desenvolver campanhas de informação e prevenção sobre doenças sexualmente transmissíveis e HIV/AIDS.

205. Assegurar  assistência jurídica gratuita aos portadores do HIV/AIDS, na defesa dos seus direitos reconhecidos por lei.

206. Garantir a distribuição pelo SUS de todos os medicamentos para as infecções oportunistas e tumores malignos associados à AIDS, dando efetivo cumprimento a lei 9.313 de 13.11.96 e assegurando o necessário tratamento ao efeitos colaterais decorrentes da terapia anti-retroviral utilizada na infecção pelo HIV.

207. Assegurar o deslocamento gratuito das pessoas vivendo com HIV/AIDS, dos seus municípios de origem para o hospital referência no âmbito estadual.

208. Elaboração de prontuário específico para vítimas de violência doméstica e sexual, na rede hospitalar pública e privada.

209. Garantir o adequado tratamento ao lixo doméstico e hospitalar.

A CURTO PRAZO

210. Assegurar exames clínicos periódicos e acompanhamento médico integral, nos hospitais de referência e postos de saúde, aos portadores de HIV/AIDS.

211. Estender aos militares os efeitos da portaria interministerial número 869 de 11.08.92, que proíbe a realização de testes para detecção do HIV em exames periódicos de saúde.

212. Assegurar a realização de exames complementares para elucidação do diagnóstico das infecções oportunistas.

213. Assegurar a distribuição gratuita pelo SUS do preservativo feminino.

214. Criar programas de educação e saúde às mulheres que trabalham na prostituição, destinados a prevenir o risco de doenças sexualmente transmissíveis, inclusive AIDS.

215. Assegurar serviços públicos de saúde de qualidade.

216. Implantar centros de saúde para prestação de atenção integral à criança, com parcerias entre instituições públicas e privadas.

217. Integrar as ações de saúde mental a outras políticas sociais como educação, cultura, esporte, lazer, seguridade social e habitação.

218. Assegurar que o atendimento a qualquer paciente, na rede pública e privada, independente de sua patologia, seja efetuado de acordo com as recomendações da organização mundial de saúde e pelo ministério da saúde.

219. Apoiar iniciativa de lei federal para restringir a propaganda de bebidas alcoólicas e de cigarro, e fiscalizar a proibição de sua comercialização para crianças e adolescentes.

220. Preparar os agentes de saúde para identificar e orientar vítimas de violência doméstica.

221. Recomendar às secretarias estaduais de saúde e ao Conselho Regional de Medicina o fortalecimento da atuação das comissões de ética e a fiscalização das atividades dos profissionais da saúde.

222. Formular políticas e desenvolver campanhas públicas para incentivar a doação de sangue.

223. Desenvolver programas, assistência e tratamento para os portadores de anemia falciforme.

224. Adotar programas que contribuam para a melhoria do atendimento às pessoas portadoras de patologias crônicas.

225. Apoiar programas de prevenção, assistência e tratamento a pessoas dependentes de drogas.

226. Apoiar a implantação de um cadastro técnico de receptores de órgãos, a cargo da Secretaria de Saúde do Estado, que vise assegurar o princípio da igualdade nas ações de saúde e ordem cronológica de atendimento de pacientes que necessitem de transplante.

227. Desenvolver programas de incentivo ao aleitamento materno desde o pré-natal

228. Promover acesso a métodos contraceptivos avalizados pelo Ministério da Saúde, assim como a exames clínicos e laboratoriais e informações sobre os métodos, visando a redução das taxas de esterilização.

229. Regulamentar e implementar as ações destinadas a realização do aborto, nos casos previstos pela legislação penal, nos hospitais das redes privada, pública e conveniadas com o SUS, especialmente nos hospitais-escolas.

230. Permitir o acompanhamento da família e criar espaços de recreação para crianças internadas em hospitais.

231. Estimular a organização dos cidadãos em associações comunitárias para discussão de soluções para os problemas na área da saúde e propostas para os conselhos de saúde.

A MÉDIO PRAZO

232. Implantar programas de atenção especial a gravidez e ao parto de adolescente, que garanta o acompanhamento médico e psicológico durante todo o processo de gravidez até o fim da amamentação.  

 

 
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar