Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

       
 
 

Davos ? Não, Porto Alegre...

Em 2001, Davos terá um concorrente muito mais representativo do planeta tal como ele é: o Fórum Social Mundial (FSM)

 

Ignácio Ramonet*

 

Os organizadores do Fórum Econômico mundial que, a cada inverno, reúne uma boa parte da fina flor mundial  da finança e das transnacionais (1), na estação suíça de Davos, não são sectários: eles tiveram sempre o cuidado de convidar para seus debates uma seleção de intelectuais, artistas e pesquisadores, até mesmo sindicalistas, bem como dirigentes políticos. A cada uma dessas duas categorias de participantes é designada uma função precisa: aos primeiros, cabe dar um aval, um pequeno suplemento humano e um verniz “cultural” e “social” a um encontro inteiramente voltado para a exaltação do lucro. A maioria dos outros, ministros ou presidentes, vem mostrar seu pedigree, curvar-se diante dos novos mestres do mundo.

 

Em 2001, Davos terá um concorrente muito mais representativo do planeta tal como ele é: o Fórum Social Mundial (FSM) que se reunirá nas mesmas datas (de 25 a 30 de janeiro), no hemisfério sul, em Porto Alegre, Brasil.  Com efeito, trata-se de um público sensivelmente diferente: dirigentes sindicais, dirigentes de associações, fundações e organizações não-governamentais, representantes de redes de movimentos de cidadãos — culturais, ecológicos, feministas, de direitos humanos, etc. — de todos os continentes. Não apenas todos aqueles que estavam em Seattle ou poderiam ter estado, como também muitos outros: organizações de pequenas e médias empresas do Sul, destruídas pela “globalização”, igrejas. Políticos nacionais e locais. Entre dois e três mil participantes portadores  das aspirações de suas respectivas sociedades.

 

O Fórum Social Mundial será um espaço de intercâmbios e de debates sobre as grandes escolhas econômicas, sociais, culturais, científicas, tecnológicas e políticas com as quais a humanidade está confrontada. Mas, diferentemente de Davos, elas serão abordadas numa perspectiva cívica -- isto é, do ponto de vista dos cidadãos e não do mercado financeiro (2).  Os intelectuais e os criadores convidados não serão cartas marcadas, mas conferencistas de pleno direito. Os políticos poderão ver de perto o que está “se mexendo” num emergente contra-poder planetário. Quanto aos ministros e aos governantes que freqüentam Davos, eles terão a oportunidade, se assim o desejarem, de constatar que existem outros atores da vida pública internacional.

 

Por que Porto Alegre

 

Não é por acaso que o primeiro FSM se realize em Porto Alegre, capital do estado brasileiro do Rio Grande do Sul.  Desde as eleições de 1988, na cidade, e de 1998, no estado, a partir de 1999, foram postas em funcionamento formas de democracia participativa que são atentamente estudadas em numerosos países (3). São tais iniciativas que, modestamente,  mostram que um outro mundo é verdadeiramente possível (4).  O Fórum permitirá que conheçamos outros em escala nacional e internacional.  Le Monde Diplomatique, que evidentemente estará em Porto Alegre, informará seus leitores. (Tradução de Maria Regina Pilla)

 

1.       Ler Ignacio Ramonet, “Davos”, Le Monde diplomatique, março 1996.  Ler  também do jornalista americano Lewis Lapham, La montagne des vanités (Maisonneuve et Larose, Paris 2000), reportagem incisiva sobre os bastidores da sessão de 1998 do Fórum Econômico Mundial.

 

2.       O FSM, que acontecerá todos os anos nas mesmas datas que Davos, está sob a responsabilidade de um comitê organizativo que reúne as grandes organizações associativas e sindicais brasileiras, sustentado por um comitê internacional de apoio. Contatos : www.forumsocialmundial.org.br; na França : attacint@attac.org

 

3.       Ler o suplemento “Quand la ville est porteuse des espérances de citoyenneté”, Le Monde Diplomatique, maio 2000.

 

4.        Ler Manières de voir nº 41, Un autre monde est possíble”, setembro-outubro 1998 e Manières de voir nº 52, “Penser le XXIe siècle”, julho-agosto 2000.

 

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar