Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


Centro de Direitos Humanos e Memória Popular 

Videoteca Direitos Humanos

POVOS NATIVOS

 

2

Número: 2

Título: REPÚBLICA GUARANI

Ano: 1982

Produção: BACK, SILVIO

Local: SP

Tempo: 100

Gravação: NTSC

· Entre 1610 e 1767, ano da expulsão dos jesuítas das Américas, numa vasta área dominada por índios guaranis e parcialidades lingüísticas afins, e drenada pelos rios Uruguai, Paraná e Paraguai, vingou um discutido projeto religioso, social, econômico, político e arquitetônico, sem equivalência na história das relações conquistador-índio. Essa sociedade sui-gêneris, criada por jesuítas com sucessivas nações de guaranis, cujo número final estimado é de meio milhão de pessoas, desde primórdios nunca deixou de provocar uma contudente polêmica. Por coincidência ou não, trezentos e cinqüenta anos depois, ainda mantido o indígena na condição de inferior, é possível identificar uma nostalgia daqueles tempos, como novo verbo, novas técnicas pedagógicas e maior sofisticação ideológica ante as similitudes com o passado-flagrante e assustadoras – República Guarani é retomada do debate, quando menor, uma advertência.

 

2

Número: 34

Título: NA TRILHA DO URU-EU WAU WAU

Ano: 1987

Produção: VERBO FILMES/CIT

Local: INGL/GO/SP

Tempo: 55

Gravação: NTSC

· O primeiro filme da série “A Década da Destruição” tem, como fio condutor, a busca que o colono Chico Prestes desenvolve nas matas de Rondônia, para encontrar seu filho Fábio, que em 1980, foi levado por um grupo de índios arredios. A equipe de filmagem acompanha uma expedição da FUNAI que tenta fazer contato com os Uru-Eu Wau Wau. O filme permeia cenas da busca de Chico Prestes, das atividades da expedição e do avanço brutal da sociedade nacional sobre os territórios indígenas. Mostra como a ocupação desordenada de Rondônia pelos colonos colocou os povos em atitude aguerrida de defesa de suas terras.

 

2

Número: 34

Título: CAMINHO DO FOGO, O

Ano: 1987

Produção: VERBO FILMES/CIT

Local: INGL/GO/SP

Tempo: 55

Gravação: NTSC

· Este filme mostra, finalmente, o encontro dos Uru-Eu Wau Wau com a expedição, já em seu segundo ano, depois de atacada quatro vezes pelos índios, a expedição depara com eles, que vêm à procura da FUNAI a partir daí. As visitas dos Uru-Eu Wau Wau ao acampamento tornam-se regulares, mas os índios vacilam entre a rendição e a hostilidade; abre-se uma estrada dentro do território indígena, e os colonos incendeiam a mata. O filme mostra a família de colonos que, na chegada, dizem preferir arriscar a vida diante dos índios a continuar na miséria, no sul, mas, um ano depois, os mesmos colonos, visitados pela equipe de filmagem, encontram-se desesperados, seus filhos tem malária, a terra está estéril e eles vivem com medo de um ataque dos índios: “O melhor seria nunca ter recebido do INCRA este lote de terra”, desabafa um colono.

 

2

Número: 35

Título: NAS CINZAS DA FLORESTA

Ano: 1987

Produção: VERBO FILMES/CIT

Local: INGL/GO/SP

Tempo: 55

Gravação: NTSC

· “Se o desmatamento continuar neste ritmo, o Estado de Rondônia perderá toda sua floresta até 1990”. Esta é a fatídica previsão do conhecido ecologista José Lutzenberger, apresentador do terceiro filme da série: “A Década da destruição”. Lutzenberger percorre a floresta enquanto esta está sendo derrubada e sugere alternativas ao desenvolvimento irracional; ele afirma que o solo de Rondônia não suporta a exposição direta ao sol e às chuvas, sem a cobertura vegetal. “Se você conserva a floresta, ela tem condições de alimentá-lo; mas, se você derruba, o solo poderá tornar-se tão estério que nada mais crescerá ali”. O ecologista lembra ainda que “o Brasil importa dois terços da borracha natural de que necessita, enquanto poderíamos facilmente ser auto-suficientes se soubéssemos aproveitar melhor a floresta existente.

 

2

Número: 76

Título: AMERÍNDIA

Ano: 1990

Produção: VERBO FILMES

Local: RJ

Tempo: 65

Gravação: NTSC  

· O filme recolhe imagens inéditas dos povos do Xingu, os rituais dramáticos do altiplano boliviano, o massacre das minas... Ameríndia é um filme para branco ver e sentir, para branco agir solidariamente.

 

2

Número: 84

Título: AMERÍNDIA – MEMÓRIA, REMORSO, COMPROMISSO NOS 500

Ano: 1990

Produção: VERBO FILMES

Local: SP

Tempo: 65

Gravação: NTSC

· Ver sinopse cópia “a” (nº 76).

 

2

Número: 134

Título: LOS JALLQ’A: IDENTIDADE Y TEJIDO

Ano: 1991

Produção: COJIAS, FRANCISCO

Local: BOLÍVIA

Tempo: 20

Gravação: NTSC

· Uma reconstrução da memória do grupo étnico Jalla’a, através das gravuras dos tecidos feitos por suas mulheres e o trabalho desenvolvido para manter esta cultura através das oficinas têxteis. Terceiro programa da fita.

 

2

Número: 135

Título: BUSCANDO LA VIDA

Ano: 1991

Produção: CINEP

Local: COLÔMBIA

Tempo: 50

Gravação: NTSC

· As comunidades indígenas e negras dos rios Micori, Saiji, Sanquianga e Santinga falam sobre a busca da construção de um modelo de vida compatível com a liberdade e a dignidade, sobre o desenvolvimento das novas formas de convivência e solidariedade inter-étnicas e as dificuldades que enfrentam para garantir a sobrevivência e manter os seus defeitos. Primeiro programa da fita.

 

2

Número: 135

Título: SOBREVIVÊNCIA

Ano: 1991

Produção: ORG. SOBREVIVÊNCIA

Local: PARAGUAI

Tempo: 4

Gravação: NTSC 

· Vídeo experimental que mistura imagens da atual situação dos índios Mbyá, com o agravante do desmatamento que influi em todos os aspectos das suas vida. Terceiro programa da fita.

 

2

Número: 159

Título: CERÂMICA WAUJA

Ano: 1993

Produção: CPCE

Local: DF

Tempo: 19

Gravação: NTSC

· O processo de fabricação das makulatái, pequenas panelas de dimensões e formatos diversos, com importante valor econômico e cultural entre os povos do Alto Xingu.

 

2

Número: 167

Título: SE ME PERMITEM A PALAVRA

Ano: 1989

Produção: VERBO FILMES

Local: SP

Tempo: 30

Gravação: NTSC

· Fusão perfeita de imagens e sons envoltos em mistério e beleza. Filme que retrata fielmente a arma milenar do povo Aymara, no Altiplano dos Andes bolivianos. Apresenta claramente todos os valores desta ancestral cultura indígena que antecede aos lendários Incas. O filme também mostra como os Aymara são profundamente religiosos. Seus deuses antigos “Pacha Mama” (Deusa Terra) e “Tia Vacano” ( Deus Sol) são cultuados, ainda hoje, com festas agrárias e aplacados em sua fúria com sacrifícios de cordeiros, onde o sangue é jogado nas casas. Tudo em imagens fascinantes que nos reportam ao antigo testamento. O vídeo, produzido originalmente em 35 MM, lança um desafio: até que ponto o cristianismo, influenciado por uma cultura estranha aos Aymaras, é capaz de se adaptar e assimilar essa nova cultura?

 

Volta inicial

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar