O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Página Inicial | Anatália de Souza Alves de Melo | Djalma Maranhão | Édson Neves Quaresma | Emmanuel Bezerra dos Santos | Gerardo Magela Fernandes Torres da Costa | Hiram de Lima Pereira | José Silton Pinheiro | Lígia Maria Salgado Nóbrega | Luiz Ignácio Maranhão Filho | Luís Pinheiro | Virgílio Gomes da Silva | Zoé Lucas de Brito

 

Mortos e Desaparecidos Políticos do RN
Virgílio Gomes da Silva

Linha do Tempo Virgílio Gomes da Silva

Século 21
2010-2000
Século 20
1999-1990
1989-1980
1979-1970
1969-1960
1959-1950
1949-1940
1939-1930
1929-1920
1919-1910
1909-1900
Século 19
1899-1890
1889-1880
1879-1870
1869-1860
1859-1850
1849-1840
1839-1830
1829-1820
1819-1810
1809-1800
Século 18
1799-1790
1789-1780
1779-1770
1769-1760
1759-1750
1749-1740
1739-1730
1729-1720
1719-1710
1709-1700
Século 17
1699-1690
1689-1680
1679-1670
1669-1660
1659-1650
1649-1640
1639-1630
1629-1620
1619-1610
1609-1600
Século 16
1599-1590
1589-1580
1579-1570
1569-1560
1559-1550
1549-1540
1539-1530
1529-1520
1519-1510
1509-1500
Século 15
1499-1490

 

Década de 1960 – Século 20
1969
- Em Janeiro desse ano, Marquito é assassinado, no aparelho onde ele estava guardado também todo o arsenal bélico da ALN, a partir daí a principal meta da ALN foi de recuperar seu poder de fogo, coube então Virgílio comandar as ações que visavam adquirir as armas necessárias para continuar as ações armadas.

- Entre as várias ações para o rearmamento da ALN destacam-se duas, a primeira ocorreu na Avenida Penha de França, nessa ao tentar tomar uma arma a pulso seu irmão Francisco Gomes, que também era militante, foi alvejado por vários tiros, deixando-o fora de combate por um bom tempo.

- 27 de maio nasce a filha caçula de Virgílio, Isabel Maria Gomes da Silva, o nome é uma homenagem as duas avós da menina, parte do enxoval do bebê foi um presente do Carlos Mariguella.

- 2 de setembro junto com Paulo de Tarso Venceslau e Manoel Cyrillo, Virgílio viaja à São Paulo para comandar o sequestro do embaixador americano;

- 4 de Setembro, Comandado por Virgílio, a DI-GB (que se denominou nesse ato de MR-8) e a ALN, sequestram no Rio de Janeiro o embaixador norte-americano Charles Burke Elbrick e o mantém refém por 3 dias;

- 7 de Setembro, O embaixador americano é solto em troca de quinze presos políticos que foram enviados ao México e da leitura de um manifesto político feito pela mídia em cadeia nacional.

- 29 de setembro, sexta-feira, seis e meia da manhã, a repressão invade o apartamento 23 do edifício situado na Av. Duque de Caxias, 312, centro de São Paulo, essa era a casa da família Fon, companheiros de muitas lutas ao lado de Virgílio, neste mesmo local foi presa também Maria Aparecida Santos

* 9:30 da manhã, Virgílio Gomes da Silva, é preso ao visitar o apartamento, da família Fon, pois um grupo de militares da OBAN ficaram de prontidão;

* 21:00 da noite, Virgílio, depois de passar por várias sessões de tortura no pau-de-arara, cadeira do dragão, afogamentos e espancamentos morre, após doze horas de tortura intensa;

- 30 de setembro, foi encontrado em um local baldio um cadáver, cujas vestes eram as seguintes: calça de nylon verde, calção de algodão fantasia, camisa amarela, meias vermelhas e sapatos de couro marrom, era Virgílio, ele que costumava se vestir socialmente e com cores neutras jamais usaria uma indumentária tão diferente do seu uso natural, sem dúvidas se tratava de mais um ato sádico da ditadura, durante a tortura Virgílio insistiu tanto com seus torturadores que eles estavam matando um brasileiro que eles não hesitaram em fantasia-lo como tal, com um detalhe as meias eram vermelhas: Virgílio era um brasileiro comunista.

* Mesmo tendo sido encontrado, o corpo de Virgílio após ser autopsiado desapareceu e até hoje não se sabe seu paradeiro final.

1968
- Em Julho Virgílio retorna ao Brasil vindo de Cuba, a viagem de retorno se deu pela Thecoslováquia.

- Ao retornar de Cuba Virgílio foi apresentado a Carlos Mariguella e a Marco Antônio Brás de Carvalho, o Marquito, na época comandante do GTA (Grupo Tático Armado), braço armado da ALN (Ação Libertadora Nacional), comandada por Mariguella.

1967
- Em Agosto chegaram a Cuba, aguardando juntos o inicio do curso de guerrilha os militantes: Virgílio Gomes da Silva, Anton Fon Filho, Otávio Ângelo, Hans Hudolf, José Nonato Mendes, Epitácio Remígio de Araújo e Adilson Ferreira da Silva.

- O curso de guerrilha em Cuba teve início em setembro de 1967, em uma região montanhosa chamada Escambray.

- Nasce a 08 de dezembro o terceiro filho, Gregório Gomes da Silva.

- Já nos últimos meses desse ano Mariguella foi expulso do PCB, desse rompimento surgiu o Agrupamento Comunista de São Paulo, que agregava militantes que apoiavam as teses de Mariguella quanto a necessidade das guerrilhas armadas, dentre eles destaca-se Joaquim Câmara Ferreira, histórico militante do PCB, surge desse cisma a ALN Ação Libertadora Nacional, cuja estrutura organizacional compunha do GTE – Grupo Tático Estratégico e o GTA – Grupo Tático Armado, Virgílio aderiu a Mariguella logo que retornou ao Brasil.

1966
1965

1964
- Com o golpe militar o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas Virgílio foi um dos primeiros a sofrer intervenção governamental, toda a diretoria foi cassada, Virgílio foi preso no dia 02 de outubro, entre os documentos apreendidos no sindicato havia uma carta de Virgílio convocando os associados do sindicato para uma reunião em prol da FRENTE DE MOBILIZAÇÃO POPULAR, pelas reformas de base.

- Sua prisão se deveu pelo fato de além de ser um líder sindical ele era filiado ao PCB. Em seu depoimento ocorrido em 06 de outubro Virgílio disse à repressão que não se considerava comunista, “afirmando apenas que se julga um nacionalista, desejando um Brasil para os Brasileiros, sem a influência ou subordinação a Estados estrangeiros”.

- Ele foi solto no dia 09 de outubro.

- Ao ser solto Virgílio exilou-se no Uruguai, ficou lá menos de três meses, retornou ao Brasil e foi tentar trabalhar, devido a sua militância sindical e partidária não conseguiu mais nenhum trabalho formal.

- Diante das dificuldades em conseguir um trabalho formal Virgílio resolveu trabalhar de forma autônoma, foi vendedor de discos, ambulante, fotógrafo amador, até que resolveu abrir outro bar, este bar em Itaim Paulista recebeu o nome de “Galo de Ouro” em homenagem ao ídolo Eder Jofre, Virgílio também era pugilista amador.

- Em seu bar Virgílio se recusava a receber “proteção” de policiais corruptos em troca de comerem de graça.

1963
- Durante uma greve dos funcionários da empresa LUTFALLA, em São Miguel Paulista, na qual Virgílio era o líder de mais de 3000 funcionários, os funcionários pararam as máquinas e um dos diretores da empresa, armado, ameaçava os trabalhadores e atirou contra Virgílio, um tiro pegou de raspão na cabeça; as balas também atingiram a mão e a perna de Virgílio, diante do ocorrido os trabalhadores invadiram a fábrica, pararam todo o trabalho, além de terem tombado uma viatura da polícia. Já no hospital Virgílio disse a Creuza, sua irmã, “Nós somos como erva daninha, quanto mais podam mais crescemos”. Por causa desse episódio Virgílio foi transferido da subsede do sindicato em São Miguel Paulista para a sede em São Paulo na rua 25 de março.

1962
- 20 de Novembro, nasce o segundo filho de Virgílio, Virgílio Gomes da Silva Filho.

1961
- 10 de Abril, nasce o primeiro filho do casal Virgílio e Ilda, Vlademir, que recebeu esse nome em homenagem ao líder soviético Lênin, que na verdade se chamava Vladimir ÍlitchUlianov.

1960
- 21 de maio, Virgílio casa-se com Ilda Gomes da Silva na Igreja católica de São Miguel Paulista, seus padrinhos foram Rio Branco Paranhos e sua esposa, Rio Branco era um militante comunista, conhecido advogado dos trabalhadores e havia sido vereador em São Miguel Paulista no ano de 1959 pelo PTB.

^ Subir

Década de 1950 – Século 20
1959
1958

1957
- Nesse período Virgílio passa a ter uma atuação política mais densa, trabalhando no Sindicato dos Químicos e Farmacêuticos de São Paulo ele começou a se destacar, passou a trabalhar na secretaria tornando-se em pouco tempo um dos líderes e dirigente do Sindicato, foi nesse período que ele tomou conhecimento das doutrinas comunistas e filiou-se ao PCB.

- Em outubro houve a mais importante greve na história da empresa NITRO QUÍMICA, a greve durou 9 dias, Virgílio já era membro do PCB, foi durante essa mobilização que ele conheceu uma combativa operária da companhia que, além de ter aderido a greve, demonstrava profunda indignação com os “fura-greve”, era Ilda Martins da Silva, que viria a ser mais tarde sua esposa.

1956
- Durante esse período Virgílio trocou sua pensão em um bar no bairro Pari, esse novo empreendimento durou pouco, em pouco tempo ele descobriu que o antigo dono havia hipotecado o bar e esta havia sido executada, com muitas dividas para saldar Virgílio muda-se com a família para São Miguel Paulista e vai trabalhar no IBRAPE como operário metalúrgico onde permaneceu por aproximadamente um ano, nesse período ele filiou-se ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, depois ele foi trabalhar na Companhia Nitro Química de São Miguel Paulista onde ficou um mês e meio como servente e saiu para se empregar no Sindicato dos Trabalhadores em Indústrias Químicas, como escriturário.

1955
- Durante esse período Virgílio trocou sua pensão em um bar no bairro Pari, esse novo empreendimento durou pouco, em pouco tempo ele descobriu que o antigo dono havia hipotecado o bar e esta havia sido executada, com muitas dividas para saldar Virgílio muda-se com a família para São Miguel Paulista e vai trabalhar no IBRAPE como operário metalúrgico onde permaneceu por aproximadamente um ano, nesse período ele filiou-se ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, depois ele foi trabalhar na Companhia Nitro Química de São Miguel Paulista onde ficou um mês e meio como servente e saiu para se empregar no Sindicato dos Trabalhadores em Indústrias Químicas, como escriturário.

1954
- Virgílio compra uma pensão no Brás e levou sua mãe e seus irmãos para viver com ele em São Paulo, mais tarde ele confessou que foi a realização de um sonho ver sua família novamente reunida.

1953

1952
- Depois de trabalhar em uma lanchonete, Virgílio exerceu as funções de mensageiro e de auxiliar telegrafista da companhia telegráfica western, foi nessa época que ele filiou-se ao Sindicato dos Empregados nas Empresas Telegráficas, ao sair da Western ele se empregou no Banco Mineiro da Produção como contínuo e lá permaneceu durante dois anos, neste período ele se filiou ao Sindicatos dos Empregados em Estabelecimentos Bancários, no de correr desse emprego ele empregou-se também na Companhia Antártica Paulista como guarda interno, tendo se filiado no Sindicato dos Empregados em Industrias de Bebidas e Conexos.

1951
- Por não gostar do trabalho na roça Virgílio resolve estudar e tentar a vida em São Paulo. Primeiro ele viajou até Natal, lá ele arrumou uma vaga em um caminhão que iria para São Paulo, a viajem durou mais de um mês dadas as dificuldades mecânicas do transporte que o conduzia. Entretanto antes de chegar ao ponto final Virgílio foi abandonado no Rio de Janeiro pelo motorista do caminhão, horas mais tarde ele reencontra o tal motorista que alegando seu retorno ao Rio Grande do Norte pagou a passagem de Virgílio de ônibus até são Paulo.

- Chegando a São Paulo foi morar com sua tia Severina (nina) e arranjou trabalho em uma lanchonete, onde ficou por um período de quatro meses.

1950

^ Subir

Década de 1940 – Século 20
1949
1948
1947
1946

1945
- O pai de Virgílio resolve voltar para Rio Grande do Norte, trabalhando como seringueiro na colônia FORDLÂNDIA em Belterra, seus pais se separam e sua mãe retorna ao Rio Grande do Norte com os filhos homens, sua irmã havia decidido ficar com o Pai.

1944
1943

1942
- O pai de Virgílio, Sebastião Gomes, recebe do Governo federal passagens de navio para toda família se deslocar até o recém-criado Estado do acre, nessa viagem a família de Virgílio sofre um naufrágio, entre Natal e Fortaleza causado pelo bombardeio do navio em que viajavam por uma embarcação inimiga, era a chegada da segunda guerra mundial;

- A viagem da família até o Acre teve seu fim no Pará devido o estado de saúde de um dos seus irmãos.

1941
1940

^ Subir

Década de 1930 – Século 20
1939
1938
1937
1936
1935
1934

1933
- 15 de agosto, nasce na comunidade Ipueira da Quixaba, município de Sitio Novo no Rio Grande do Norte, VIRGÍLIO GOMES DA SILVA, filho de Isabel Marinho de Carvalho e Sebastião Gomes da Silva.

1932
1931
1930

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais