O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Inicial | Reprimidos RN | Mortos Desaparecidos Políticos RN | Repressores RN

Militantes Reprimidos no Rio Grande do Norte
Raimundo Ubirajara de Macedo

Livros e Publicações

No Outono da Memória
O Jornalista Ubirajara Macedo Conta a História da Sua Vida
Nelson Patriota, 2010

22. Minha rotina

Tive uma vida trabalhista intensa ao longo de mais de 50 anos ininterruptos de trabalho. Nesse ínterim, colhi muitos frutos positivos e alguns poucos aborrecimentos com colegas de redação, mas isso são águas passadas. Sempre fui muito versátil, por isso consegui me adaptar a todos os tipos de trabalho, porque sempre acreditei firmemente que todo trabalho é digno. Mas quando me afastei em definitivo de qualquer atividade remunerativa, em 1987, resolvi investir os longos dias livres que se abriam à minha frente a cada manhã em coisas úteis, agradáveis, se possível culturais, de preferência musicais.

Desde então, venho estudando coisas, como, por exemplo, línguas: estudei francês e espanhol, informática e teatro, memorização e terapia expressiva e fiz um curso de oficina de memória. Todos esses cursos me foram oferecidos pela Universidade Aberta para a Terceira Idade – Unat, segmento da UnP voltado para a terceira idade.

Achei todos os cursos ótimos e creio que me têm sido muito úteis. Gostei particularmente do curso de teatro, da professora Ana Francisca, que repeti no ano seguinte. Gostei também do curso de oratória, que fiz também com ela.

Esses cursos têm me mostrado que pessoas idosas precisam estar se reciclando sempre, recapitulando aquilo que aprenderam na juventude e assimilando novos conhecimentos. Vale observar que os alunos, todos da terceira idade, pagam uma quantia simbólica para fazer esses cursos, o que valoriza mais o papel desses professores, aliás professores universitários que reservam uma parte do seu tempo para se ocupar com pessoas de idade, como nós.

Outra forma de aproveitar meu tempo livre é em festas, como as patrocinadas pelo Clambom, ou ainda visitando amigos e parentes, indo à missa aos domingos, lendo bons livros e sempre ouvindo música.

As viagens têm tido um papel especial no meu lazer. Viajei bastante para o exterior. Na América Latina, do Chile à Patagônia, passando por Montevidéu, para prestar uma homenagem à memória de Djalma Maranhão, embora não tenha encontrado quem me indicasse o local onde ele amargou seu exílio. O espetáculo dos Andes, com seus vulcões, seu gelo eterno, seus lagos imensos, tudo me encantou. Tomei um ônibus em Porto Monte, Argentina, na fronteira com o Chile, e fomos até Bariloche, na Argentina.

Fui ao México num pacote que incluía Nova Orleans, Nova Iorque, Washington, Miami. Visitei as ruínas das pirâmides astecas e maias. Na Cidade do México, me chamou a atenção o museu Zoccalo, com um painel imenso de Diogo Rivera que conta a história do país sem fazer uso de palavras. Suas imagens falam por si.

Viajei também bastante Brasil adentro. De avião, de navio, de ônibus...

No leste europeu, visitei a Polônia, a Tchecoslováquia (na época), a Áustria (Viena) e Innsbruch. Fui à Escandinávia. Peguei um navio em Copenhague, na Dinamarca, e fiz um cruzeiro pelo Mar Báltico estirando até a Finlândia e a Letônia e, na volta, passei por São Petersburgo, Rússia, onde visitei o famoso museu Armitage. Impressionei-me com a grandiosidade desse museu, que é, sem favor, um dos maiores e mais importantes do mundo.

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais