O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Inicial | Reprimidos RN | Mortos Desaparecidos Políticos RN | Repressores RN

Militantes Reprimidos no Rio Grande do Norte
Raimundo Ubirajara de Macedo

Livros e Publicações

No Outono da Memória
O Jornalista Ubirajara Macedo Conta a História da Sua Vida
Nelson Patriota, 2010

16. Na ilha de Fidel

Não é preciso ser comunista para se reconhecer o valor de Cuba. Basta ter um pouco de sensibilidade, aliar a isso um tanto de informação e um outro tanto de utopia. Com essa receita, podemos chegar a Cuba com a certeza de que iremos admirar com uma justa medida todo o magnífico trabalho de idealismo e praticidade que o povo cubano realizou desde a ascensão de Fidel Castro – ou desde o fim do governo de faz-de-conta de Fulgêncio Baptista.

Fiz minha viagem a La Habana em 1990. Ficamos num hotel, de cujo nome não me recordo, mas que sei que fora construído por empresários americanos para usufruto dos turistas ianques. E também canadenses, europeus... Os turistas latino-americanos estavam naturalmente excluídos. Reside justamente aí um dos grandes feitos da revolução: ter devolvido aos cubanos a sua dignidade, reconhecendo-lhes seus direitos, dentre estes, o de desfrutar dos seus bens estético-patrimoniais.

A primeira coisa que notei, antes do desembarque no aeroporto José Martí, em Havana, foi o brilho intenso das águas caribenhas entremeadas de ilhas, ilhotas, e outros pequenos acidentes insulares espalhados em meio à vastidão do mar e que, à medida que se aproximava a aterrissagem, ganhavam contornos mais nítidos que acentuavam sua beleza, marcada pela plasticidade dos seus entornos.

Como das vezes anteriores, Lourdinha me acompanhava numa excursão constituída de pessoas com as quais tínhamos variados graus de amizade, o que acrescentava ao prazer de conhecer novos lugares e pessoas, o calor e o conforto da amizade. Ficamos todos no mesmo hotel, mas a partir daí, pequenos subgrupos do nosso grupo maior faziam seu próprio programa, de acordo com o grau de interesse de cada um. À noite, costumávamos fazer programas coletivos, indo a um determinado teatro, boate ou restaurante previamente acertado com a organização do tour. Afora eu e Lourdinha, outros aficionados da boa música integraram esse passeio a Cuba, por isso, íamos com frequência a espetáculos musicais, ponto em que a ilha caribenha é especialmente forte. Não vimos um Silvio Rodriguez nem um Pablo Milanés ao vivo, mas pudemos assistir a shows de nomes importantes da velha guarda cubana, como Omara Portuondo, Efraim Ferrer e Compay Segundo. Mas, independentemente de ter ou não um grande nome em cartaz, nessa ou naquela casa de espetáculos, sempre valia a pena assistir, porque o povo cubano é extremamente musical. Nesse ponto, eles se parecem muito com nós brasileiros, e estão sempre dispostos a “fazer um som” de improviso, nem que seja ao compasso de uma caixinha de fósforos... Recordo que um dos shows musicais que assistimos em Havana me levou a compará-lo com espetáculos semelhantes que eu havia assistido não fazia muito tempo no Moulin Rouge, em Paris. E a conclusão a que cheguei foi que o espetáculo que vi em Havana nada ficava a dever ao dos parisienses.

A praia de Varadero, na província de Matanzas, onde ficava nosso hotel, é um lugar especialmente privilegiado de Cuba. Sendo uma tradicional estação de veraneio desde os tempos de Baptista, dispõe de uma variedade de hotéis voltados especialmente para o turismo, o que confere a eles um padrão de qualidade próximo às exigências europeias e americanas. Devido aos laços históricos que nos unem aos cubanos, os turistas brasileiros são recebidos com muito carinho em Cuba, seja num hotel três estrelas, seja num restaurante, numa fábrica artesanal, num café ou em outra parte.

Mas o que mais concorre para elevar a imagem de Cuba no exterior é a qualidade de sua educação e de sua saúde. Pudemos conferir ao vivo por que a educação cubana tem tão larga repercussão. Visitamos uma escola primária meio por acaso, quando voltávamos de um passeio à baia de Cienfuegos, de volta a Havana. Nosso guia precisou se ausentar por cerca de duas horas e eu e Lourdinha e mais um pequeno grupo deparamos com o que nos pareceu a fachada de uma escola. Nos identificamos como turistas brasileiros e pedimos permissão para visitá-la. Um professor veio nos receber e nos conduziu ao interior do estabelecimento, onde, naquele momento, outro professor ministrava aula de espanhol para crianças de entre oito e dez anos.

Ao notar a nossa presença, ele interrompeu a aula para nos convidar a assisti-la. Como éramos quatro, nos acomodamos sem dificuldade em cadeiras que foram providenciadas para nós e, embora com alguns equívocos de sentido, nos comunicamos “passavelmente”. Lourdinha pediu então para ver a lição que as crianças estudavam naquele momento e pediu a uma delas, uma garotinha de tez escura e olhos muito amendoados, que lesse o poema “Dos Patrias”, de José Martí, que exalta o amor do poeta a Cuba e à noite, as duas pátrias de que fala o poema.

A garota não se fez de rogada. Levantou-se da sua carteira escolar e leu o poema vagarosamente, sem demonstrar insegurança. Lourdinha a parabenizou pela ótima leitura e, após agradecermos ao professor, fizemos menção de nos retirar. Mas foi o próprio professor que se dirigiu ao nosso grupo e nos fez uma breve exposição sobre as dificuldades que vivenciava na escola. Eram dificuldades de ordem material, frisou, mas que não comprometiam a qualidade do ensino porque a dedicação dos alunos as compensava com sobra. Percebi o quanto lhe custava fazer aquela confissão para quatro estranhos que pouco ou quase nada sabiam sobre os problemas de que ele falava. Mas era como se ele precisasse desabafar com alguém seus problemas. Falou também das limitações salariais que enfrentava no seu trabalho, mas nos garantiu que não trocaria a sua cátedra por nada que significasse mudar a forma de ser de Cuba. Notamos que a confissão lhe custou um grande esforço e lágrimas rolaram de sua face.

Em outra ocasião, visitamos uma fábrica de charutos nos arredores de Havana. Eram centenas de trabalhadores, no geral, jovens e de ambos os sexos, que enrolavam manualmente o tabaco até conferir-lhe a forma do charuto. Nenhum operário interrompeu seu trabalho, mas saímos de lá abarrotados de charutos de diversas marcas, que compramos a preço convidativo.

Em outra ocasião, fomos a um hospital de médio porte. Não vimos pacientes pelos corredores, como é tão comum nos hospitais públicos brasileiros. Outro detalhe que me chamou a atenção foi a limpeza impecável dos corredores e ambulatórios. Notei também que havia médicos em grande número e junto aos guichês de atendimento os pacientes pareciam tranquilos.

Em resumo, vi uma Cuba vibrante, esbanjando energia e entusiasmo, cheia de vitalidade e de projetos, mas sem descuidar da vida presente. Com os avanços que já conseguiu em áreas essenciais como saúde, educação, lazer e cultura, acho que o povo cubano está preparado para os desafios gerados com o afastamento de Fidel Castro. A vibração das ruas dá a entender que corre sob o chão da ilha uma energia que anima a alma cubana e a renova a cada novo dia.

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais