O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Inicial | Reprimidos RN | Mortos Desaparecidos Políticos RN | Repressores RN

Militantes Reprimidos no Rio Grande do Norte
Raimundo Ubirajara de Macedo

Livros e Publicações

No Outono da Memória
O Jornalista Ubirajara Macedo Conta a História da Sua Vida
Nelson Patriota, 2010

14. Quando me sinto poeta

Ocasionalmente, sou poeta. A rigor pertenço à categoria dos poetas bissextos – poetas que escrevem um verso, um poema, a pretexto de algo diante do qual nada conseguem dizer em prosa, por não achá-la à altura do que precisam dizer. Nessas ocasiões, o único recurso à mão é a poesia. E nos rendemos a ela. Por isso, só de quando em vez recorremos à poesia. E o fazemos na certeza de que ela nos atenderá.

Foi assim que escrevi alguns poemas, motivados por um acontecimento, uma emoção incomum, um deslumbramento que eu não sabia traduzir com as palavras triviais do dia-a-dia.

Transcrevo agora alguns desses poucos exemplares em forma de versos para que eles, embora de voos modestos, não se extraviem na efemeridade dos diários e dos jornais.

O primeiro poema nasceu do amor que sinto por minha companheira Lourdes Pereira, desde o instante em que a conheci. Tento traduzir nos seus versos a gama de sentimentos amorosos que ela me inspira num crescendo de afetividades. O poema, embora tenha sido escrito por ocasião do seu aniversário em 2001, traduz sentimentos duradouros e inamovíveis que alimentam nosso amor para com o outro.

Mas um único poema não bastaria para dizer todo o sentimento que me une a minha amada Lourdinha. Por ocasião de outro aniversário dela, escrevi-lhe um segundo poema que, de certo modo, complementa o primeiro.

Escrevi o terceiro poema em homenagem a Maria do Céu, minha cunhada, no dia em que o Criador a chamou para si. Tentei expressar com ele toda a emoção que sua perda inconsolável representou para mim, que a conheci com desmedida admiração, fazendo-me porta-voz também dos seus filhos, que a amavam com incontrastável amor filial.

Prosseguindo em minha carreira efêmera de poeta bissexto, reúno neste capítulo um poema que escrevi para a cidade de Natal e que fez parte da série “Crônicas de Natal”, do Diário de Natal. Posteriormente, o poema recebeu música do compositor Sidney Palmeira.

O último poema desta breve antologia de minhas poesias é dedicado a Raquel, uma jornalista paranaense que nos abrilhantou com sua presença na nossa cidade, com sua jovialidade, simpatia e olhar penetrante.


AVE DO CÉU
Ubirajara Macedo

Maria, que também é do Céu!
Aqui, a homenagem de quem
Sempre te admirou.
Disseste, um dia, que eras
Mais mãe do que tudo.
Mais mãe do que política,
Mais mãe do que escritora, poeta
Ou qualquer coisa intelectual,
Porque ser mãe representava
Toda a razão de tua vida.
E não mentiste e nem deixaste
De cumprir o teu desejo.
Estão aí Nina e Paulo como
Testemunhas de tudo
E já se foram Magnus e Armando,
Também filhos diletos que
Estão te recebendo no
Sagrado Reino de Deus,
Onde esperavam para
Saudar a grande mãe!
E é no teu dia que saúdo
A mãe que sempre
Desejastes ser, no sofrimento
Ou na alegria.
A mãe que sempre honrou os filhos
Como também o marido Aristófanes.
Por tudo isso, és Ave do Céu
Que também é Maria.

Natal, 20.04.2001.


LOURDINHA
(A Paz Não Dorme)
Ubirajara Macedo

Paz de criança dormindo é pouco.
Eu quero paz para você acordada,
E muito bem acordada.
A paz para nós dois,
A paz para os netos e
A paz para os filhos e amigos,
Uma vez que esta data é de todos eles,
De todos nós, e, lógico,
Principalmente de você.
Gostaria que Dolores Duran,
A grande letrista de nossa música popular,
Estivesse presente nesta hora:
À paz de nosso amor, à paz dos netos e filhos,
À paz dos amigos, também, que são inúmeros.
Por tudo isso, receba de quem lhe quer muito,
O abraço de uma paz eterna,
Pois eterno é o nosso bem-querer.
Seu, sempre seu,
Ubirajara Macedo.

Natal, 14.12.2001.


AH... SE EU FOSSE POETA...

Ubirajara Macedo
Para Lourdinha Pereira, no seu aniversário.

Sim! Como é necessária a poesia
Para momentos como este.
Minha amada! Se eu fosse poeta
Diria nesta hora, ternamente,
Que sinto dentro da poesia maior de
Nossas vidas o amor.
Não sou poeta. Falo sem palavras líricas,
Mas te direi simplesmente
Com a sinceridade dos que de fato amam.
Esta saudação serve também para afirmar-te
Que ela não comemora o teu aniversário.
Aniversário comemora-se todos os dias.
Aniversário lembra existência.
A existência comemoro todos os dias.
E o farei sempre.
Por toda a minha vida, estarás sempre em mim.
AH! SE EU FOSSE POETA!...


MINHA CIDADE AMADA
Ubirajara Macedo

Se eu fosse um poeta cantaria melhor
Essa cidade-poema, essa cidade-vida.
Poeta não sou, mas mesmo assim eu direi a ti,
Natal, meu canto de amor.
Minha paixão por ti
Vai além do que imaginas, Natal!
No canto das águas do Potengi amado,
Nas velas dos pequenos pesqueiros
Que adormecem nos parrachos.
Nas mulheres de “vida fácil”
Da velha Ribeira amada.
Tudo isso é Natal, minha amiga, meu amor.
Natal rebelde, que nunca morreste de amores
Pelos que nada fizeram por ti!
Natal que glorificou e foi glorificada por
Djalma Maranhão!
Natal que aprendeu a ler mesmo de “pé no chão”
E que cumpre o seu destino
Com a firmeza de cidade heróica!
Natal: 400 anos de lutas, somando mais vitórias
Que derrotas.
Receba, neste momento, Natal,
O amplexo de um macaibense que sempre te
Adorou.



UNS CERTOS OLHOS...
Ubirajara Macedo

Olhos bíblicos
Que vibram, sorriem e
Falam da mulher-menina

Olhos que não sentem
Emoções fortes por que
São olhos puros de menina

Olhos de mulher amada
Olhos que não fingem
Olhos que não mentem

Olhos que se fixam no bem
E quem os conhece sente
A grande alma de Raquel

......................................

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais