O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Inicial | Reprimidos RN | Mortos Desaparecidos Políticos RN | Repressores RN

Militantes Reprimidos no Rio Grande do Norte
Raimundo Ubirajara de Macedo

Livros e Publicações

... e lá fora se falava em liberdade
Ubirajara Macedo, Sebo Vermelho 2001

Aldo da Fonseca Tinoco

Formado em Odontologia, o ex-deputado estadual Aldo Tinoco estava exercendo em São Paulo, na USP, a função de professor de Medicina Sanitária, quando foi obrigado a voltar a Natal, em situação nada cômoda. Fora “dedurado” por antigos companheiros seus da Universidade do Rio Grande do Norte como “perigoso comunista” e, então, foram buscá-lo na “toca vermelha” da famosa universidade paulista. Lembro-me da chega de Aldo à nossa cela, sempre cauteloso e evitando conversa. Isto nos primeiros dias, porque depois se soltou e as conversas fluíram bem humoradas. Certo dia, chegou mais um preso que não sabíamos quem era. Depois ficamos sabendo que era Edgar Dantas, comerciante de Macaiba, homem bom e cordato, porém Aldo não sabia por que ele havia chegado ali. Edgard Dantas apenas era vereador na terra de Auta de Souza, não tendo nenhuma vinculação com os partidos de esquerda na época. Aldo quando viu o comerciante chegar, cobriu-se todo pensando que Edgard tinha vindo para patrulhá-lo. Nada disso, o modesto comerciante tinha sido vítima também da “deduragem” que campeava solta e não perdoava ninguém. Com os dias é que foi se sabendo da história de Edgard. Então, voltou tudo ao normal, com Aldo tranquilo, se é que há tranquilidade em prisão, e o macaibense contando o porquê de sua estada ali. Poucos dias depois, Aldo era transferido para o presídio de Fernando de Noronha, justamente no mesmo dia em que foram Djalma Maranhão e o ex-deputado Floriano Bezerra. Pela madrugada, os companheiros de prisão foram acordados e imediatamente receberam ordens para aprontar as “malas” e, algemados, foram quase arrastados para o transporte que os levariam para o aeroporto. Foi mais um dia de desespero, não só para os que foram, como para os que ficaram, pois na hora não se sabia qual era o destino dos três. Posteriormente é que soubemos o que acontecera com os mesmos.

Não poderia deixar aqui de relembrar outras figuras que estiveram conosco naqueles dias que, espero, não voltem mais. Entre eles, Waldier Gomes dos Santos, líder rural em Montanhas e Pedro Velho, no agreste potiguar, que foi torturado por mais de uma vez; Osvaldo Guedes de Moura, que agenciou por muito tempo o jornal de esquerda “O Semanário”; Manoel Bento da Silva, agricultor na região de Baia Formosa; o protético Washington Luis Fernandes; José Nunes, sapateiro em Nova Cruz; Carlos Alberto Galvão Siqueira, funcionário público residente em Natal; Francisco de Assis Gomes, estudante na época, outro torturado e que precisou da intermediação de dom Eugênio Sales para que não voltasse a ser molestado fisicamente. Logo depois, Gomes seria libertado, mas sofreu muito antes que saísse da prisão. Finalmente, fechando esta relação, o professor e político em Canguaretama Noel Bernardo de Oliveira e o estudante, na época, Nilson Advíncula de Souza, nascido em Macaíba, mas residente em Brasília. É bem possível que alguns nomes tenham escapado de minha lembrança, mas se aconteceu, peço desculpas.

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais