O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Inicial | Reprimidos RN | Mortos Desaparecidos Políticos RN | Repressores RN

Militantes Reprimidos no Rio Grande do Norte
Raimundo Ubirajara de Macedo

Livros e Publicações

... e lá fora se falava em liberdade
Ubirajara Macedo, Sebo Vermelho 2001

Irmãos Oliveira

Dois dias depois da minha prisão, começaram a chegar mais presos políticos à cela onde me encontrava. E na tarde de 09 de abril, Guaracy Queiroz de Oliveira e Paulo Frassinetti de Oliveira “davam entrada” no local que, pouco a pouco, foi recebendo mais “implicados na subversão”. Desconfiados e seguros, os dois não queriam conversa com as pessoas que já ali estavam. O nosso Guaracy, então, era mais cauteloso que Paulinho. E conversa que bom, nada. Dizia ele que dezenas de alto-falantes estavam colocados nas paredes, de forma embutida, que só os “milicos” sabiam onde estavam. Com o correr dos dias, os dois foram se soltando mais. Que jeito...

Daí por diante foram chegando os elementos perigosos (para eles, é claro) e o grupo foi aumentando de forma que, diante da triste realidade, diga-se de passagem, íamos administrando o fato real. Surgiam esperanças de soltura, que logo fugiam quando víamos, a cada dia, chegarem mais companheiros. Após as visitas familiares, que tiveram início oitos dias depois, ficávamos mais tristes, principalmente quando tomávamos conhecimento de que haviam sido humilhados na portaria do quartel, pois desembrulhavam com toda estupidez lanches ou pacotes de roupas, soltando piadas e deixando-os cada vez mais nervoso. Creio que faziam isso para desestimular a ida de mulheres e filhos àquele lugar que, sendo um quartel de uma unidade do glorioso Exército brasileiro, deveria merecer mais respeito. As cinzas de Caxias, de Osório e de outros grandes heróis nacionais mereciam e continuam merecendo mais respeito. Eles vestiam a farda da nossa força maior e muito a dignificaram; não foi para que a transformassem em instrumento de perseguição e arbítrio contra um povo pacífico e indefeso.

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais