O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Inicial | Reprimidos RN | Mortos Desaparecidos Políticos RN | Repressores RN

Militantes Reprimidos no Rio Grande do Norte
Raimundo Ubirajara de Macedo

Livros e Publicações

... e lá fora se falava em liberdade
Ubirajara Macedo, Sebo Vermelho 2001

A alegria dos dedos-duros

Apresentei-me então ao gabinete do diretor, cuja sala estava repleta dos “dedos-duros” que nos denunciaram como subversivos. Notei todos alegres, contando piadas e escondendo na face de canalhas que eram a morbidez, o riso de hiena e a canalhice do mau-caráter. Foi quando Sabino Troccolli me comunicou que ali estava o tenente Roosevelt para me conduzir ao 16º RI. Aí dei uma de cínico diante dos canalhas que esperavam mais uma ordem de prisão: É Sabino, recebo com tranquilidade mais esta prisão, mas sei que em breve estarei aqui de volta, porque sou um homem limpo, o que não acontece com os que estão agora lhe puxando o saco e rindo. E outra coisa, se me chamam de volta ao 16º RI é porque gostaram da minha presença lá”...

No outro dia, já preso, minha mulher, na época, Doralice Varela, também funcionária dos Correios, me contou que eles, os “dedos-duros”, me chamaram de cínico porque ri na cara deles, da sem-vergonhice de todos... Mas eles, coitados, nada ganharam com isso. As próprias autoridades militares não confiavam mais em suas mentiras. Foram verificar suas fichas funcionais e descobriram coisas do arco da velha. Uns eram até ladrões. Outros, péssimos funcionários que viviam “doentes”, enganando os médicos dos Correios e com fichas mais sujas do que “pau de galinheiro”...Ora, vejam com que tipos contavam os redentores de 1º de abril.Bem, deixe-os prá lá, que em vaso ruim é bom que não se mexa, porque quebra, nos fere e dá gangrena... A história conhece bem seus métodos sujos e mesquinhos. São coisas que se amoldam a qualquer vasilhame, não pensam, são robôs apenas. Só não são dignos de pena porque a canalhice deles não permite compaixão. Não cito os seus nomes porque nem isso eles merecem. Seria elevá-los a uma categoria superior, e em letras sérias, corruptos não entram.

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais