O Comitê RN
 Atividades
 Linha do Tempo
 ABC Reprimidos
 ABC Repressores
 Comissões IPMs
 BNM Digital no RN
 Coleção Repressão
 Coleção Memória
 Mortos Desaparecidos
 Repressão no RN
 Acervos Militantes
 Bibliografia RN
 RN: Nunca Mais
 Áudios
 Videos
 Galerias
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Inicial | Reprimidos RN | Mortos Desaparecidos Políticos RN | Repressores RN

 

Militantes Reprimidos no Rio Grande do Norte
Mailde Pinto Ferreira Galvão
Livros e Publicações

1964. Aconteceu em Abril
Mailde Pinto Galvão
Edições Clima 1994

Depoimento na Comissão Municipal

Em maio recebi uma intimação para depor na Prefeitura, às vinte horas de um dia determinado. Apresento-me na hora marcada. A comissão encontrava-se instalada no Salão Nobre da Prefeitura, o mesmo salão onde se realizavam as reuniões de trabalho presididas pelo prefeito Djalma Maranhão. Fiquei muito tensa quando entrei no recinto fortemente iluminado. Em torno de uma mesa estavam sentados os senhores Rodolfo Pereira, presidente, e os membros que a compunham, capitão-tenente da Marinha Humberto Romero, capitão do Exército Gerardo Parente e o coronel da Policia Militar Severino Bezerra. Fui recebida com indisfarçável hostilidade e desprezo. Senti-me naturalmente acuada e desafiada. O oficial da Polícia Militar permaneceu de cabeça baixa e em silêncio, parecendo-me constrangido e pouco à vontade. O depoimento foi muito difícil porque é difícil receber o preconceito jogado na cara, como uma pedrada. Eu não estava preparada para aquele encontro de ódio e precisei lutar muito para me defender. Envolveram-me na agressividade, fui também agressiva quase senti-me forte. Surpreendia-me a irresponsabilidade de fazê-los compreender a importância dos programas culturais da Diretoria de Documentação e Cultura - DDC. lnsistiam na acusação de que através das bibliotecas populares iríamos preparar guerrilhas. Estavam de posse das estatísticas de empréstimos de livros que atingiram uma média mensal de dois mil e quinhentos em cada Posto e não acreditavam que, sem interesses políticos e subversivos, a DDC emprestasse livros a uma comunidade popular.

Acusaram-me, também, de haver autorizado a entrega de livros pela Livraria Universitária, até uma certa importância em dinheiro, a uma associação de militares da Marinha, que havia solicitado ao prefeito a doação de alguns livros para formação de uma pequena biblioteca. Exibiam o ofício, através do qual eu fizera a autorização, como se fosse um documento de subversâo política. Um ano de rotina administrativa era transformado, de repente, em crime contra a segurança nacional. Foi um enfrentamento desigual e inútil. Usamos as mesmas palavras, falamos dos mesmos assuntos mas com sentidos diferentes; não podíamos, portanto, nos entender.

Saí do interrogatório extremamente cansada. Tentaram esmagar a minha resistência, confundiram as minhas respostas e usavam qualquer palavra para implicar outros companheiros. Citavam nomes de pessoas e insistiam nas suas participações em atos subversivos, como se dispusessem de documentos e provas. Excetuado o coronel da Polícia Militar, foram todos muito cruéis.

Em outras comissões pude conhecer os que não eram cruéis mas eram despreparados. Na comissão composta por funcionários do então Departamento de Correios e Telégrafos, um telegrafista ficou irritado quando lhe respondi que não me sentia na obrigação de ler todos os livros que a DDC expunha para emprestar. Considerou-me, então, responsável por um ato subversivo que não sabia explicar, mas insistia que não se podia emprestar livros sem antes havê-los lido. Argumentava sem maldade, apenas por ignorância.

Assim, eram preparados os termos de acusação. Na comissão dos Correios e Telégrafos, apenas o presidente tinha condições intelectuais para interrogar, mas todos o faziam e tinham as suas conclusões equivocadas incluídas nos relatórios de acusação.

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais