Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Potiguariana Digital
Experiências de Educação Popular
De Pé no Chão Também se Aprende a Ler

Memória Histórica Potiguar

 

 

 

Palavras ao Povo
Djalma Maranhão
Rio de Janeiro, Novembro de 1964
(Publicado pelo Correio da Manhã)

 

De Pé no Chão | 40 Horas de Angicos | Movimento de Natal | CEBs no ES | Potiguariana

Textos | Livros e Publicações | Áudios | Vídeos | Fotografias | Rede RN | CDHMP

Palavras ao Povo

Depois de oito logos meses de cárcere, nos presídios de Natal, Fernando de Noronha e Recife, fui libertado por “Habeas-Corpus” concedido pelo Supremo Tribunal Federal. Resolvi, no entanto, procurar asilo político na Embaixada do Uruguai e, deste gesto, sinto-me na obrigação de prestar aos brasileiros, particularmente aos nordestinos a aos meus conterrâneos do Rio Grande do Norte, os seguintes esclarecimentos:

I – Não creio na validade de um habeas-corpus neste momento da vida brasileira em que a ordem jurídica é vilipendiada e destruína riàriamente; os casos Seixas Dória e Astrogildo Pereira para citar apenas os mais recentes, comprovam sobejamente essa interpretação.

II – Meu estado de saúde exige tratamento imediato, sendo impossível fazê-lo no clima de apreensão em que vive o País. Duas vêzes, dado o clima de terror em que estamos mergulhados minha morte foi anunciada pela imprensa. Perdi vinte e cinco quilos de peso. Em Natal fui internado no Hospital da Polícia Militar e, antes de concluir o tratamento, levado para Fernando de Noronha, de onde, posteriormente, fui mandado para o Hospital do Exército no Recife, visto que realçavam o escândalo de meu falecimento na Ilha.

Ultimamente estava detido no Regimento Guararapes na capital pernambucana. Vou para o exterior, também, na tentativa de recuperar a saúde.

III – Além do mais, com os direitos cassados, demitido do emprego e sem condições de trabalho, são mínimas as possibilidades de tentar aqui o tratamento de que necessito. Confio em que minha ausência será de pouco tempo.

IV – O governo está totalmente submetido ao imperialismo: agrava-se dia a crise econômico-financeira; a inflação toma proporções imprevisíveis, e já nos encontramos às vésperas daquilo que Jânio Quadros classificava como a “revolução do orçamento doméstico”. O general Fome está nas ruas, nos campos, nas fábricas, nas escolas e nas repartições públicas e muito e breve nos quartéis, absorvendo o aumento de vencimentos dado aos militares. Este governo ilegal, arbitrário e inimigo do povo não terá meios para travar a batalha decisiva.

Garanto, porém, que ante o espectro da fome nenhum povo permanece de braços cruzados. A História o demonstra. Até breve, meus irmãos!”

Textos | Livros e Publicações | Áudios | Vídeos | Fotografias | Rede RN | CDHMP

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Curso de Agentes da Cidadania Direitos Humanos