Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Ricardo Balestreri
 
Solidariedade: Caminho do Desenvolvimento
 
"As comunidades se desenvolveram, em resumo,
devido às redes e associações...
Elas se tornaram ricas porque havia
civismo e não o contrário."
Robert Putnam

Durante muito tempo a humanidade acreditou que o desenvolvimento dos povos passava apenas por cálculos e estratégias complicadas de economistas e decisões políticas de governantes.

Essa compreensão tecnoburocrática e estatista turvou-nos seriamente a capacidade de ver caminhos outros, mais consistentes, que são os responsáveis reais pelos avanços históricos na direção da riqueza e do bem-estar.

Recentemente dois cientistas da Universidade de Harvard, com substanciosas teses de história e ciências sociais, o Professor Robert Putnam1 e o Professor David Landes2, fizeram-nos ver ainda mais claramente essa correlação entre políticas públicas competentes, produtividade, justiça social e as chamadas "redes de engajamentos cívico".

Nada se produz de significativo, nada se administra com eficácia e eficiência, nada se distribui, sem permanente criatividade e participação popular.

Ainda que a democracia não possa e não deva prescindir do voto, hoje sabemos que construí-la é muito mais do que votar ou até simplesmente controlar a ação daqueles que nos representam.

Há um nível inabdicável da sustentação do edifício democrático que é a representação que o cidadão faz de si mesmo, "arregaçando as mangas", fazendo sua parte, não esperando pelas famigeradas "elites", pelos poderosos, pelos que quase nunca chegam.

Aos poucos estamos descobrindo, inclusive, que a melhor forma de pressionar o Estado a assumir suas responsabilidades é assumirmos as nossas. Todo Estado, qualquer Estado, teme profundamente diminuir em importância diante da cidadania organizada e, por isso, quando a cidadania se organiza, trata de dizer "presente" e não perder tanto tempo.

Não estou aqui defendendo a perspectiva neoliberal do "estado mínimo", que é uma forma de "sumiço" para dar lugar ao poder também "gravitacional" do grande capital. Não estou pregando a anomia, a "maternagem" social por um segmento alternativo ao Estado. Estou propondo a "cidadania máxima", as tais redes de responsabilidade direta, de engajamento, de voluntariado, que constroem a autonomia moral e intelectual dos cidadãos, não mais como "filhos" impotentes de quem quer que seja, mas como "pais" de si mesmos e de sua pátria.

Solidariedade é isso. Quando nos mobilizamos por outrem é por nós mesmos que nos mobilizamos em primeiro lugar. Quando somos solidários, os primeiros beneficiários somos nós, que assumimos nosso lugar na história, deixamos de ser as "vítimas", os "chorões", os queixosos, os desesperançados. Só a solidariedade resgata para nós a grandeza e a dignidade com que o criador nos fez, plenos de sentido existencial e imensamente ricos de possibilidades.

Pragmaticamente, em nível amplo, só a solidariedade pode construir um pais de abastança para todos. A solidariedade é, em si mesma, uma postura política diante da vida, mas é também uma postura reflexiva, contemplativa, terapêutica.

Alguém conhece algum outro caminho que tenha dado certo?
1 Putnam, Robert. Comunidade e Democracia, Fundação Getúlio Vargas Editora, Rio de Janeiro, 1996.
2 Landes, David S. A Riqueza e a Pobreza das Nações, Editora Campus, 1998.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar