Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Potiguariana Digital
Experiências de Educação Popular

As 40 Horas de Angicos
Paulo Freire e sua experiência no RN

Memória Histórica Potiguar

 


 

 

De Pé no Chão | 40 Horas de Angicos | Movimento de Natal | CEBs no ES | Potiguariana

 

A Experiência de Angicos: Depoimento do Jornalista Luiz Lobo
Exclusivo para a DHnet,através do nosso colaborador Ney Motta

“Segue depoimento de Luiz Lobo.
um abç, Ney Motta

Quando o cinegrafista (já morto) Hélio Polito chegou a Angicos, só levava
filme preto e branco e o iluminador não pode viajar.

Resolvemos documentar assim mesmo, porque as 40 horas já estavam acabando e não haveria tempo útil para fazer mais o registro da primeira experiência de alfabetização de adultos com o método Paulo Freire.

O filme foi pago pela Casa Civil do governo Aluízio Alves e acabou sendo o único registro filmado da chamada Revolução de Angicos.

Uma revolução pacífica, bem sucedida, barata, que podia ser multiplicada e acabar com o analfabetismo, não fosse a oposição dos que ganham com a mão-de-obra analfabeta até hoje.
Curioso é que os líderes foram presos e processados pelos milicos que estabeleceram a ditadura, sob a alegação de que era um movimento comunizante.

E, no entanto Paulo Freire era católico e até papa-hóstia.

E o famoso general Muricy, o todo-poderoso da Região, um entusiasta do processo, que mandou adotar nos quartéis e que mantiveram o método muito depois da "gloriosa" derrubar Jango Goulart. Muricy, anos depois, ainda tinha o orgulho de dizer que, sob o seu comando, nenhum recruta saiu do serviço militar analfabeto.

Mas o "pudê", esse não perdoava, por exemplo, a primeira greve na história
de Angicos. É que já sabendo ler e escrever e conscientizados (palavra
criada por Paulo Freire), os alistados nas frentes de trabalho fizeram seu
protesto por não estarem recebendo em dia.

Depois descobriu-se que o Prefeito recebia o dinheiro que dizia não haver chegado e pagava aos alistados como se fosse do seu próprio bolso, naturalmente cobrando um jurozinho. Prefeito esse que era irmão do Governador.

Por essas e outras é que acabaram com a alfabetização e exilaram Paulo
Freire e, principalmente, a idéia de alfabetizar todo o povo.

Luiz Lobo”

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar