Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

  


A prática dos direitos humanos
Por João Amaral

O respeito pelos direitos do Homem mede-se pelas acções e não pelas palavras. Em matéria de serviços secretos e de recolha de informações, a prática nacional e da União Europeia deixa muitas dúvidas. O mesmo se passa com alguns dossiers explosivos, que têm sido mantidos debaixo de segredo e sem investigação, apesar das escandalosas situações a que se referem.

Se se pretendem exemplos do que se afirma, não é difícil encontrá-los. É o que se passa com a falta de fiscalização das secretas portuguesas. É o que se passa também com a montagem de sofisticados sistemas de escutas a partir de satélites, não só o já denunciado sistema ECHELON, de propriedade dos Estados Unidos, mas outros sistemas de outros países, incluindo um que se encontra em montagem pela União Europeia (e portanto com a participação de Portugal).
Mas, noutro plano, nunca é demais denunciar a falta de investigação acerca da chamada Conexão Lusa do caso GAL, onde apesar das condenações em Tribunal dos executantes, nunca foram averiguadas as responsabilidades políticas.
É caso ainda para lembrar, já que se fala dos direitos humanos, o cruel massacre de Wiriyamu. Há poucos dias a SIC fez um impressionante trabalho, levando o alferes que comandava a força militar ao local da chacina. Calcula-se em 400 o número de civis moçambicanos que foram barbaramente assassinados. Mulheres foram violadas, crianças foram impediosamente volteadas, seguras pelos pés, para serem esmagadas contra árvores. Como é que a consciência nacional reagiu à descrição desta chacina?
A resposta a estas situações de efectiva ou potencial violação de direitos humanos é dada na acção política, através da apresentação de propostas, através da denúncia combativa, através da divulgação da memória histórica sobre o que foi o fascismo e a ditadura como exemplo daquilo que o país quer enterrar definitivamente. Em todas essas frentes, o PCP se apresenta com o claro empenhamento de quem não poupa esforços na defesa dos princípios.

Vejamos por exemplo o caso do Conselho de Fiscalização dos Serviços de Informações.

Há quatro anos que os Serviços de Informações deixarem de ter a fiscalização a que a Lei obriga. Há quatro anos que, por responsabilidade do PS e do PSD, as secretas portuguesas funcionam em roda livre. De facto, para a eleição dos membros do Conselho de Fiscalização, são precisos os votos de 2/3 dos Deputados. Ora, só o PS e o PSD juntos ultrapassam essa fasquia. Por isso, são eles os responsáveis por esta verdadeira aberração que é secretas sem fiscalização.
Foi o PCP quem denunciou esta situação, que, em última instância, constitui um perigo para a democracia e para os direitos dos cidadãos. Foi o PCP quem apresentou um projecto de lei, que, dispensando a exigência de 2/3, podia facilitar a resolução do problema. Foi o PCP quem requereu urgência para esta discussão.
Sentindo-se desmascarados e encostados à parede, PS e PSD anunciaram para hoje a eleição do Conselho de Fiscalização. Se ela se consumar (e veremos!), isso dever-se-à à denúncia e à acção do PCP.

No caso do ECHELON, foi também o PCP quem levou a questão à Assembleia da República. Como é sabido, o ECHELON é um sistema de vigilância universal, que junta os Estados Unidos, Reino Unido, Nova Zelândia, Austrália e Canadá. Assente num serviço secreto americano (o NSA), o sistema gere uma rede de 25 satélites, e permite filtrar por minuto 2 milhões de chamadas telefónicas.
Segundo notícias vindas a público, o sistema tem servido para a vigilância de organizações como o Greenpeace. Não espantará que muitas organizações de esquerda sejam também objecto de vigilância.
Já vai para 10 meses que o PCP desafiou o Governo a abrir este dossier e a informar sobre o que se passa sobre um sistema que viola direitos fundamentais, permitindo escutas sem controlo.
O Governo, não só não informou a Assembleia, como parece estar envolvido, no seio da União Europeia, no lançamento de um sistema semelhante, para cooperar com o ECHELON. Há sobre a matéria um Memorando secreto, de 25 de Novembro de 1995. Mas, um recente documento (Enfopol 98, de 3 de Setembro passado, emanado do Grupo de Cooperação Policial) lança publicamente as pistas para a utilização pela União Europeia da rede de satélites tendo em vista o controlo das telecomunicações e da internet. É urgente que o Governo se explique perante o País!

Estes são casos e situações da actual vida nacional, que têm repercussões sobre o futuro. Mas, a par disso, há situações passadas que ainda hoje deveriam merecer uma acção específica.
É o que se passa com a Conexão Lusa dos GAL. Agora que em Espanha já há um Ministro e um Secretário de Estado na cadeia, por causa dos GAL e do terrorismo de Estado que praticaram, cabe perguntar como está o ramo português dos GAL.
Esse ramo português foi organizado por conhecidos colaboradores da DINFO, com destaque para o célebre Mário Correia da Cunha, informador que foi apanhado com fichas de militantes do PCP e do PS sobre os quais exercia vigilância. O Mário Cunha foi preso e condenado, e com ele outros executantes. Mas apontaram o dedo aos seus chefes na DINFO, Serradas Duarte e Fernando Ramos (que Cavaco Silva quis, sem êxito, cobrir com o segredo de Estado). Só que as investigações nunca foram levadas até ao fim.
Porquê? Alguém pode acreditar que tendo os GAL organizado em Portugal uma célula e recrutada gente próxima da secreta militar, que tudo isso se passasse à margem do Governo e das autoridades superiores?
Os GAL portugueses actuaram em França à bomba, ferindo gente, incluindo uma criança. Não são crimes que devem ser investigados até ao fim?
O mesmo se passa com a chacina de Wiriyamu. Não foi uma acção militar das Forças Armadas. Foi um massacre da responsabilidade de um dos "ultras" do regime fascista, que na altura chocou o Mundo. Pode o General Kaúlza de Arriaga, o Chefe militar supremo em Moçambique, passear por aí a sua impunidade?

 

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar