Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique
        

Dos Filhos Deste Solo


AS MORTES DOS FILHOS DESTE SOLO
Elio Gaspari
JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO - 08/08/1999 - pág. 03

   Como parte das comemorações dos 20 anos da anistia, vale a lembrança do próximo lançamento de um bom livro.

   É "Dos filhos deste solo", organizado pelo deputado Nilmário Miranda (PT-MG) e pelo jornalista Carlos Tibúrcio. Conta a história dos trabalhos da comissão especial criada pelo Congresso para determinar a responsabilidade do Estado no assassinato de dissidentes políticos durante a ditadura militar.

   A comissão, ajudada por legistas e pelas famílias dos mortos, conseguiu documentar absurdos. Fez isso estudando documentos oficiais. Por exemplo: segundo a requisição de necropsia feita pela polícia, Helber José Gomes Goulart, militante do marighelismo morreu às 16 h do dia 16 de julho de 1973 e seu corpo chegou ao Instituto Médico-Legal às 8h desse mesmo dia. Isso mesmo. Chegou ao necrotério oito h?????J?oras antes de morrer. Pior: as fotos guardadas no IML foram tiradas quando ele ainda estava vivo.

   Noutro caso, os documentos da polícia informaram que Frederico Eduardo Mayr, do Molipo, morreu no dia 23 de fevereiro de 1972, num tiroteio de rua. Uma ficha do DOPS paulista, datada do dia seguinte, mostra que ele fora fotografado e identificado em alguma repartição do governo, na véspera. Mary fora preso com um ferimento superficial na barriga. Mataram-no porque, no jargão do aparelho repressivo, "era um cubano" (tinha vindo de Cuba, onde recebera treinamento militar).

   "Dos filhos deste solo" cataloga cada um dos 136 casos de desaparecidos políticos reconhecidos antes da criação da comissão especial e os outros 148 assassinatos que elucidou.

   É mais um documento do que uma peça de leitura. Seu imenso valor está no registro e na preservação do metódico resgate que a comissão de Nilmário Miranda produziu.
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar