Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Página Inicial | Anatália de Souza Alves de Melo | Djalma Maranhão | Édson Neves Quaresma | Emmanuel Bezerra dos Santos | Gerardo Magela Fernandes Torres da Costa | Hiran de Lima Pereira | José Silton Pinheiro | Lígia Maria Salgado Nóbrega | Luís Ignácio Maranhão Filho | Luís Pinheiro | Virgílio Gomes da Silva | Zoé Lucas de Brito

 

Jonas, o primeiro desaparecido

Virgílio Gomes da Silva

(15/8/1933 – 29/9/1969)

 

Francisco Gomes da Silva, Chiquinho, foi baleado e preso no dia 28 de setembro de 1969. Passou por várias sessões de tortura na Oban. No dia seguinte, por volta das 11h, seu irmão Virgílio Gomes da Silva, o Jonas, foi levado à Oban, preso pela equipe do capitão Benone Albernaz.

Chegou algemado e encapuzado. Deram-lhe um chute no rosto, fazendo jorrar sangue, em uma demonstração de que estavam dispostos a tudo. Virgílio sobreviveu por 12 horas às torturas, desafiando seus carrascos.

Chiquinho ficou sabendo da morte do irmão meia hora depois, às 21h30, pelo capitão Albernaz. Celso Antunes Horta viu o corpo de Jonas e denunciou posteriormente às Auditorias Militares que ele morrera no pau-de-arara.

Comandavam a Oban naquela época os majores Inocêncio Beltrão e Valdir Coelho. Os capitães Dalmo Cirillo, Maurício Lopes Lima, Homero Cesar Machado (PM) e Benone Albernaz revezavam-se no comando das torturas.

Na morte de Virgílio participaram também o delegado Otávio Moreira Jr., o sargento PM Paulo Bordini, o agente policial Lungaretti (Maurício de Freitas), Paulo Bexiga (Paulo Rosa) e o agente da Polícia Federal Américo.

Apesar dos testemunhos dos presos políticos Francisco Gomes da Silva e Celso Antunes Horta, que juntamente com Paulo de Tarso Wenceslau e Manoel Cyrillo denunciaram às Auditorias Militares o assassinato de Virgílio Gomes da Silva, sua prisão e morte não foram reconhecidas. Jonas transformou-se, assim, no primeiro desaparecido político brasileiro.

Sua mulher, Idalina, e os três filhos foram presos em São Sebastião, no litoral norte do Estado de São Paulo. A repressão utilizou-os para pressionar Virgílio a dar informações, mas nem assim teve sucesso. Sabe-se que seu corpo foi enterrado no Cemitério De Vila Formosa, em São Paulo, mas nunca foi encontrado.

Documentos pesquisados no arquivo do Dops/SP comprovam sua prisão, enquanto os órgãos de segurança continuavam divulgando que ele se encontrava foragido.

Em sua ficha individual no Dops/SP, ao lado do seu nome, batido à máquina, vem entre parênteses, escrito à mão: morto.

No arquivo do Dops/PR, em um documento do serviço Nacional de investigação (SNI) de 31/10/69, lê-se: “Virgílio Gomes da Silva (Jonas), falecido por resistir à prisão; também usava a falsa identidade em nome de Joel Ferreira Lima”. No arquivo do Dops/RJ há um documento do CIE intitulado: “Terrorista da ALN com curso em Cuba” que relata no texto: situação em 21 de junho, morto.

Mesmo assim, em 1993, Relatório da Marinha obtido por Requerimento de informação feita pelo deputado Nilmário Miranda ainda afirma: Virgílio Gomes da Silva “morreu em 29 de setembro de 1969, ao reagir à bala quando de sua prisão em um aparelho”.

Quando o filme O Que é Isso, Companheiro? Apresentou Jonas como um militante frio e violento, dezenas de pessoas que o conheceram fizeram desagravos, resgatando sua imagem e história verdadeiras.

Virgílio nasceu no Rio Grande do Norte, Sítio Novo – Santa Cruz, e foi assassinado aos 36 anos. O seu caso foi reconhecido pela Anexo da Lei 9.140/95.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar