Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Comitê Estadual pela Verdade, Memória e Justiça RN
Centro de Direitos Humanos e Memória Popular CDHMP
Rua Vigário Bartolomeu, 635 Salas 606 e 607 Centro
CEP 59.025-904 Natal RN
84 3211.5428
enviardados@gmail.com

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

Comissões da Verdade Brasil | Comissões da Verdade Mundo
Comitê de Verdade Estados | Comitê da Verdade RN

Página Inicial | Anatália de Souza Alves de Melo | Djalma Maranhão | Édson Neves Quaresma | Emmanuel Bezerra dos Santos | Gerardo Magela Fernandes Torres da Costa | Hiran de Lima Pereira | José Silton Pinheiro | Lígia Maria Salgado Nóbrega | Luís Ignácio Maranhão Filho | Luís Pinheiro | Virgílio Gomes da Silva | Zoé Lucas de Brito

 

José Silton Pinheiro  

José Silton Pinheiro nasceu em São José de Mipibu, Rio Grande do Norte, em 31 de maio de 1949. Sua mãe, Severina Gomes, morreu logo após o parto, sem assistência médica. Foi criado por sua tia Lira, juntamente com Nira, sua irmã adotiva. Aos cinco anos foi para Natal. Inteligente, foi bem nos estudos. Chegou a frequentar o Convento Apipucos, no Recife, por um ano, na tentativa de ser um irmão marista. Participou no movimento estudantil em Natal, quando ingressou no PCBR. Atuou em Salvador e no Rio. Morreu aos 23 anos. Seu pai, Milton Gomes Pinheiro, casou-se de novo com a cunhada, Gemilda. No sítio em que moravam não havia luz elétrica nem água encanada. Só souberam da morte de José Silton um mês depois da Nota Oficial. Não tinham dinheiro para ir ao Rio atrás do corpo.

O jornalista potiguar Rubens Manoel Lemos afirmou em juízo que José Silton, o Gameleira, foi assassinado no DOI-Codi/RJ, na Rua Barão de Mesquita. Seus restos mortais seguiram a mesmíssima trajetória dos de José Bartolomeu.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar