Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Direitos Humanos – Uma Idéia, muitas Vozes
João Baptista Herkenhoff

Décima quarta parte - Capítulo 48

DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA
NAS RELAÇÕES ECONÔMICAS INTERNACIONAIS

A Questão dos Direitos Humanos no Hemisfério Sul

1. Uma abordagem específica, sem prejuízo da pertinência da abordagem geral

Nos países do que tradicionalmente se chamou “Ter­ceiro Mundo”, sem prejuízo da validade de certas análises universais, os Direitos Humanos exigem também a análise por uma perspectiva própria.

Um livro produzido na América Latina, no Brasil, não se poderia furtar ao enfrentamento do tema. E o que tentaremos fazer.

2. Os mecanismos injustos do comércio exterior. As desvantagens sofridas pelos países do Terceiro Mundo

O Terceiro Mundo ou Hemisfério dos pobres (Hemisfério Sul), pela grande maioria dos países que o integram, caracteriza-se por ser exportador de produtos primários e importador de produtos industrializados. Os produtos primários são vendidos a baixo preço. Os produtos industrializados são caros. A balança de pagamentos, em consequência, é, em regra, desfavorável aos países pobres.

Mesmo quando o país exporta produtos industrializados, como é o caso do Brasil, sua situação de dependência é mantida por força de mecanismos injustos de comércio internacional e pelo império do dólar como medida de valor.

3. Balança comercial: o caso brasileiro

O Brasil é um país rico que muito produz e muito ex­porta. Entretanto, como acontecia com os antigos lavradores das fazendas brasileiras (quando não havia legislação trabalhista), estamos sempre devendo. Nossa dívida é eterna.

Num pronunciamento feito em 1985, na Suíça, o Cardeal Paulo Evaristo Arns declarava que, nos dois anos precedentes, a balança comercial brasileira apresentara um superávit de um bilhão de dólares por mês. Mas esse dinheiro, observava o Cardeal, servira unicamente para pagar os juros da dívida. Não podemos continuar assim, arrematava.

4. A atualidade do problema

De tal forma a questão da injustiça das regras do comércio exterior e a questão da opressiva dívida externa dos países do Hemisfério Sul é omitida, pela grande imprensa, que pode parecer ao observador desavisado que este assunto ficou para trás, matéria resolvida, problema arquivado.

Raramente, articulistas se ocupam do tema. Mas a dívida externa continua a oprimir as nações supostamente devedoras, inclusive o Brasil.

Em artigo publicado em 23 de março de 1998, na Tribuna da Imprensa, Conrado Pereira denuncia que o Governo Federal desviou 632 milhões de dólares do Fundo de Marinha Mercante (FMM) para abater a dívida externa brasileira. Os recursos do FMM são originários da cobrança do adicional de 25% sobre o valor do frete das importações brasileiras. O presidente da Confederação Nacional dos Trans­portes Aquaviários condenou a medida, por sua ilegalidade e por ser contrária aos interesses do país. O valor do desvio é equivalente a 0,63% da dívida externa total de 188 bilhões 452 milhões de dólares, segundo dados do Banco Central.

O jornalista Hélio Fernandes observou que nunca se­ria possível pagar uma “divida externa”, que cresce geometricamente, com exportações que crescem apenas aritmeticamente. O resultado é que os banqueiros, que nos impuseram a divida, estão agora comprando as grandes empresas nacionais (usinas siderúrgicas, centrais hidroelétricas, Vale do Rio Doce) usando os “dólares podres” do endividamento externo, com grande prejuízo para o Brasil (artigo publica­doem2l e22demarçode 1998).

Fazendo coro ao pronunciamento do Cardeal Arns, que é de 1985, Angélica Wiederhecker, em matéria publicada no Jornal do Brasil, edição de 30 de março de 1998, mostra que a situação, na sua essência, não mudou. Escreve Angélica Wiederhecker:

“O governo federal já consumiu R$ 17,44 bilhões em receita de privatização no abatimento da dívida pública desde o inicio efetivo do Programa Nacional de Privatização, em 1991, até o ano passado. O montante, registrado em le­vantamento do Ministério da Fazenda sobre os resultados do programa, nos últimos sete anos, pouco contribuiu para amenizar o crescimento da dívida da União. Somente no ano de 1997, o Tesouro Nacional amargou uma conta de juros nominais (incluída a inflação) de R$ 26,7 bilhões.

Este total é bem superior ao resultado global da venda de empresas estatais federais ao longo do período compreendido entre 1991 e 1997, que foi de R$ 22,59 bilhões. A maior parte deste montante foi utilizada para abater dívida (R$ 92,01%).

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar