Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Depoimento de Helena Grecco

"Um dos mais cruéis exercícios da opressão é a espoliação das lembranças."
Eclea Bosi

Participei da gloriosa luta pela Anistia Ampla, Geral e Irrestrita como fundadora e presidente do Movimento Feminino Pela Anistia de Minas Gerais (1977-79) e como fundadora e vice-presidente do Conselho Brasileiro de Anistia de Minas Gerais (1978-80). Em Minas Gerais CBA e MFPA atuaram organicamente vinculados.

Primeiro, gostaria de destacar a importância do Movimento Feminino pela Anistia (MFPA) onde, mais uma vez, as mulheres jogaram papel de vanguarda na história. Se, num primeiro momento, foram as mães, irmãs e filhas dos atingidos que se aglutinaram em torno de um objetivo comum - a busca de familiares desaparecidos e a defesa dos familiares presos - logo em seguida esse movimento se ampliou, politizou e envolveu os mais diversos setores da sociedade.

Além de feminino, o MFPA teve caráter também feminista. O seu programa tinha a centralidade na luta pela Anistia Ampla, Geral e Irrestrita e na luta contra a discriminação e opressão de gênero. Foram os MFPAs que iniciaram no Brasil a comemoração do 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Sua radicalidade é inquestionável:

  • pela primeira vez foi constituído legalmente movimento de enfrentamento direto à ditadura militar;
  • esses movimentos tinham funcionamento em cada estado (reuniões regulares, núcleos, conselhos, categorias diferenciadas de sócios, etc) e se articulavam nacionalmente;
  • sua visibilidade era significativa: as atividades promovidas eram amplamente divulgadas, possibilitando mobilização efetiva, o que colocou limites concretos à repressão que se abateu feroz sobre eles.

As pressões partiram principalmente do braço clandestino da repressão (o Comando de Caça aos Comunistas e suas variantes): bombas, ameaças, intimidações, grampos telefônicos, violação de correspondência. Só no ano de 1978, o MFPA e o CBA/MG foram atingidos por cinco atentados a bomba - um deles na minha casa - assumidos por esses grupos. O MFPA acumulou forças e abriu espaço para a constituição dos Comitês Brasileiros pela Anistia (CBAs) que se organizaram pelo Brasil afora e adentro. Os CBAs significaram um salto de qualidade na luta pela anistia, potencializando sua politização, ganhando radicalidade e promovendo tamanha ampliação que podemos dizer que o movimento assumiu caráter de massa.

Houve importante processo de interiorização e aperfeiçoamento da organicidade, com a criação da Comissão Executiva Nacional, que unificava a agenda e articulava lutas e campanhas por todo o país. Houve também importante processo de internacionalização: os companheiros exilados (cerca de dez mil) e banidos (118) espalhados pelo mundo se organizaram para denunciar os horrores da ditadura brasileira e angariar o apoio das entidades de direitos humanos dos países que os acolheram. Outra frente importante foi a dos presos políticos, que se organizaram nos cárceres e denunciaram as torturas e as péssimas condições a que eram submetidos.

Além disso, se houve uma internacional da repressão (como a Operação Condor) formada pelas ditaduras que se instalaram no Cone Sul na década de 70, houve também uma internacional da resistência formada pelos movimentos de direitos humanos e anistia desses países.

Na minha opinião, o I Congresso Nacional pela Anistia (São Paulo, nov./78), o Congresso pela Anistia no Brasil em Roma (jul./79) e o II Congresso Nacional pela Anistia (Salvador, nov./79, primeiro e último depois da promulgação da Lei de Anistia, 6683/79) foram os momentos mais marcantes da luta. Os três, em suas cartas e resoluções políticas, reafirmaram os princípios da luta, que atingiam em cheio a essência do regime militar, a própria Doutrina de Segurança Nacional:

  • Anistia Ampla, Geral e Irrestrita X anistia parcial e recíproca;
  • erradicação da tortura:
  • esclarecimento da circunstâncias em que ocorreram as mortes e desaparecimentos políticos;
  • responsabilização jurídica do Estado e dos agentes da repressão;
  • desmantelamento do aparelho repressivo.

O Congresso de Roma - no qual tive a honra de ser a representante do Brasil, juntamente com o companheiro Luís Eduardo Greenhalgh - reafirmou todas estas bandeiras e começou a preparar o retorno. O Congresso de Salvador demonstrou que houve a compreensão do caráter político da repressão policial à medida que ela provoca sentimento de medo e impotência frente ao Estado todo-poderoso; a vinculação com o movimento operário e popular emergente foi colocada na prática como prioridade.

Todos sabemos que a anistia aprovada na Lei 6683/79 não foi aquela que queríamos. Ela foi parcial para os opositores do regime e ampla, geral e irrestrita para os torturadores e membros da repressão, antes mesmo de qualquer julgamento. Todas as bandeiras do movimento pela anistia continuam valendo; aí está a sua importância. A partir da luta pela anistia, sem dúvida, foi estabelecida nova gramática de direitos humanos no Brasil.

*Helena Grecco, professora; fundadora e presidente do MFPA/MG, fundadora e vice-presidente do CBA/MG.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar