Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

I - Introdução

Durante a Segunda Guerra Mundial, os aliados e representantes dos governos exilados da Europa ocupada se encontraram algumas vezes para discutir sobre o tratamento pós-guerra a ser dado aos líderes nazistas. Inicialmente, muitos dos aliados consideraram seus crimes além do alcance da justiça humana, por se tratar de fatos que tinham uma natureza muito mais política do que propriamente o fato de ser uma questão legal.

Os médicos alemães conduziam experimentos da medicina pseudocientífica utilizando-os em centenas de pessoas dentre os prisioneiros dos campos de concentração, sem seus consentimentos. Muitos morriam ou ficavam permanentemente aleijados com os resultados. Na Alemanha Nazista, os médicos alemães planejavam e promulgavam programas em favor da "Eutanásia" era o sistema de morte para aqueles considerados "improdutivos para a vida". Entre as vítimas, incluíam-se os retardados mentais, os doentes mentais em instituições e os fisicamente prejudicados; muitas das vítimas eram Judeus, Poloneses, Russos, Romanos e Egípcios.

Centenas de médicos devem ter atuado nos campos de concentração. Segundo Andrew Ivy, pelo menos setenta participaram dos experimentos com seres humanos, sendo que apenas vinte foram processados, todos de menor expressão. Todos os demais já haviam fugido ou sido recrutados para trabalharem em outros países.

A Declaração de Moscou, de 30 de outubro de 1943, sobre as atrocidades alemãs na??m??E? Europa ocupada estabeleceu que aqueles Oficiais Alemães, homens e membros do Partido Nazista, que foram responsáveis ou consentiram nas atrocidades e crimes, seriam mandados para os países nos quais seus abomináveis atos foram cometidos, com o objetivo de serem julgados e punidos.
Em 08 de agosto de 1945, em Londres, foi assinado o Ato Constitutivo do Tribunal Militar Internacional para processar e punir os grandes criminosos de guerra das Potências Européias do Eixo. Este acordo definiu que o primeiro julgamento seria em Nuremberg e que sua sede permanente seria em Berlim.

Este Ato Constitutivo é conhecido como a Carta de Londres de 08 de agosto de 1945, feita por meio de um acordo entre o Governo dos Estados Unidos da América, o Governo Provisório da República Francesa, o Governo do reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte e o Governo da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas para processar e punir os maiores crimes de guerra do Eixo Europeu, definiu as regras dos processos de julgamento e definiu os crimes a serem tratados. Eles não foram definidos com o termo "crime de organizações", embora seis organizações foram indicadas na Carta. 

Foi justamente há cinqüenta anos atrás que Robert Jackson, integrante da Suprema Corte de Justiça da Associação dos Estados Unidos da América do Norte, que fez abrir a declaração na qual tornou-se conhecida como o julgamento dos crimes de guerra de Nuremberg. Ele foi o principal acusador dos Estados Unidos e queria que o Tribunal Militar Internacional fosse usado para criar uma nova lei internacional que baniria as agressões de guerra. Claramente, a premissa da possibilidade de banir os crimes de guerra era bastante questionável.
Jackson, sobre o Tribunal Militar Internacional na época, disse: "O privilégio de abrir o primeiro julgamento na história para crimes contra a paz do mundo impõe uma grande responsabilidade".??m??E?

Foi um grande esforço político para encontrar uma justiça humana de bom tamanho para os crimes que foram tão horríveis contra a humanidade.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar