Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

ORGASMO É O PRAZER SEXUAL (VULGO GOZAR)
09 DE MAIO - DIA MUNICIPAL DE DEBATE SOBRE O ORGASMO
Esperantina/Piauí, 09 de maio de 2001.


"Não devemos ter vergonha de falar daquilo que Deus não teve vergonha de criar"

Quando apresentei à Câmara de Vereadores de Esperantina o projeto de lei criando o dia de debate sobre o orgasmo, estava determinado a levantar o manto sombrio que esconde o problema grave do silêncio social sobre o tema.
O projeto foi derrotado! Apenas o projeto, não a idéia. As idéias são sempre mais fortes, muitas delas invencíveis.
Apesar da posição dos vereadores da época que votaram contra, hoje estamos debatendo o tema. Vamos tocar na ferida com a maciez das pétalas das flores, porém firmes como os remédios amargos que curam.
O debate é fundamental. A formação machista de nossa sociedade tem criado falsos poderes que dificultam a sensibilidade masculina em perceber que a relação sexual com sua parceira deixa à desejar. O prazer sexual é algo normal, porém muitos casais não chegam mutuamente ao orgasmo por vários fatores. Um deles é o silêncio. O medo de abrir um debate com o(a) companheiro(a) sobre a falta de prazer faz com que o problema se agrave ou se torne, com o tempo, coisa considerada normal, o que não é! Em outros casos, acabam com o casamento e outros tipos de relação.
É preciso falar sobre isto! Muitas relações pessoais se desmoronam por falta de um diálogo sobre este assunto. Na maioria das relações um dos parceiros fica sem o orgasmo e a maioria mulheres. Quanto mais o prazer entre casais for mútuo mais felizes serão. O orgasmo é uma necessidade natural e quando impedido gera problemas. A infidelidade é uma das conseqüências deste fato.
Neste dia (ou noite) é importante que todos os casais façam uma reflexão sobre o seu desempenho sexual. Meu (minha) companheiro(a) tem tido orgasmo? E se ele(a) disser que não, o que farei? Olha, olha bem dentro dos olhos e com todo sentimento inicia uma conversa franca. Onde errei? O que gostas? Como gostas? Quais tuas fantasias? É importante conhecer as fantasias e desejos do(a) companheiro(a). Há quem goste de apanhar e bater (sado-masoquista). Há quem goste de gritar. Há quem goste de carinhos, flores, mel por sobre o corpo. Bem, há gosto para tudo... é preciso conhecer o mundo de cada um(a).
Há problemas físicos e psicológicos que podem ser resolvidos e enfrentados. A impotência e a ejaculação precoce (quando o cara goza ligeirinho) podem ser resolvidos com a ajuda médica e/ou da companheira. O problema maior é não reconhecer que o problema existe. A mulher tem um papel importantíssimo na resolução deste fato. Para o homem sua desenvoltura sexual é socialmente status e intimamente forma de medir poder (besteira, claro!), mas funciona e repercute no seio social machista. A mulher há de ter coragem de dizer que o seu homem não lhe deu prazer. Como dizer isto diante de um tema que é tabu e compromete o poder masculino? Com ternura! É preciso tratar o assunto com amor, com a suavidade do entardecer que nos consola suavemente anunciando que virá a noite. É preciso colocar o tema não como questão de poder, como obrigação, como dever, mas como uma coisa natural que pode sempre ser melhorada. É difícil para o homem reconhecer, mas a cumplicidade do casal e o sentimento supera o silêncio e o medo. É preciso falar.
Neste dia de debate sobre o orgasmo a nossa pretensão é apenas contribuir para que casais possam melhorar a qualidade de vida e alongar o prazer natural que une as pessoas no aspecto sexual. O tabu há de ser maculado e que o racional e o sentimento mútuo nasça com a força natural que pulsa nas veias humanas. Podemos e devemos sair em busca da melhoria de vida que não é apenas casa e comida, carro e luxo, tranqüilidade e paz. Há algo mais que repousa em todos os corpos de ricos e pobres, brancos e negros, grandes e pequenos e que para ser pleno precisa, dentre outras coisas, de sentimento e cumplicidade: o ORGASMO.
Este tema sempre foi debatido por toda a humanidade no silêncio imposto pelo tabu. Os conflitos individuais e inconfessáveis, que não conseguem ultrapassar as muralhas poderosas que cercam o assunto, hoje sentem um pouco de brisa vindo do mundo exterior dizendo que há vida, que é preciso falar, cantar, gritar, sorrir... e gozar sem medo de ser feliz!

VIVA O DIA 09 DE MAIO - DIA DE DEBATE SOBRE O ORGASMO!!!


Com muito prazer ARIMATÉIA DANTAS

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar