Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


Tortura no Brasil, um pesadelo sem fim ?

DIREITOS HUMANOS

A persistência da prática da tortura, no Brasil, continua manchando nossa democracia. O país ratificou a Convenção das Nações Unidas contra a Tortura, criou lei específica que torna a torturo crime e tem uma avançada Constituição que a repudia.’ Apesar desses esforços, a prática da tortura ainda faz parte da dinâmica do trabalho policial e do cotidiano das prisões. Para superar essa triste realidade que enfrentam as vítimas, pertencentes às camadas pobres da sociedade, um enorme esforço político deve se concentrar na luta contra a impunidade dos agressores - principal motivo do aparecimento renovado desses casos.

Porque a tortura ainda é praticada no Brasil?

Não é fácil responder essa pergunta e muito menos solucionar o problema. Com um regime democrático, o país reconhece os tratados interna­cionais que buscam acabar com a tortura, sua Constituição de 1988 repudia essa prática, tem leis que punem os agressores e boa parte da sociedade escandaliza-se com os casos mais noticiados. Apesar disso, a mídia continua mostrando, com certa frequência, que jovens em conflito com a lei, suspeitos de crimes e encarcerados são alvo de tortura e maus-tratos, e tais práticas custam a ser banidas do aparato policial-pri­sional brasileiro. Tentamos mostrar, neste artigo, como e por que a tortura continua presente no cenário nacional, na dinâ­mica do trabalho policial e na administração da vida prisional, a despeito dos recursos legais disponíveis e dos instrumen­tos internacionais que exigem dos países ‘signatários’, como o Brasil, que a prática seja coibida e erradicada.

A Convenção contra a tortura

No âmbito internacional, a tortura foi um dos primeiros cri­mes - logo após o genocídio - a serem considerados, dada a sua gravidade. A Convenção contra a tortura e outros tra­tamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes foi proposta pela ONU em 28 de setembro de 1984 e já foi ratificada por 124 países. O elevado número de adesões re­vela o alcance do consenso internacional sobre o tema, bem preparados, mais bem pagos, melhores condições de trabalho, demandando assim fortes investimentos do próprio Estado no aparato policial. Igualmente, a redu­ção da tortura e da imposição de maus-tratos nas pri­sões passa necessariamente pela melhoria das condi­ções de trabalho, salário e preparação do pessoal de se­gurança.

Por fim, a tortura persiste porque o Executivo, o Judi­ciário e o Ministério Público não se empenham o sufi­ciente para reverter essa prática, respeitadas algumas exceções. O próprio poder Executivo estadual tolera que suas polícias torturem e que suas prisões sejam degra­dantes. juizes e promotores, por sua parte, aquietam-se diante de inquéritos policiais de baixa qualidade técnica, baseados muitas vezes em informações ex­torquidas dos suspeitos mediante tortura. Ao mesmo tempo, nem sempre os juizes e promotores cumprem suas atribuições de apurar a fundo as irregularidades que as prisões apresentam. Se os executivos estaduais, que têm a responsabilidade pela manutenção dos apa­relhos policiais e prisionais, submetem cidadãos a con­dições de encarceramento aviltantes (tortura, super­lotação, ausência de assistência médica, péssimas con­dições de higiene, ventilação, alimentação de má quali­dade etc.), o poder Judiciário e o Ministério Público, por sua vez, fiscalizam e controlam o funcionamento do sis­tema carcerário e da polícia muito timidamente.

Os desafios

Foram criadas iniciativas importantes para o combate à tortura, como as ouvidorias de polícia e o SOS Tortura. Porém, passados mais de quatro anos da adoção da Lei n0 9.455, o número de agentes condenados pela prática da tortura, no país inteiro, sequer chega a 20. Segundo relatório do Conselho Nacional dos Procuradores Gerais de justiça, houve 18 condenações por crime de tortura (Folha de S. Paulo, 23/08/01). Na maioria dos casos, ain­da se recorre aos tipos penais de lesão corporal ou cons­trangimento ilegal para punir a tortura (como quando não existia a lei). Os dados revelam que, na prática, os avan­ços introduzidos pela lei de 1997 ainda não foram incor­porados.

No entanto, o número de ações judiciais com base nessa Lei cresceu 109% desde dezembro de 1999, con­forme levantamento do Conselho Nacional dos Procura­dores Gerais de Justiça, em 24 estados. Se, até o fim de 1999, 240 denúncias de tortura haviam sido oferecidas pelo Ministério Público, um ano e nove meses depois, o número subira para 502.

A prática da tortura persistirá enquanto ocorrer a im­punidade de seus agentes. Como já disse o relator da ONU, Nigel Rodley, a tortura é um “crime de oportunida­de”, que pressupõe a certeza da impunidade. O comba­te a esse crime exige, assim, a adoção pelo Estado de medidas preventivas e repressivas. De um lado, é ne­cessária a criação e manutenção de mecanismos que eliminem a ‘oportunidade’ de torturar, garantindo a transparência do sistema prisional-penitenciário. Por outro, a luta contra a tortura impõe o fim da cultura de impunidade, exigindo do Estado rigor no dever de inves­tigar, processar e punir seus perpetradores.

Nossa democracia e civilidade estarão ainda amea­çadas enquanto persistir a tortura a cidadãos aborda­dos na rua por policiais, ou detidos em dependência policial ou prisional, ou ainda enquanto se tolerar que os condenados à pena privativa de liberdade tenham uma pena adicional por meio de tortura, maus-tratos e sub­missão a condições degradantes de encarceramento.

Flávia Piovesan
Departamento de Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
A autora é procuradora do estado de São Paulo e coordenadora do Grupo de Trabalho de Direitos Humanos da PGE/SP

Fernando Salla

Núcleo de Estados da Violência, Universidade de São Paulo
O autor é coordenador-executivo da Comissão
Teotônio Vilela de Direitos Humanos.

Sugestões para leitura

ANISTIA INTERNACIO­NAL, Brasil: aqui ninguém dorme sossegado. Violações dos direitos humanos contra detentos. Porto Alegre/São Paulo, Anistia Internacional, 1999.

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS DA ONU, Relatório sobre a tortura no Brasil, Genebra, ONU, 2001.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Primeiro relatório relativo à implementação da Convenção contra a tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes no Brasil, Brasília, 2000.

PETERS, E., Tortura, São Paulo, Ática, 1989.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar