Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Sociedade Civil
 Mídia
 Conselhos de Direitos
 Executivo
 Legislativo
 Judiciário
 Ministério Público
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique
Foto: Teotônio Roque
Teatro e
Direitos Humanos

 11:32'

Teatro e Direitos Humanos
Roteiro da Peça Teatral

 

DESEJOS E EDUCAÇÃO PARA OS DIREITOS HUMANOS

 

Após ser anunciado o espetáculo, o grupo que está no fundo do auditório, grita EI!  E  em seguida bate forte no tambor. Um ator sairá do fundo do palco e começara a dizer a poesia.

 

ATOR

POESIA “ESPERA”  de Ferreira  Gullar

 

Um grave acontecimento está sendo esperado por todos

Os banqueiros os capitães de indústria os fazendeiros ricos dormem mal.

O ministro da Guerra janta sobressaltado,

A pistola em cima da mesa.

Ninguém sabe de que forma desta vez a necessidade se manifestará:

Se como um furacão ou um maremoto

Se descerá dos morros ou subirá dos vales

Se manará dos subúrbios com a fúria dos rio poluídos

Ninguém sabe.

Mas qualquer sopro num ramo o anuncia:

 

TODOS

Um grave acontecimento está sendo esperado

E nem Deus e nem a polícia

Poderiam evitá-lo.

 

TODOS:  (cantando)

É o teatro

Que já chegou

Batendo o pé

Tocando tambor

Trazendo a raça

A brincadeira

O carnaval na dor

O carnaval na cor

Genuinamente brasileira

Ei! Chegou o drama

E a comédia popular

O choro da tragédia

Na arte de apresentar

As cousas, os causos, os fatos

Que vivem a acontecer

Histórias sem linhas

Histórias sem fim

Feitas por mim, por você!!!

 

ATOR

Não se trema

Não se espante

Não saia deste salão

O CERVANTES do Brasil tá chegando

Fazendo revolução

Trazendo desejos e direitos humanos

Para a Educação!!!!

 

ATOR

POESIA “SUBVERSIVA” de Ferreira  Gullar

A poesia quando chega

Não respeita nada

Nem pai, nem mãe.

Quando ela chega

Em qualquer de seus abismos

Desconhece o Estado

E a sociedade civil.

Relincha como puta nova

Em frente ao palácio da alvorada

E só depois reconsidera.

Beija nos olhos dos que ganham mal

Embala no colo

Os que tem sede de justiça,

E promete incendiar o país!!!

 

ATOR

Desde cedo, pixototinho, temos que aprender a exercer a cidadania.

Conhecer bem meus direitos e deveres

E praticá-los com alegria.

Ser solidário e cooperador

Respeita o outro e Ter amor

 

TODOS:

Se isso fizermos... seremos cidadãos dia após dia!!!

 

MÚSICA

Abra os olhos de mansinho

Que nós vamos recordar

Uma história de luta

Do movimento popular!!!

 

ATOR

Nós só iremos mostrar

Uma prática

Uma ação

Dos Direitos Humanos

A serviço do povo

A serviço da educação!!!

 

TODOS:

 (exibem um cartaz com 1991)

!991 – ummmmmmmmmm

No tempo vamos voltar! (Giram em torno de si mesmo)

 

ATOR

Fernando Collor de Melo é o presidente

O país tá um horror!

 

ATOR

PC Farias, vivinho da silva, comanda a gang

 

ATOR

A nossa poupança já voou

 

ATOR

Zélia Cardoso nos faz de pato

O Brasil é um grande teatro

Coordenado por um péssimo ator!!!

 

ATOR

No Rio Grande do Norte

Não é diferente

Os Alves e os Maias

Ainda estão na frente

O poder tá nas mãos das oligarquias

A violência, a fome, a seca é a folia

Que esmaga a nossa gente

 

ATOR

A Cidade da Esperança

Na Zona Oeste de Natal

Destaca-se na violência

Diz a imprensa em Natal

E na falta de segurança

A criminalidade avança

De forma fenomenal.

 

TODOS

(AGITADOS)

Eu quero isso!

Eu quero aquilo!

Tome! (tapa)

Pei!

Matei! Matei! Matei! (todos de joelho atiram na platéia)

 

ATOR

O Centro de Direitos Humanos

De posse da informação

Se reúne com os segmentos

Organizados da população

E juntos decidiram

E como linha definiram...

 

TODOS

Vamos trabalhar a educação!!!

PALAVRA DE ORDEM

Educação! Educação!

Para formar

Bons cidadãos!

 

ATOR

Aplicou-se, então, questionários

Levantou-se os parceiros

Encaminhou-se projetos

Pra arrecadar dinheiro

E a TV. Comunidade

Tomou conta da cidade

Se popularizando ligeiro.

 

ATOR

Foi batizada de ALERTA

E em sua programação

Primeiro mostrou o Horto

E sua esculhambação

Denunciou o abandono

E mostrou que o verdadeiro dono

Era a população.

 

ATOR

Depois... no 2º programa

Entrou o problema da feira

A danada era permanente

E acumulava muita sujeira

De noite era um perigo

Assalto e estupro era o artigo

Mais comum naquelas beiras

 

ATOR

O terceiro programa foi a CICLONE

A boate do lugar

O jovem ia animado

Só pensando em brincar

E lá por muita sorte

Escapava de nos braços morte

Se ferir e se matar.

 

ATOR

Esses programas nas ruas

Atingiu a população

O povo unido tem força

Pra derrotar té o cão

E algumas coisas mudaram

Outras continuaram

Depois dessa grande ação

 

ATOR

E a experiência da TV

Foi discutida e pensada

Novas idéias surgiram

E uma foi agarrada:

 

UMA PARTE DOS ATORES

Já está mesmo na hora

De trabalhar na escola

E deixá-la preparada!!!

OUTRA PARTE DOS ATORES

Mas porque vamos a escola?

 

ATOR

Por ser um espaço privilegiado na formação da juventude!!!

 

ATOR

Por ser um local de aglutinação de novos conhecimentos para a vida!

 

ATOR

Por ser um local propicio para a assimilação de nova mentalidade!

 

ATOR

Por aglutinar pessoas e setores da comunidade!

 

UMA PARTE DOS ATORES

Por ser um grupo já formado e sensibilizado, pronto para entrar em ação!!!

 

OUTRA PARTE DO ATORES

Tudo Bem! Tudo em cima

Aceitamos a sugestão!!!

 

TODOS

(PALAVRAS DE ORDEM)

Vou danado pra escola

Vou danado pra escola

Vou danado pra escola

Mexer com educação!

ATOR

(COM A PLACA 1995 SENDO COLADA EM CIMA DA OUTRA)

1995, ai meu pinto, como anda essa nação???

 

ATOR

Extra! Extra! Extra!

Collor sofreu o impechament

(não sei se é assim que se escreve)

Itamar já governou

FHC foi eleito

Garibaldi Alves é governador

Vilma tá na Prefeitura

E a vida continua dura

Nada pro povo mudou.

 

MÚSICA

Nesse clima

Nessa guerra

De sem terra e sem teto

Nosso povo

Inda sofre

Inda é analfabeto

Não sabe que tem direitos

Seus desejos não liberou

É preciso, eu vou digo

Investir no educando

E também no educador (bis)

 

ATOR

O Lauro de Castro

Foi a escola indicada

Para ser o laboratório

E em data e hora marcada

Começou o foquetório

Concursos, palestras, vídeos

Oficinas, debates, painéis

Com o tema bem discutido

Definindo os papeis

 

ATOR

Ao Centro de Direitos Humanos cabe

Na escola implantar

O estudo da  educação pra cidadania

E pra isso elaborar

Temas, conteúdos, metodologia

Articular e envolver parcerias

E ao professor capacitar

 

ATOR

E no período de três anos

(sobe a placa 1996 a 1998)

Às oitavas séries do vespertino

Com moças, rapazes e homens

Mulheres, menina e meninos

Aprenderam no dia-a-dia

A expressar a cidadania

A praticá-la com tino.

 

ATOR

Esta nova experiência

Veio pra preparar

A inclusão dos direitos humanos

No currículo escolar

Permeando todas as disciplinas

Que na escola se ensina

E junto a elas atuar.

 

ATOR

Já em 99

O passo foi mais a frente

É ora de preparar

Toda equipe docente

Pra consolidar a conquista

Ter um professor ativista

E uma educação decente.

 

ATOR

Utilizamos questionários

Pra conhecer o perfil

Juntamos os professores

Pra vencer o desafio

Primeiro a sensibilização

Depois mais formação

E mais fogo no pavio

 

ATOR

E as oficinas rolaram

De forma envolvente

A maioria não conhecia

Nem os direitos da gente

Mais com afinco participaram

Discutiram e perguntaram

Deram mais passos a frente.

 

ATOR

Enfocamos a história

Fizemos animação

Levantamos o perfil

E o que pensamos da educação

Nos aprofundamos no tema

Resolvemos muitos problemas

Muitas dúvidas e indagação.

 

ATOR

A Segunda oficina

Foi a de aprofundamento

Quem dela participou

Viu  naquele momento

Que os direitos humanos

Tem plano

Fé, carinho e discernimento.

 

ATOR

Coisas e mais coisas

Foram estudadas

Que se aqui fossemos mostrar

Levaríamos mais de três anos

Pra essa história contar

Mais resumimos os ensejos

A vontade e os desejos

Na poesia que vamos falar.

 

 

ELOGIO DO APRENDIZADO

Bertolt Brecht

 

ATOR

Aprenda o mais simples! Para aqueles

Cuja hora chegou

Nunca é tarde demais!

Aprenda o ABC; não basta, mas aprenda!

Não desanime! Comece!

É preciso saber tudo!

 
TODOS

Você tem assumir o comando!

 
ATOR

Aprenda, homem no asilo!

Aprenda, homem na prisão!

Aprenda, mulher na cozinha!

Aprenda, ancião!

 

TODOS

Você tem que assumir o comando!

 
ATOR

Freqüente a escola, você tem que casa!

Adquira conhecimento, você que sente frio!

Você tem que fome, agarre o livro: é uma arma.

 
TODOS

Você tem que assumir o comando.

 
ATOR

Não se envergonhe de perguntar, camarada!

Não se deixe convencer

Veja com seus olhos!

O que não sabe por conta própria

Não sabe.

Verifique a conta

É você que vai pagar.

Ponha o dedo sobre cada item

Pergunte: O que é isso?

 

TODOS:

Você tem que assumir o comando

 

ATOR

Eu e você podemos

Ter uma escola com cara de gente

Onde num verso

Ou num repente

Possamos todos dar as mãos

Para cantar com alegria

Com amor no coração

Os nossos desejos humanos

Direitos de cidadão!

 

MÚSICA

TODOS:

 

Escola

Tem que ser boa

Toda hora

Tem que Ter livro pra ler

E o direito é aprender

 

Lugar de criança

É na escola

Não é na rua

Pedindo esmola

Dever do pai

Dever do cidadão

É dá pro seu filho

Uma boa educação

 

Escola

Tem que ser boa toda hora

Tem que Ter livro pra ler

E o direito é aprender!

volta

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais