Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


Foto: J. Ripper

DIREITO À IGUALDADE

(artigos 1, 2 e 28 da Declaração Universal dos Direitos Humanos)

"Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade"

Constituição da República Federativa do Brasil, artigo 5º

1ª SUGESTÃO

Esta atividade pode ser desenvolvida, por exemplo, nas disciplinas de Língua Portuguesa, Arte e Geografia.

1. O professor entregará uma cópia do conto "Os três astronautas" aos estudantes, estipulando um tempo para leitura. O texto pode ser usado completo ou o professor pode suprimir, na primeiro leitura, o parágrafo do cabeçalho que revela quem é o autor e, também, o parágrafo final de conclusão. Com respeito ao final, pode-se deixar só o princípio da oração (Haviam compreendido que ..."), para que os estudantes a completem com sua própria conclusão. Após o debate sobre o conto, o professor contará aos alunos a parte que suprimiu. Assim poderá comparar se há coincidência entre o propósito e a conclusão do autor e a interpretação dos jovens.

2. Roteiro para debater em grupo:

  • O que vocês mais gostaram do conto? Por quê?
  • Vocês acham válido o conflito entre os cosmonautas? E entre os cosmonautas e o marciano?
  • Em quais circunstâncias vocês se sentem como o marciano? Em quais circunstâncias como os astronautas? Que conclusões vocês podem tirar disso?
  • Existe alguma diferença entre o astronauta africano e os outros astronautas que tenha dado ao primeiro maior vantagem para entender o marciano?
  • Como terminariam o conto? O que acham que os astronautas "Haviam compreendido"?
  • Vocês acham que este é só um conto infantil? Por quê?

3. Dramatização:

Os estudantes dramatizarão o conto. Podem apegar-se à história original ou introduzir alguma mudança de comum acordo. Por exemplo: variar a nacionalidade, a raça ou o sexo dos astronautas. Não há nenhuma mulher nessa história!

Seria bonito apresentar o conto a crianças na forma de uma representação feita pelos estudantes. O professor poderia organizar essa atividade, sugerindo a dramatização ou o uso de marionetes. Após a apresentação, os alunos do ginásio podem conduzir o debate sobre a peça com seu público infantil. Também podem pedir-lhes que ilustrem o conto. Depois, de volta à classe, comentarão as reações e opiniões dos meninos.

TEXTO

Um Conto Infantil (ou nem tanto)

Os Três Astronautas

UMBERTO ECO

Esta é uma fábula de hoje para as suas crianças. Ou talvez não. É para vocês. De qualquer maneira, façam a prova de contá-la a eles. Talvez reconheçam sua própria linguagem do futuro, e a contarão a vocês.

"Era uma vez a Terra.

E era uma vez Marte.

Estavam muito longe um do outro, no meio do céu, e ao redor havia milhões de planetas e galáxias.

Os homens que habitavam a Terra queriam chegar a Marte e aos outros planetas, mas eles estavam muito longe!

De qualquer maneira, começaram a trabalhar. Primeiro lançaram satélites que giravam dois dias ao redor da Terra e logo regressavam.

Depois lançaram foguetes que davam voltas ao redor da Terra, mas, ao invés de regressar, ao final fugiam da atração terrestre e partiam para o espaço infinito.

No começo, nos foguetes, colocaram cachorros, mas os cachorros não sabiam falar, e através do rádio transmitiam só "au-au" . E os homens não podiam entender o que tinham visto nem onde tinham chegado.

Ao final encontraram homens valentes que quiseram ser astronautas. O astronauta era assim denominado porque partia para explorar os astros no cosmos, que dizer, o espaço infinito, com os planetas, as galáxias e tudo o que nos rodeia.

Os astronautas, ao partirem, ignoravam se poderiam regressar. Queriam conquistar as estrelas para que um dia todos pudessem viajar de um planeta a outro, porque a Terra havia se tornado muito pequena e os homens cresciam diariamente.

Um belo dia partiram da Terra, saindo de três pontos diferentes, três foguetes.

No primeiro ia um americano, que assobiava muito alegre um trecho de jazz.

No segundo ia um russo, que cantava com uma voz grave: 'Volga, Volga' .

No terceiro ia um negro que sorria feliz, com os dentes muito brancos em sua cara negra. De fato, naqueles tempos, os habitantes da África, que finalmente eram livres, tinham se demonstrado tão hábeis quanto os brancos para construir cidades, máquinas e, naturalmente, para ser cosmonautas.

Os três queriam chegar primeiro a Marte para demonstrar quem era o mais valente. O americano, com efeito, não gostava do russo e o russo não gostava do americano. E tudo porque o americano para dizer bom dia dizia "how do you do" e o russo dizia "ZGPABCTBYUTGE" .

Por isso não se compreendiam e se achavam diferentes.

Os dois, além do mais, não queriam saber do negro porque ele tinha uma cor diferente.

Por isso não se compreendiam.

Como os três astronautas eram muito valentes, chegaram a Marte quase ao mesmo tempo.

........................................................

Chegou a noite. Havia em torno deles um silêncio esquisito, e a Terra brilhava no céu como se fosse uma estrela longínqua.

Os astronautas se sentiam tristes e perdidos e o americano, no escuro, chamou a mãe dele.

Disse: "Mamie".

E o russo disse: "Mama".

E o negro disse: "Mbamba".

Mas logo compreenderam que estavam dizendo a mesma coisa e que tinham os mesmos sentimentos. Foi assim que sorriram entre si, aproximaram-se, juntos acenderam um bom foguinho, e cada um cantou canções de seu país. Então armaram-se de coragem e, enquanto esperavam o amanhecer, aprenderam a conhecer-se.

Por fim, fez-se o dia. Fazia muito frio. De repente, de um grupinho de árvores saiu um marciano. Era realmente horrível vê-lo! Era todo verde, tinha duas antenas no lugar das orelhas, uma tromba e seis braços.

Olhou para eles e disse: "GRRRR!"

Em seu idioma queria dizer: "Mãezinha querida! Quem são esses seres tão horríveis?"

Mas os terráqueos não o compreenderam e pensaram que seu grito era um rugido de guerra.

..................................................................

Foi assim que decidiram matá-lo com seus desintegradores atômicos.

Mas de repente, no meio do enorme frio do amanhecer, um passarinho marciano, que evidentemente tinha fugido do ninho, caiu no chão tremendo de frio e medo. Piava desesperado, mais ou menos como um passarinho terráqueo. Dava muita pena. O americano, o russo e o negro olharam para ele e não puderam conter uma lágrima de compaixão.

Nesse momento, aconteceu algo muito esquisito. Também o marciano aproximou-se do passarinho, olhou para ele e deixou escapar dois fios de fumaça da tromba. E os terráqueos, naquele instante, compreenderam que o marcianinho estava chorando, a sua maneira, como choram os marcianos..

Depois viram que se inclinava sobre o passarinho e o carregava entre seus seis braços tratando de aquecê-lo.

O negro, que em outros tempos tinha sido perseguido porque tinha pele negra e por isso mesmo sabia como são as coisas, disse a seus dois amigos terráqueos:

"Vocês viram? Pensávamos que este monstro era diferente de nós, mas ele também ama os animais, sabe comover-se, tem um coração e sem dúvida um cérebro! Vocês ainda pensam que temos que matá-lo?"

Não era necessário fazer tal pergunta.

Os terráqueos já haviam aprendido a lição. Duas pessoas serem diferentes não significa que elas devam ser inimigas.

Portanto, aproximaram-se do marciano e estenderam a mão. E ele, que tinha seis, deu a mão aos três ao mesmo tempo, enquanto fazia gestos de cumprimentos com as mãos que ficavam livres.

E apontando para a Terra, distante no céu, fez entender que desejava viajar até lá, para conhecer outros habitantes e estudar junto com eles a forma de fundar uma grande república espacial na qual todos se amassem e estivessem de acordo. Os terráqueos disseram que sim entusiasmados.

Haviam compreendido que, tanto na Terra como em outros planetas, cada um tem seus próprios costumes, sendo necessário somente compreeder-se mutuamente."

2ª SUGESTÃO

Esta atividade pode ser desenvolvida, por exemplo, nas disciplinas de Arte, Geografia e História.

A dinâmica que ora se propõe deve ser realizada numa sala de aula decorada com cartazes que contenham trechos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

O professor convida os alunos a escrever em um papel os direitos que cada qual crê possuir, distinguindo quais lhes são reconhecidos sem objeção e quais não lhes são reconhecidos (ou o são, mas com grande dificuldade). Em seguida, deve o aluno anotar os direitos dos outros que lhe custa aceitar e reconhecer. Em terceiro lugar, anotará os direitos que são violados com maior frequência no seu país.

Formam-se pequenos grupos, nos quais se trocam impressões e opiniões; sugere-se a eles que façam comentários espontâneos entre si, podendo incentivá-los com as seguintes questões:

  • Por que uns direitos são reconhecidos e outros não?
  • Por que somos tão reticentes em admitir os direitos dos outros, mas tão diligentes para reclamar os nossos próprios direitos?
  • Por que, ainda que a ONU tenha proclamado os direitos humanos e muitos países tenham assinado o Tratado, eles não são reconhecidos na prática?
  • Quais são, segundo o grupo, os direitos fundamentais, os básicos, para toda pessoa?
  • Como é vista a situação do nosso país, no que se refere ao respeito dos direitos humanos?
  • Quais seriam as tarefas a realizar, a fim de conseguirmos um avanço significativo no reconhecimento dos direitos humanos, não apenas para alguns, mas para todos por igual?
"A igualdade (...) é afirmada no plano da dignidade humana. É evidente que nem todos os homens são iguais no que tange à capacidade física e às qualidades intelectuais e morais.

Nós homens somos fundamentalmente iguais pela nossa origem e pelo nosso destino. Todos somos iguais na nossa natureza humana: todos somos chamados a ser pessoas, à liberdade, ao amor e à vida. Isto quer dizer que todos temos direitos fundamentais para podermos nos desenvolver como seres humanos"

JUAN JOSÉ MOSCA e LUIS PÉREZ AGUIRR

volta menu

 
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar