Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


GEOPOLÍTICA

"A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:

I - independência nacional; II - prevalência dos direitos humanos III - autodeterminação dos povo; IV - não-intervenção; V - igualdade entre os Estados; VI - defesa da paz; VII - solução pacífica dos conflitos; VIII repúdio ao terrorismo e ao racismo; IX - cooperação entre os povos para o progresso da humanidade; X -concessão de asilo político.

Parágrafo único. A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações."

Constituição da República Federativa do Brasil, art. 4º.

 

1ª SUGESTÃO

Esta atividade pode ser desenvolvida, por exemplo, nas disciplinas de Geografia e História.

O educador pode começar recordando alguns fatos fundamentais no plano sócio-político, que caracterizam o período de 1948 (data da Declaração Universal) até os nossos dias:

  • A reconstrução e o desenvolvimento extraordinário da Europa, dos Estados Unidos e Japão, reconhecidos atualmente como países desenvolvidos ou ricos.
  • O mundo polariza-se ao redor de duas grandes potências militares e econômicas: Estados Unidos e União Soviética.
  • Surge um movimento descolonizador. Entre 1948 e 1973, milhões de pessoas conseguem a independência política. O surgimento do bloco do Terceiro Mundo.
  • As reivindicações de tipo social e econômico, exigidas pelas nações subdesenvolvidas, faz surgir a Conferência das Nações Unidas para o Comércio, Energia e Desenvolvimento (UNCTAD - 1964).
  • A ineficácia desta Conferência motiva o golpe de força de 1973. A OPEP quadruplica o preço do petróleo e altera o injusto equilíbrio econômico.
  • O primeiro resultado desta medida foi a adoção, em 1973, por parte da ONU, de uma resolução na qual é solicitada a instauração de uma nova ordem econômica internacional (NOEI). Esta instauração está contida na Carta dos Direitos e Deveres Econômicos dos Estados (1974).

2ª SUGESTÃO

Esta atividade pode ser desenvolvida, por exemplo, nas disciplinas de Língua Portuguesa, História e Geografia.

À luz dos elementos extraídos das exposições acima, seria interessante que os alunos discutissem os textos abaixo, podendo-se utilizar as questões elencadas para se organizar a discussão.

TEXTO 1

A HISTÓRIA DE TRITÔNIA

"Em algum lugar do planeta, existe um pequeno país chamado Tritônia. São pessoas dedicadas sobretudo ao cultivo da banana e do café. Tritônia é rica em petróleo e minérios.

Seus produtos são vendidos a um país vizinho, chamado Nortônia. Vêm de lá os veículos, os aparelhos elétricos, as máquinas e, em geral, produtos elaborados com matérias-primas vendidas à Nortônia por Tritônia.

Em Tritônia, há também algumas indústrias. As principais, no entanto, pertencem aos nortonienses.

Os produtos exportados por Tritônia são baratos. Os que importa são caros.

Nortônia e Tritônia consideram-se países amigos. Nortônia envia ajuda a Tritônia, concedendo-lhe empréstimos para a construção de estradas, hospitais e escolas, e para dotar o exército de armas modernas.

A situação do povo de Tritônia tornou-se cada vez mais difícil. Um dia resolveram organizar uma greve cívica. Esto foi considerado como um ato subversivo. De Nortônia chegou ajuda militar para defender a "democracia" e a " liberdade".

Os países vizinhos inteiraram-se destes acontecimentos, mas não fizeram nada, porque não devem intervir nos " assuntos internos " de outros país."

a) Como se relacionam Tritônia e Nortônia?

b) Em que Tritônia serve Nortônia e vice-versa?

c) Qual é a situação econômica e política de Tritônia em relação a Nortônia?

d) O que pensar quanto à atitude dos países vizinhos?

e) Em que se assemelha a situação do conto com a nossa sociedade?

TEXTO 2

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE TOLERÂNCIA,

IGUALDADE E DIÁLOGO

"Precisamos mais do que nunca desenvolver diálogos que contenham, de fato, a noção e a vivência da igualdade e da tolerância. Lembrando sempre que não se há de tolerar o intolerável, isto é, tudo aquilo que atente contra a dignidade e a vida humana, contra os direitos humanos em geral".

A Declaração de Princípios sobre a Tolerância, aprovada pela Conferência Geral da UNESCO, em Paris, aos 16 de novembro de 1995, por ocasião de sua 28ª reunião, define tolerância como :

Artigo 1º - Significado da tolerância.

1.1. A tolerância é o respeito, a aceitação e o apreço da riqueza e da diversidade das culturas de nosso mundo, de nossos modos de expressão e de nossas maneiras de exprimir nossa qualidade de seres humanos. É fomentada pelo conhecimento, a abertura de espírito, a comunicação e a liberdade de pensamento, de consciência e de crença. A tolerância é a harmonia na diferença (grifos meus, de Paulo Arns). Não só é um dever de ordem ética; é igualmente uma necessidade política e jurídica. A tolerância é uma virtude que torna a paz possível e contribui para substituir uma cultura de guerra por uma cultura de paz.

1.2. A tolerância não é concessão, condescendência, indulgência. A tolerância é, antes de tudo, uma atitude ativa fundada no reconhecimento dos direitos universais da pessoa humana e das liberdades fundamentais do outro. Em nenhum caso a tolerância poderia ser invocada para justificar lesões a esses valores fundamentais. A tolerência deve ser praticada pelos indivíduos, pelos grupos e pelo Estado.

1.3. A tolerância é o sustentáculo dos direitos humanos, do pluralismo (inclusive o pluralismo cultural), da democracia e do Estado de Direito. Implica a rejeição do dogmatismo e do absolutismo e fortalece as normas enunciadas nos instrumentos internacionais relativos aos direitos humanos.

1.4. Em consonância ao respeito dos direitos humanos, praticar a tolerância não significa tolerar a injustiça social, nem renunciar às próprias convicções, nem fazer concessões a respeito. A prática da tolerância significa que toda pessoa tem a livre escolha de suas convicções e aceita que o outro desfrute da mesma liberdade. Significa aceitar o fato de que os seres humanos, que se caracterizam naturalmente pela diversidade de seu aspecto físico, de sua situação, de seu modo de expressar-se, de seus comportamentos e de seus valores, têm o direito de viver em paz e de ser tais como são. Significa também que ninguém deve impor suas opiniões a outrem."

O Artigo 2º do documento trata do papel do Estado; o artigo 3º, das dimensões sociais; o 5º, dos signatários comprometendo-se a agir; e o 6º institui o dia 16 de novembro como Dia Internacional da Tolerância. O artigo 4º trata da Educação e merece ser transcrito:

4.1. "A educação é o meio mais eficaz de prevenir a intolerância. A primeira etapa da educação para a tolerância consiste em ensinar aos indivíduos quais são seus direitos e suas liberdades a fim de assegurar seu respeito e de incentivar a vontade de proteger os direitos e liberdades dos outros.

4.2. A educação para a tolerância deve ser considerada como imperativo prioritário; por isso é necessário promover métodos sistemáticos e racionais da tolerância centrados nas fontes culturais, sociais, econômicas, políticas e religiosas da intolerância, que expressam as causas profundas da violência e da exclusão. As políticas e programas de educação devem contribuir para o desenvolvimento da compreensão, da solidariedade e da tolerância entre os indivíduos, entre os grupos étnicos, sociais, culturais, religiosos, lingüísticos e as nações.

4.3. A educação para a tolerância deve visar a contrariar as influências que levam ao medo e à exclusão do outro e deve ajudar os jovens a desenvolver sua capaciade de exercer um juízo autônomo, de realizar uma reflexão crítica e de raciocinar em termos éticos.

4.4. Comprometemo-nos a apoiar e a executar programas de pesquisa em ciências sociais e de educação para a tolerância, para os direitos humanos e para a não-violência. Por conseguinte, torna-se necessário dar atenção especial à melhoria da formação dos docentes, dos programas de ensino, do conteúdos dos manuais e cursos e de outros tipos de material pedagógico, inclusive as novas tecnologias educacionais, a fim de formar cidadãos solidários e responsáveis, abertos a outras culturas, capazes de apreciar o valor da liberdade, respeitadores da dignidade dos seres humanos e de suas diferenças e capazes de prevenir os conflitos ou de resolvê-los por meios não violentos."

Gostaríamos de acrescentar à reflexão sobre a tolerância umas breves palavras sobre a igualdade e o diálogo. Vale lembrar e insistir : somos diferentes, mas somos iguais. O que nos distingue, uma pessoa da outra, uma cultura da outra, é a diferença, jamais a desigualdade.

A vivência desta igualdade é que possibilitará e tem possibilitado o diálogo realmente digno deste nome. Podemos constatar com através dos mais variados caminhos da reflexão humana, todos estão convergindo para uma mesma conclusão ao raiar do terceiro milênio: a conclusão de que apenas o diálogo, mas o diálogo entre iguais, entre sujeitos, pode popiciar a construção de uma sociedade fundada na solidariedade que leva à plena vigência dos direitos humanos.

Por caminhos e correntes de pensamentos diferentes, pessoas como Martin Buber, Emmanuel Lévinas, Jürgen Habermas, Cornelius Castoriadis, Jacob Levy Moreno, Paulo Freire chegaram a esta conclusão, sem falar em muitas outras pessoas que ora não nos ocorrem.

A relação de opressão se dá nos diálogos, seja entre pessoas, grupos ou nações, quando o vínculo comunicativo, que busca o entendimento mútuo, "é substituído pela ação estratégica, em que um protagonista procura exercer poder sobre o outro, ou quando a ação comunicativa se dá de modo deformado, através da ameaça de coação, interna ou externa. Nos dois casos, a particularidade de um dos participantes é destruída autoritariamente."

Estamos citando Sergio Paulo Rouanet (grifos nossos) e suas reflexões a partir de Habermas. Os homens, quando conversam entre si, supõem a não-identidade :"Eles aspiram a ser reconhecidos reciprocamente como individualidades únicas, insuscetíveis de serem subsumidas em categorias abstratas, e num processo comunicativo normal esse desideratum é alcançado, mesmo quando utilizam na argumentação categorias universais....O universal e o particular se conciliariam, e o idêntico não teria porque opor-se ao não-idêntico (...) Não é o não-conceitual que é oprimido, e sim o mundo vivido, que o sistema procura colonizar. Não é o conceito que oprime e sim a razão sistêmica, centrada no sujeito (...) a razão que oprime, a sistêmica, é diferente da que libera, a comunicativa."

Esperamos ter mostrado, com o que escrevemos até aqui, que a razão comunicativa já está se dando e que, apesar de tudo, temos motivos concretos para sermos esperançosos e otimistas. Diálogos, há pouco inimagináveis, como os de Clynton com Mandela, do Papa João Paulo II com Fidel Castro, do IRA com os ingleses, de países do Oriente Médio entre si e com o Ocidente, na busca da paz e do entendimento mútuo, apenas reforçam este otimismo.

Ao lado de tantas guerras e de tantas pessoas que defendem a morte, há uma riqueza constituída por um número incalculável de homens e mulheres de boa vontade, que com seus trabalhos, seja enquanto intelectuais, políticos, religiosos, simples cidadãos, estão construíndo um novo mundo, um mundo que vai dando lugar à declarações como a que trata da Tolerância ou a Marchas que, a nível mundial, pretendem erradicar o trabalho infantil; que sabem, que é especialmente na educação, através da mudança das mentalidades, que se dá a reconstrução do diálogo e da igualdade, enfim, de um mundo que venha a conhecer, de fato, a Justiça e a Paz.Trabalhar por direitos humanos para todos, mais do que apenas denunciar o que deve ser denunciado, é ser capaz de dar testemunho da ação cidadã, solidária, tolerante, igualitária, é ser capaz do diálogo que liberta e vê, no outro, um sujeito, um seu igual, com uma liberdade e autonomia a ser preservada e respeitada."

Antônio Carlos Ribeiro Fester - a partir de artigo "Guerra e Paz", de Dom Paulo Evaristo, Cardeal Arns, publicado na Revista de Cultura Vozes, em 1998

volta menu

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar