Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


Foto; Vlademir Alexandre

DIREITO À EDUCAÇÃO

(art. 26 da Declaração Universal dos Direitos Humanos e art. 53 do Estatuto da Criança e do Adolescente)

"A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho."

Constituição da República Federativa do Brasil, artigo 205.

 

Por educação libertadora e democrática, entenda-se a concepção do aluno como sujeito de seu próprio aprendizado e como eventual construtor de seu saber; a concepção do educador ou professor como o de mediador entre o saber informal do aluno e o saber formal. O importante é exercitar a argumentação do aluno, para que este justifique e fundamente sua posição.

SUGESTÃO

Esta atividade pode ser desenvolvida, por exemplo, nas disciplinas de Língua Portuguesa e Arte.

Esta oficina objetiva, especificamente, levar o participante a:

  • reconhecer a educação como um direito social básico do ser humano, que dever ser garantido pelo Estado;
  • refletir criticamente sobre a realidade da educação no Brasil e nos outros países latino-americanos;
  • tomar consciência da importância de uma concepção de educação que promova a justiça e os direitos humanos;
  • comprometer-se com ações concretas orientadas à promoção de uma educação libertadora e democrática.

1º Momento

É hora de RECONHECER a própria experiência. Para isto, indica-se:

  • Incentivar a audição da música Aquarela e sugerir ao grupo para acompanhar a letra, pensando nos momentos mais marcantes de sua experiência na escola.
  • Pedir para cada participante relatar um fato da vida escolar que considere especialmente significativo.
  • Fazer uma síntese, ressaltando os aspectos que você, coordenador, considera mais relevantes em relação ao tema a ser aprofundado, durante os demais mome???ntos da oficina.

2º Momento: A educação hoje

Para a execução desta dinâmica é necessário que o coordenador monte um painel, contendo dados estatísticos artigos de jornal, fotos, etc. sobre o estado atual da educação no Brasil e em toda a América Latina.

3º Momento: O direito à educação

Nesta etapa, é momento de CONHECER as idéias de todos os grupos e APROFUNDAR a discussão.

Assim, sugere-se:

  • Estimular a apresentação em plenário das dramatizações planejadas.
  • Em seguida, incentivar o diálogo a partir das questões apresentadas e fazer uma síntese final.
  • Solicitar uma leitura coletiva de textos sobre a educação no Brasil atual.

4º Momento: O direito à educação: Nosso compromisso!

  • É hora de planejar a AÇÃO. Para isto propõe-se:
    • Colocar um cartaz com o desenho de um tronco e as raízes de uma árvore em local visível.
    • Distribuir entre os participantes pedaços de papel cortados em forma de folhas de árvore.
    • Solicitar que cada pessoa preencha uma ou mais folhas, escrevendo o compromisso que gostaria de assumir, para que a educação melhore em nosso país.
    • Depois, pedir que cada um leia, em voz alta, o(s) compromisso(s) que escreveu e coloque sua(s) folha(s) na árvore.
    • Quando a árvore estiver montada, estimular o grupo a escolher um ou mais compromissos para serem assumidos em conjunto.

    TEXTO DE APOIO AO PROFESSOR

    PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

    Constituição da República Federativa do Brasil

    Artigo 7º, XXXIII – proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre aos menores de dezoito anos e de qualquer trabalho a menores de catorze, salvo na condição de aprendiz.

    Artigo 227, Parágrafo 3º - O direito à proteção especial abrangerá os seguintes aspectos: I. idade mínima de catorze anos para admissão ao trabalho, observado o disposto no artigo 7º, XXXIII; II. Garantia de direitos previdenciários e trabalhistas; III. Garantia de acesso do trabalhador adolescente à escola.

     

    Estatuto da Criança e do Adolescente – Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990

    Artigo 60 – É proibido qualquer trabalho a menores de quatorze anos de idade, salvo na condição de aprendiz.

    Artigo 67 – Ao adolescente empregado, aprendiz, em regime familiar de trabalho, aluno de escola técnica, assistido em entidade governamental ou não governamental, é vedado trabalho:

    • noturno, realizado entre as 22 (vinte e duas) horas de um dia e as 5 (cinco) horas do dia seguinte;
    • perigoso, insalubre ou penoso;
    • realizado em locais prejudiciais à sua formação e ao seu desenvolvimento físico, psíquico, moral e social;
    • realizado em horários e locais que não permitam a freqüência à escola.

    Apesar da legislação brasileira proibir o trabalho de pessoas menores de 14 anos, sabe-se que essa é uma realidade bastante disseminada em nosso país, devendo ser modificada.

    Essa é, sem dúvida, uma questão extremamente delicada de ser abordada. Afinal, não são raras as situações em que a contribuição econômica proveniente do trabalho infantil é essencial à subsistência da criança trabalhadora e de sua família. Acresce-se a isso o fato de que a cultura brasileira aceita largamente essa prática, apresentando diversos argumentos em sua defesa.

    Um deles é a crença de que a criança trabalhadora tem a oportunidade de aprender um ofício, tornando-se melhor capacitada. Mas a realidade é que a maioria das crianças que trabalha é explorada através da imposição de carga horária excessiva para sua idade, realizando muitas vezes atividades que comprometem seu desenvolvimento físico, psicológico e social. Além disso, não dedicam o tempo necessário à educação formal e, freqüentemente, abandonam a escola.

    Ressalte-se ainda que as crianças costumam ser mal remuneradas por apresentarem menor produtividade do que os adultos, não recebendo qualquer direito trabalhista, sendo esse um dos motivos de ser tal mão-de-obra tão atrativa à exploração.

    O trabalho infantil deve ser erradicado através da participação conjunta do Estado e da sociedade civil. Em várias localidades do Estado de São Paulo, eliminou-se o trabalho infantil por meio da ação de sindicatos, comunidade local e Estado, incentivando-se as denúncias e oferec???endo-se assistência do Estado às famílias das crianças trabalhadoras. A contribuição dos profissionais da área da área da educação é certamente essencial ao combate ao trabalho infantil.

    volta menu

    Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
    Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
    Google
    Notícias de Direitos Humanos
    Loja DHnet
    DHnet 18 anos - 1995-2013
    Linha do Tempo
    Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
    Sistema Nacional de Direitos Humanos
    Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
    Sistemas Municipais de Direitos Humanos
    História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
    MNDH
    Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
    Projeto Brasil Nunca Mais
    Direito a Memória e a Verdade
    Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
    Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
    1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar