Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Memória Histórica Potiguar
Potiguariana Digital
Djalma Maranhão - Pensamentos Políticos
Discursos Parlamentares

Djalma Maranhão, CERN 1985

 

 

 

De Pé no Chão | 40 Horas de Angicos | Movimento de Natal

Textos | Livros e Publicações | Áudios | Vídeos | Fotografias | Rede RN | CDHMP

 

Djalma Maranhão e o folclore
José Condé

Não creio que exista em todo o Brasil um cidade onde se cultive nossas tradições populares com maior carinho e seriedade do que Natal. Deve-se isso a um homem forte, ainda jovem, extremamente simpático e inteligente que se chama Djalma Maranhão. Deixemos de lado, porém, o prefeito que, de camisa esporte, chega ao extremo do conceder audiências até em plena rua, misturando gostosamente com o povo que o trata pelo primeiro nome e o estima com sinceridade; preferimos abordar apenas um dos aspectos de sua administração, o que diz respeito à restauração que fez – consciente e honestamente – dos mais característicos folguedos nordestinos. Djalma transformou esta bonita, ensolarada e alegre capital, numa espécie de Passargada do folclore. Também estudioso do assunto (conheci-o há alguns anos em Salvador quando tomava parte num Congresso de Folclore), Djalma oficializou o incentivo de todos os grupos que, em Natal, cultivam danças e autos populares: Camaleão, quadrilha, fandango, boi calemba, chegança, bambelô. Realizam-se esses folguedos duas vezes por ano: em junho e dezembro. E cada época tem suas manifestações características. No ciclo junino por exemplo, foram restauradas as danças dos arraias – que são instalados nos principais bairros da cidade, notadamente nos populares – compreendendo quadrilhas e pastoris; o ciclo natalino – que abrange os meses de dezembro e janeiro – compreende fandangos, boi calemba, coco de roda, congo, cheganças e ainda pastoris. O bambelô (reminiscência africana) funciona, porém, durante todo o ano.

Nome das principais sociedades folclóricas: Camaleão do Igapó, Caranguejo, Araruna, Arraial de Luís Antônio, Pastoril Sempre Viva, Asa Branca. Estia ainda em Natal uma Federação dos Folguedos Populares, dirigida por uma figura popular da terra: O velho Moreira.

Djalma Maranhão conseguiu tudo isso criando uma equipe jovem, inteligente, a qual entregou os principais departamentos da Prefeitura. É o caso, por exemplo, do Departamento e documentação e Cultura, dirigido por uma poetisa que é das melhores de sua geração: Zila Mamede. Possui o D. D. C. biblioteca pública, Discoteca, Museu de Arte Popular; promove conferências e exposições de artes plásticas, patrocina prêmios e movimenta ao máximo a vida cultural da terra.

Vejamos rapidamente, o que o D.D.C. programou para os meses de junho, julho e agosto: a visita do sociólogo Gilberto Freyre e do poeta Mauro Mota, que aqui pronunciarão conferências; visitas de Abelardo Rodrigues, para restaurar o Museu de Arte Popular, transformando-o, talvez no mais importante, do Nordeste, Exposição do Autor – Norte-rio-grandense, documentada e ilustrada com conferências. Essa exposição se realizará na Livraria Universitária, - uma das mais bem instaladas que já conheci em cujas vitrines ficarão expostos os livros de autores de todas as épocas e escolas literárias; e em cujo salão terão lugar conferências diárias alusivas à vida e obra dos autores norte-rio-grandenses.

Ainda no plano do D. D. C. uma exposição de pintura e desenhos de Newton Navarro, excelente artista potiguar.

Antes de minha chegada a Natal, aqui esteve a pintora paulista Cléo, cuja mostra foi visitada – nos dias em que ficou aberta ao público – por mais de duas mil pessoas.

O lançamento do Concurso para escolha do novo Príncipe dos Poetas Brasileiros, foi feito no Palácio Felipe Camarão, onde, num gesto altamente simpático, o Prefeito Djalma Maranhão reuniu em torno do colunista algumas da figuras mais destacadas das letras norte-rio-grandense. Aplaudindo a promoção e interpretando o pensamento das pessoas presentes, usou da palavra o escritor Luís da Câmara Cascudo.

Compareceram à reunião no Palácio da Prefeitura inúmeros inscritos, professores universitários, jornalistas e artistas plásticos.

(Revista JANGADA, julho de 1959, Porto Alegre-RS)

^ Subir

Textos | Livros e Publicações | Áudios | Vídeos | Fotografias | Rede RN | CDHMP

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Curso de Agentes da Cidadania Direitos Humanos