Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Educando para a Cidadania
Os Direitos Humanos no Currículo Escolar

GEOGRAFIA E CIDADANIA

Falar de Geografia em sua relação com a Cidadania é, hoje, uma tarefa que se impõe ao geógrafo, uma vez que a referida ciência ainda vem sendo considerada apenas como uma disciplina a mais nos currículos escolares, sendo sua função o detalhamento dos fatos geográficos, sua localização e registro do modo como o homem convive com os mesmos. Vilipendiada no seu entendimento e amplitude, fruto da história de homens não iguais, construíram-se conceitos que a tornaram incapaz, por sua estrutura, de levar à conscientização crítica e política. Tornou-se assim, mais um assessório, cujo caráter impede que os homens se assumam como cidadãos e exerçam plenamente esta condição.

No entanto, esse tratamento dado à Geografia não é gratuito e tem profundas raízes históricas. Desde os tempos antigos de Grécia e Roma, onde ainda não se denominava Geografia nem Ciência, mas onde foi pela primeira vez sistematizada, vem servindo até os dias de hoje como instrumento do poder do Estado e das elites dominantes sobre os “mais mortais”.

A sistematização do conhecimento geográfico, a partir da descrição da terra, impunha-se uma necessidade nos tempos antigos, a fim de viabilizar as estratégias expancionistas em nível militar e comercial. O saber, naquele momento, servia para este fim, além de justificar a sociedade escravagista. Lembremos que só era considerado cidadão aquele que, além de ter nascido na cidade (daí a origem do termo), era proprietário de terras e de escravos. Como era preciso garantir tal sociedade dividida e como o expancionismo sugeria dominação, a Geografia servia à concepção do saber que viesse a sustentar ideologicamente esta estrutura.

O discurso geográfico, como muitos ainda hoje o concebem, foi popularizado como um inventário sistemático de fatos e lugares. A Geografia assume status de Ciência quando começam a ser formulados alguns princípios metodológicos que, em verdade, caracterizavam uma posição ideológica de cada um de seus mentores.

Assim, criam-se diversos conceitos de g. todos, entretanto, estavam impregnados de um caráter nacional, como observa Moreira (1981): “... o atual discurso geográfico é o produto final dos embates que dominam as relações entre o imperialismo alemão e o Francês, no século XIX” (O que é Geografia, Primeiros Passos). As diferenças, obviamente, aparecem no plano do saber geográfico. Temos, de um lado, a escola alemã e o determinismo; de outro, a escola francesa e o possibilismo. Mais adiante, vamos ter uma forma ainda mais ideológica com a escola anglo-saxônica, já nesse século. Mesmo tendo concepções diferentes, todos tinham um interesse comum: a expansão colonial e a mundialização do capital, o próprio imperialismo. Vale, então, um discurso linear e empírico, que reforça o papel do Estado e das elites sem conhecê-las como classes dominantes. Isso eqüivale a dizer que o conhecimento geográfico se estrutura em diferentes níveis, sendo, todavia, transmitido segundo o que determina a sociedade estratificada. É um conhecimento que busca legitimar a sociedade desigual, por necessidade.

Assim, a inserção da Geografia no mundo científico veio acompanhada – ou a reboque – de uma concepção autoritária das elites dominantes, que a usavam com a clara intenção de não desvelar as contradições sociais que os diferentes modos de produção proporcionavam.

Para tanto, a Geografia é mantida com caráter de síntese ou de descrição, realçando a dicotomia entre o homem e o meio, a sua compartimentação em várias geografias, que têm por base a Geografia Física. Caracteriza-se, deste modo, uma sociedade que está distante da natureza e esta à parte da sociedade.

A reinvenção deste pensar se dá a partir da Segunda Guerra Mundial, pois há necessidade de atender-se às novas exigências dos sistemas. Vale-se, então, a Geografia, de uma falsa interdisciplinariedade, uma vez que incorpora justificativas “cientificamente” elaboradas por outras ciências, a fim de que ela própria possa se justificar. Esta Nova Geografia, como foi chamada, de cunho neo-positivista, reforçou o papel da Geografia alienada e alienante, na qual não há processo histórico e estão ocultas as relações sociais travadas pelo homem num espaço que ele próprio constrói.

Em verdade, ainda se paga um tributo a esta compreensão distorcida e se peca ao construir-se um currículo escolar distante da realidade social. Fica evidente a incapacidade de um Geografia assim, em conduzir o homem a perceber-se como cidadão. Sua forma escolar revela-se quando da elaboração de belos e “bem estruturados” programas que em realidade acentuam a sua tradição conteudista, na qual os fatos são estanques e desconexos, distantes uns dos outros.

São programas vazios e inconsistentes, que geram um ensino burocratizado, tão à feição das elites dominantes e de sua concepção de educação. O professor repassa o conhecimento como algo dado e o aluno reproduz sem questionar, porque não há o que questionar, porque não provoca uma postura crítica, qualquer dúvida, quem a resolve é a História, a Sociologia ou a Filosofia (sic). Afinal, a Geografia cabe tão somente a síntese.

Aliás, no que diz respeito ao ensino da Geografia, reforçando-se a idéia acima, podemos tomar Lacoste (1977) e a sua observação (ou alerta) de que “... o discurso geográfico pode ser considerado, principalmente em suas formas escolares, como o instrumento de uma obra de mistificação de longo alcance, cuja função é impedir o desenvolvimento de uma reflexão política sobre o espaço e de mascarar es estratégias espaciais dos detentores do poder” ( A Geografia serve, antes de mais nada, para fazer a guerra).

É uma Geografia reduzida ao estudo da paisagem. Homens, rochas, climas, etc., têm um mesmo sentido geográfico. Em suma, não há processo social, não há história. Consequentemente, não há a perspectiva da cidadania.

Mas há uma Geografia capaz de burlar este entendimento propositalmente equivocado. O conhecimento geográfico não é algo que possa e deva ser facilmente manipulável, porque seu objeto tem por base um processo social, que produz o espaço geográfico, é fruto de uma relação de classes, historicamente dada. É o espaço geográfico capaz de caminhar em direção a uma postura crítica e de permitir ao homem sentir-se como agente de transformação da sociedade e da liquidação total da situação de opressão em que vive. Ou seja, a Geografia não somente analisa as desigualdades sociais, mas também as contradições que levam a estas desigualdades e que estão expressas espacialmente.

Fugir às armadilhas preparadas pela Geografia tradicional é um encaminhamento concreto para que o geógrafo possa trabalhar sua ciência numa perspectiva da cidadania. Porém, isso não basta.

O diagnóstico do que não está funcionando no ensino da Geografia e do que não permite chegar-se a um entendimento do que é o homem-cidadão pode tornar-se mais um exercício intelectual. Ora, já foi dito que a escola está numa razão inversamente proporcional à realidade onde está colocada. Então, diz-se que devem ser estruturados currículos adequados a esta realidade. Contudo, isto também não basta, uma vez que, além de sempre podermos incorrer naquela tradição onde a “matéria” é privilegiada, esta, via currículo, pode transformar-se em mera formalidade para o professor e acabar, de qualquer forma, sendo de pouca utilidade para o aluno.

Quanto à Geografia, um currículo não pode perder de vista o que acima expomos. Devemos, então, ter clara noção da totalidade que está presente em todos nossos passos. Isto porque o espaço do nosso tempo é o resultado de mediações históricas do espaço, enquanto categoria histórica, ao mesmo tempo que o nosso espaço passa a ser também uma mediação. Então, é preciso que se estabeleça que uso se faz deste espaço e quem usa o espaço. Não há como entender a Geografia e a questão da cidadania se não tivermos clara a relação acima.

O espaço produzido pelo homem é essencialmente um espaço social, porque o homem, ao entrar em contato com a natureza, transforma-a e a si se transforma através do trabalho. A natureza deste trabalho é social e, assim, o homem produz o seu espaço social e nele se organiza espacial e socialmente. Mas, no sistema sócio-econômico em que vivemos, o uso do espaço revela as contradições inerentes ao modo de produção que o engendra. Fica evidente, uma vez que nele se separa o capital do trabalho. Estabelece-se esta contradição: o trabalhador dos meios de produção, que não lhe pertence, é quem menos faz uso deste espaço. Consequentemente, nele se aliena e não constrói a sua cidadania.

Neste sentido, cabe à Geografia demonstrar as contradições e as formas de mediar os conflitos de casses na sociedade e seu espaço. Concretamente, podemos exemplificar aqui uma situação: quando está proposto trabalhar-se a produção (ou demografia). Em uma perspectiva tradicional, não há o desvelamento necessário das relações sociais em um determinado arranjo espacial. Em primeiro lugar, porque há uma descaracterização histórica do fenômeno demográfico; e, em segundo lugar, porque há uma fragmentação da totalidade social quando o estudo fica compartimentado em crescimento, estrutura, distribuição e mobilidade da população. Ora, isto é uma demografia a-histórica e a-sociológica. Privilegiam-se os dados estatísticos e seu mapeamento, apresentando-se uma realidade através de números e demonstrando-se que os mesmos representam uma condição de vida da população, mas não se vai além disso. Surgem daí idéias do tipo: “o nordestino migra para os grandes centros industriais devido à seca”, ou “as populações de países periféricos terceiromundistas crescem mais do que a capacidade dos mesmos em geral riquezas e um mercado de trabalho que venha a sustentá-las”. Não se questiona a razão desses acontecimentos, porque não é o caso ou o objeto de estudo.

Ora, o conceito de população é muito vago. Devemos, então, partir para o entendimento de quem compõem a população e de como ela expressa em classes sociais, fruto da divisão social do trabalho. Temos, assim, novos conceitos e não somente o de população, que deverão ser trabalhados igualmente. Resulta daí que são necessárias algumas mediações, o que permitirá ter-se uma visão do todo. Ficará mais claro que as classes sociais existem na forma como a sociedade se apoia sobre determinados elementos que pressupõe outros. Deste modo, podemos chegar a conceitos mais simples a serem construídos pelos próprios alunos, tendo a perspectiva de retornar ao primeiro conceito e ir adiante, agora com mais qualidade e conhecendo-se a totalidade (lembrando que o espaço social é o todo e não apenas uma sua fração).

Neste agir, torna-se possível ao aluno perceber-se como parte integrante daquilo que está sendo estudado, uma vez que ele próprio é objeto de estudo. Daí, a possibilidade de ele poder pensar criticamente a realidade em que está envolvido, descobrindo-se nela e percebendo que esta realidade é uma totalidade onde estão reveladas desigualdades e contradições. A questão da cidadania está intrínseca. Poderíamos dar vários outros exemplos. Entretanto, o desdobramento que se tem, qualquer que seja o conteúdo a ser trabalhado, deve permitir ao aluno a liberdade em que está vivendo. O aluno, que está construindo seu conhecimento, verá que cada vez mais surgirão novos fatos, não previstos em seu planejamento inicial do estudo. Isto implicará em um conflito, ou seja, o que sabia até então não foi suficiente para entender a problemática em seus diferentes níveis de profundidade e desdobramentos, levando-o a solicitar referências ou explicitações teóricas que ajudem a superar o conflito cognitivo num nível de abstração mais complexo. Reforça-se, assim, o papel do educador.

A Geografia, em uma perspectiva crítica, pode e deve permitir que o homem se torne o centro de busca e organização do conhecimento. De donatário deste, torna-se ativo construtor, o que significa uma alteração toda da relação epistemológica. Esta alteração oportuniza a superação da condição de alienação que os sistemas sócio-políticos trazem em seu bojo) da Geografia Crítica, que busca a transformação da sociedade. Não trata-se de diferença sutil, mas de algo evidente para quem visualiza e tem como norte a construção da cidadania via processo de conhecimento. Não existe conhecimento geográfico que não tenha a construção da cidadania como fim.

Antonio Carlos Rizzo Neis
Educador no Curso Mauá, em Porto Alegre, e Vice-presidente da Associação dos Geógrafos do Brasil – AGB.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar