Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


BERGSON GURJÃO FARIAS

Bergson Gurjão Farias
Livro "Dos Filhos deste solo"

DADOS PESSOAIS

Nasceu em 17 de maio de 1947 no municipio de ..., Rio Grande do Norte, filho de Gessiner Farias e Luiza Gurjão Farias.

ATIVIDADES

Militante do Partido Comunista do Brasil (PC do B), estudou na Faculdade de Química da Universidade Federal do Ceará e foi vice-presidente do Diretório Central dos Estudantes em 1967. Preso no Congresso da UNE , em Ibiúna (SP), em 1968. Expulso da Faculdade em 1969, com base no famigerado Decreto-lei 477. Indiciado no inquérito por participação no XXX Congresso da UNE, foi condenado em 1o. de julho de 1969, pela Auditoria Militar, a dois anos de reclusão. Em 1968, no Ceará, foi ferido gravemente à bala na cabeça, quando participava de uma manifestação estudantil. Refeito do ferimento e sob constante perseguição policial, deslocou-se para o interior do estado, indo residir na região de Caianos, onde continuou suas atividades políticas. Posteriormente foi transferido para a região do Araguaia, incorporando-se ao grupamento militar de seu partido em ação na área.

CIRCUNSTÂNCIAS DA PRISÃO E MORTE

Ferido em combate, em 08 de maio de 1972. Seu corpo foi levado para Xambioá, todo deformado pelas torturas, tendo sido dependurado em uma árvore, com a cabeça para baixo, a qual era chutada constantemente pelos militares mobilizados na caça aos guerrilheiros. Segundo depoimento de Dower Cavalcanti, ex-guerrilheiro já falecido, o general Bandeira de Melo lhe dissera que Bergson estaria enterrado no Cemitério de Xambioá. O Relatório do Ministério da Marinha sobre a Guerrilha do Araguaia diz que em "junho de 1972 foi morto..." Seu desaparecimento foi denunciado em Juízo em 1972 e 1973 pelos presos políticos José Genoino Neto e Dower Cavalcanti. Genoino afirma que o corpo de Bergson lhe foi mostrado durante um de seus interrogatórios e que sabia que ele se encontrava doente de malária ; tendo sido morto a baioneta. Dower Cavalcanti revela que foi preso e torturado junto com Bergson e que ele teria sido morto a baioneta.

SITUAÇÃO ATUAL

Com a vigência da Lei no. 9140-95, aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente da República, os familiares de Bergson obtiveram o reconhecimento da responsabilidade da União pela sua morte, fazendo jus a respectiva indenização, assegurada pela Lei.

VOLTA MENU

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar