Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Direitos Sociais, Direitos Econômicos e Direitos Políticos
Módulo I - Direitos Humanos

Direitos Sociais

Os direitos sociais e econômicos passaram a ser reconhecidos pelas Constituições nacionais sob a influência e a pressão dos movimentos sociais e políticos do final do século XIX e início do século XX, principalmente os movimentos da classe operária, de inspiração anarquista, socialista e comunista, assim como o fortalecimento da social-democracia européia.

As primeiras Constituições a adotá-los foram a do México, de 1917, e a da Alemanha, de 1919. No Brasil, a primeira Constituição a reconhecê-los foi a de 1934. Esses direitos correspondem historicamente a uma “segunda geração1 de direitos humanos” porque reconhecida depois da “primeira geração”, surgida com o movimento constitucionalista ligado à “Era das Revoluções Burguesas”, ao final do século XVIII.

Se a primeira geração visava afirmar direitos políticos e civis individuais (as chamadas liberdades públicas) contra abusos do Estado, a segunda geração, inspirada no valor da igualdade (contraposta ao que se considerava liberdades meramente formais dos direitos civis e políticos), buscava a conquista de direitos substanciais capazes de garantir o exercício efetivo das liberdades públicas pelas classes sociais menos favorecidas.

A idéia que resume os direitos humanos de cunho social e econômico2 é sintetizada pelo exemplo de que de nada serve ao indivíduo o direito de votar e ser votado (direito político) e a liberdade de expressão intelectual (direito civil) se ele não tem necessidades vitais mínimas asseguradas, como sua saúde, moradia e educação - direitos sociais que o tornam apto a exercer seus direitos civis e políticos. A Constituição de 1988 foi a primeira a incluir os direitos sociais, juntamente com os direitos individuais, no universo dos Direitos e Garantias Fundamentais (Título II).

Ao longo da ordem social estão traçadas as diretrizes constitucionais que devem nortear as políticas públicas para a promoção da seguridade social (Arts. 194 a 204). Estas incluem as seções da saúde, previdência e assistência social), para a promoção da educação, da cultura e do desporto (Arts. 205 a 217, observando-se que cultura e desporto abrangem tanto o direito à educação como o direito ao lazer) e para a proteção da família, da criança, do adolescente e do idoso (Arts. 226 a 230).

Portanto, os direitos sociais requerem uma ação do Estado mediante a elaboração de políticas públicas aptas a promovê-los. O estudo dos direitos sociais tal como dispostos no Art. 6o deve sempre estar correlacionado com os dispositivos da ordem social. Cabe destacar que a seguridade social deverá atender, dentre outros, aos objetivos democráticos da universalidade de cobertura e atendimento, da uniformidade e da equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais, da irredutibilidade do valor dos benefícios e do caráter democrático e descentralizado da administração (Art. 194).

Com referência à íntima correlação entre direitos sociais e a exigência de políticas públicas adequadas a promovê-los, temos que a saúde e a educação (Art. 205) são direitos de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução da doença ou a igualdade de condições para o acesso, permanência e sucesso na escola, por exemplo.

Ainda no capítulo dos direitos sociais, a Constituição dedica o Art. 7o aos direitos dos trabalhadores urbanos e rurais em suas relações individuais3 de trabalho e os Arts. 8o ao 11 são dedicados aos direitos coletivos4 dos trabalhadores.

Direitos Políticos

O titular da soberania no Estado Democrático de Direito, que constitui a República Federativa do Brasil, é o povo brasileiro. Os direitos políticos são o meio de exercício dessa soberania popular. Eles caracterizam o direito de cada cidadão contribuir para os propósitos da atuação do Estado, compondo as decisões fundamentais a orientar o Estado.

De maneira geral, podemos dizer que os direitos políticos traduzem-se na capacidade de votar e de ser votado. Note que a idéia de votar e ser votado é hoje intimamente ligada à democracia representativa, na qual o povo escolhe seus representantes políticos que ocuparão os cargos, sobretudo nos Poderes Executivo e Legislativo, com funções de administrar e legislar sobre o interesse comum.

A democracia representativa é característica das sociedades de massa que inviabilizam a participação de todo e cada cidadão nas decisões públicas. Em suas origens, a democracia era direta, quando o cidadão exercia o seu voto com igual peso nas decisões comuns.

Vale salientar que os direitos políticos em nosso País nem sempre foram respeitados, principalmente, durante o período da ditadura militar em que muitos homens e mulheres “desapareceram” em virtude de defender e atuar em prol de determinadas atividades político-partidárias.

Cabe, então, mencionar a Lei no 9.140, de 4/12/1995 que reconheceu como mortas pessoas desaparecidas em razão de participação ou acusação de participação em atividades políticas no período de 2/9/1961 a 15/8/1979. Esta lei foi alterada pela Lei no 10.536, de 14/8/2002 que, dentre outras alterações, ampliou o período de reconhecimento de pessoas desaparecidas para 2/9/1961 a 5/10/1988.

A Constituição de 1988 assegura que “todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição” (Art.1o, parágrafo único). Adota, assim, a democracia representativa mesclada com mecanismos importantes da democracia direta na qual os cidadãos participam ativamente da tomada de decisões de relevância pública.

Por isso, nosso regime caracteriza-se como democracia participativa ou semi-direta. O Art. 14 da Constituição determina que “a soberania popular será exercida pelo sufrágio universal5 e pelo voto direto e secreto, com igual valor para todos, e, nos termos da lei, mediante: I – plebiscito, II – referendo; III – iniciativa popular”.

O sufrágio universal implica que cada cidadão tem direito de voto, o qual será secreto e exercido diretamente por ele, tendo cada voto o mesmo valor.

Os três incisos do artigo 14 indicam os mecanismos de democracia direta ou democracia participativa adotados pela nossa Constituição como meios de exercício da cidadania ativa. Por meio do plebiscito, os cidadãos decidem diretamente determinada questão de relevância pública. Os representantes políticos deverão, obrigatoriamente, proceder e legislar conforme a vontade da maioria cidadã. A título de exemplo, citamos o plebiscito em 1993 para que se escolhesse a forma (república ou monarquia constitucional) e o sistema de governo (parlamentarismo ou presidencialismo) a vigorar no País, tendo os cidadãos, escolhido diretamente a república presidencialista.

Já no referendo, os cidadãos têm o poder de aprovar (referendar) determinada medida já acolhida pelo poder Legislativo para que a cidadania confirme ou rejeite a norma em questão. A Constituição de 1988 atribuiu competência exclusiva ao Congresso Nacional para autorizar referendo e convocar plebiscito (Art. 49, XV). O último referendo realizado no Brasil ocorreu em 2005 sobre a proibição da comercialização de armas de fogo e munições, onde quase dois terços dos eleitores rejeitou a proibição.

Por sua vez, a iniciativa popular consiste mais precisamente na iniciativa popular legislativa. Trata-se do direito assegurado ao conjunto de cidadãos de iniciar o processo legislativo, apresentando projeto de lei à Câmara dos Deputados, com observância aos requisitos constitucionais do Art.61, parágrafo segundo.

É de se lamentar que a incipiente educação cívica e política do povo brasileiro é fator que prejudica sua participação e cidadania ativa. Seria, pois, de grande importância para o fortalecimento da democracia participativa que os seus mecanismos fossem simplificados para incentivar a ativa participação.


REFERÊNCIAS

ZAJDSZNAJDER L. Ética, estratégia e comunicação. Rio de Janeiro; Editora FGV; 1999; p. 28-29.
NOLETO M.A. Subjetividade jurídica: a titularidade de direitos em perspectiva
emancipatória. Porto Alegre; Sergio Antonio Fabris Editor; 1998; p. 43-42-48.
CHAUÍ M. Roberto Lyra Filho ou da dignidade política do direito. Brasília. Editora
NAIR, 1982;p.4.
CAMPILONGO, CF. Direito, cidadania e justiça: ensaio sobre lógica, interpretação, teoria, sociologia e filosofias jurídica: o trabalhador e o direito à saúde: a eficácia dos direitos sociais e o discurso neoliberal. São Paulo; Editora Revista dos Tribunais;
1995; p. 37-134-136.

Links interessantes

Direito humanos
• http://www.dhnet.org.br/inedex.htm, após acessar a página, clique em banco de dados, depois em textos e reflexões.
Integração econômica e o princípio da soberania nacional
• www.direitoufba.net/mensagem/claudiocairo/de-integracaoeconomica.doc
Direitos Humanos: constitucionalismo e internacionalismo
• http://antares.ucpel.tche.br/direito/html/f_revista.htm
Os direitos sociais e a moderna teoria da constituição
• www.prt1.mpt.gov.br/AidaArtigoDecisorioTrabalhista.doc
A Questão social no Brasil: os direitos econômicos e sociais como direitos fundamentais
• http://www.hottopos.com/vdletras3/vitoria.htm
Código de Defesa do Consumidor
• http://www.mj.gov.br/DPDC/servicos/legislacao/cdc.htm
Legislação
• http://www.mj.gov.br/DPDC/servicos/legislacao.htm#LEIS
Estes são os nossos direitos segundo a Constituição e o Direito Internacional
• http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/textos/direito.htm
Relatório sobre a situação de direitos humanos no Brasil
• http://www.cidh.oas.org/countryrep/brazil-port/Cap%201.htm
Documentação civil
• http://www.dhnet.org.br/dados/lex/leis/lexdh2.htm

1 Note que a idéia de “gerações de direitos humanos” apenas é utilizada para indicar o reconhecimento das espécies de direitos humanos ao longo da História. Contudo, isso não significa que os direitos de “segunda geração” somente devam ser reconhecidos ou promovidos após a total implementação dos direitos de “primeira geração”. Não há aqui uma hierarquia ou uma sucessão geracional de direitos.

2 A Constituição, em seu Art. 6o (que inaugura o Capítulo II – “Dos Direitos Sociais” - do Título II, estabelece que “são direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência social aos desamparados, na forma desta Constituição”. A este capítulo conjuga-se o Titulo VIII da Constituição dedicado à “Ordem Social”, o qual tem “como base o primado do trabalho, ecomo objetivo o bem estar e a justiça social”(Art. 193).

Temos assim que no Art. 7o estão relacionados os direitos fundamentais de cada trabalhador em sua relação individual de emprego, entre os quais: o salário mínimo (inciso IV), a irredutibilidade de salário (inciso VI), o décimo terceiro salário (inciso VIII), o repouso semanal remunerado (inciso XV), férias anuais remuneradas (inciso XVII), licença gestante (inciso XVIII), licença-paternidade (inciso XIX), aviso prévio (XXI) e aposentadoria e integração à previdência social (inciso XXIV).

Dentre os direitos coletivos dos trabalhadores, cabe destacar a livre associação sindical ou profissional (Art. 8o) e o direito de greve, “competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender” (Art. 9o, caput). Além disso, sendo o trabalho um direito social, tal como definido no Art. 6o, extrai-sedo conjunto de normas da Constituição o direito ao trabalho de cada cidadão, o qual exige a firme atuação dos poderes públicos, por meio de políticas públicas, aptas a gerarem o pleno emprego.

Quanto ao alistamento eleitoral, o exercício do voto é obrigatório para os maiores de 18 anos (Art. 14, Parágrafo 1o, I); facultativos para os analfabetos, os maiores de 70 anos e os maiores de 16 e menores de 18 anos (Art. 14, Parágrafo 1o, alíneas a, b e c). Os estrangeiros e os que estão prestando serviço militar obrigatório não podem alistar-se como eleitores (Art. 14, Parágrafo 2o). Nos termos do Art. 14, Parágrafo 3o, as condições para a elegibilidade para cargos públicos são: a nacionalidade brasileira; o pleno exercício dos direitos políticos; o alistamento eleitoral; o domicílio eleitoral na circunscrição (ou seja, no Município ou Estado para o qual será eleito o representante, e evidentemente, no Brasil, para o caso de eleição presidencial); a filiação a partido político; e a idade mínima de 35 anos para Presidente e VicePresidente da República e Senador, de 21 anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de Paz, e de 18 anos para Vereador. Não poderão ser eleitos os analfabetos e os inalistáveis (Art. 14, Parágrafo 4o).

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar