Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 Rede Brasil DH
 Sociedade Civil
 Mídia
 Conselhos de Direitos
 Executivo
 Legislativo
 Judiciário
 Ministério Público
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Direitos Humanos e Cidadania
Sociedade Catarinense de Direitos Humanos

I

O Artigo 1 da Declaração Universal dos Direitos Humanos estabelece que:

“Artigo I Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade.”

A Constituição Federal estabelece em seu

“Artigo 50 (caput)

- Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no Pais a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:”

A Magna Carta de João Sem Terra (1215) diz o seguinte:

“2) também concedemos perpetuamente, em nosso nome e no de nossos sucessores, para todos os homens livres do reino de Inglaterra, todas as liberdades, cuja continuação se expressam, transmissíveis a seus descendentes.”

Veja, agora, o Artigo Ida Declaração de Virginia (1776):

“Artigo 1 - Todos os homens nascem igualmente livres e independentes, têm direitos certos, essenciais e naturais dos quais não podem, por nenhum contrato, privar nem despojar sua posteridade: tais são o direito de gozar a vida e a liberdade com os meios de adquirir e possuir propriedades, de procurar obter a felicidade e a segurança.”  

A Declaração Francesa dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789), estabelece que:

“Artigo l.º - Os homens nascem e vivem livres e iguais em direitos. As distinções sociais só podem ser fundadas sobre a utilidade comum.

“Artigo 2º - O fim de toda associação política é a conservação dos direitos naturais e imprescritíveis do homem. Estes direitos são: a liberdade, a propriedade, a segurança e a resistência á opressão.”

“Artigo 6º - A lei é a expressão da vontade geral. Todos os cidadãos têm o direito de concorrer pessoalmente, ou por seus representantes, para sua formação. Ela deve ser a mesma para todos, seja protegendo, seja punindo". Todos os cidadãos, sendo iguais perante ela, são igualmente admitidos a todas as dignidades, cargos e empregos públicos, segundo sua capacidade e sem outra distinção que a das suas virtudes e dos seus talentos”

O primeiro artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos aborda, num momento inicial, o reconhecimento das dimensões relativas aos princípios da liberdade e da igualdade.

Cabe ressaltar, que nenhuma liberdade individual é absoluta, e não deve ser interpretada como justificativa de intervenção ou interferência nos direitos alheios.

Mais adiante, a norma declaratória reconhece explicitamente a razão e a consciência como fundamentos essenciais da pessoa humana, estabelecendo ainda a reciprocidade no espírito de fraternidade

“Aristóteles vinculou a idéia de igualdade à idéia de justiça, mas, nele. trata-se de igualdade de justiça relativa que dá a cada um o seu, uma igualdade - como nota Chomé — impensável sem a desigualdade complementar e que é satisfeita se o legislador tratar de maneira igual os iguais e de maneira desigual os desiguais.”

(José Afonso da Silva — Curso de Direito Constitucional Positivo)

A Carta Magna de João-Sem-Terra afirma, expressamente, a questão da igualdade associada à liberdade: “para todos os homens livres da Inglaterra, todas as liberdades...”

A Declaração Francesa dos Direitos do Homem e do Cidadão estabelece em seu Artigo l.º que “Os homens nascem livres e iguais em direitos.”. No artigo seguinte, configura a liberdade como um desses direitos, proporcionando uma articulação entre os dois princípios". Mais adiante, em seu Artigo 6, confirma o principio da igualdade em diversas oportunidades.

Decerto, apenas a educação, no seu sentido mais amplo, poderá proporcionar a todas as pessoas uma melhor argumentação em prol dos Direitos Humanos, da afirmação da Cidadania e da verdadeira igualdade, e, a partir daí, promover a conquista da liberdade individual e coletiva.

“É que a igualdade constitui o signo fundamental da democracia. Não admite os privilégios e as distorções que um regime simplesmente liberal consagra. Por isso é que a burguesia. cônscia de seu privilégio de classe. jamais postulou um regime de igualdade tanto quanto reivindicara o de liberdade. É que um regime de igualdade contraria seus interesses e dá à liberdade sentido material que não se harmoniza com o domínio de classe em que assenta a democracia liberal burguesa.”

(José Afonso da Silva — Curso de Direito Constitucional Positivo)

Pare e Reflita 1

Quais os principias abordados nesse primeiro artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos?

 
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais