Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique


Teologia da Libertação  

               Para se pensar em Teologia da Libertação, antes tem que se considerar a Doutrina Social da Igreja.  Até meados do  século XIX, a Igreja Católica  ainda permanecia atrelada aos poderosos da sociedade antiga e medieval, esquecendo que, na própria Bíblia há um conteúdo e um apelo acerca da fraternidade universal e que coloca todos os homens como irmãos e semelhantes a Deus.

               Somente a partir da Carta Encíclica Rerum Novarum, do Papa Leão XIII, 15 de maio de 1891, é que a Igreja Católica insere-se nos tempos modernos, ou melhor dizendo, viu-se cercada por mudanças substanciais no mundo ocidental, como as reformas sociais e políticas que as revoluções burguesas trouxeram, e também pelos novos ventos dos movimentos socialistas e comunistas e foi então, repensando seu papel.¹

             A Encíclica Rerum Novarum, trata principalmente da “questão  operária” e teve grande ressonância para o debate sobre a ação social da igreja. Seu efeito foi comparado com o que foi o “Manifesto Comunista” e o “Capital” de Karl Marx para a ação socialista, esta encíclica foi para a ação social cristã. ²

               Pouco a pouco, a igreja foi vendo que a sua encíclica fora aclamada e posta em prática pelos católicos  do campo social, pois havia muita sede de mudanças neste campo. Com ela, a igreja Católica dá um salto qualitativo entre o liberalismo e o socialismo, propondo uma via própria guiada nos princípios cristãos. Durante todo o século XX a caminhada foi sendo duramente trilhada e construída. Tomou mais fôlego, depois do Concílio Vaticano IIspan style="mso-spacerun: yes">  que ajudou a impulsionar esta grande mudança.

               Neste ponto, coloca-se a questão fundamental de como anunciar o evangelho, de modo que ele seja compreendido e livremente acolhido.³  Acolhido por todas as classes sociais, pois somos irmãos em cristo.

¹.TOSI, Giuseppe, História e atualidade  dos direitos do homem. texto, p.08,Ed. UFPB.

². LEÂO XIII, Rerum Novarum. p.05, São Paulo,.Paulinas, 12ª ed. 2000.

³. SORGE, Bartolomeo.Por uma civilização de amor. São Paulo, Paulinas 1998.

          No caso da América Latina, não devemos esquecer que a igreja católica entrou de companheira da Europa, no processo de colonização, sendo conivente inclusive, com a escravidão. Mas, se olharmos com mais atenção para este mesmo continente, veremos que foi na América latina o nascedouro da Teologia da Libertação, surgida através das quatro Conferências Gerais realizadas pelo Episcopado da América Latina:

1955 – Rio de Janeiro

1968 – Medellín

1979 – Puebla

1992 – Santo Domingos

. Elas constituem marcos profundos da vida eclesial do continente latino-americano e grande dignificado pela dimensão histórica, teológica e renovadora. Ao longo de mais de cinqüenta anos, estas quatro Conferências transformaram-se em fonte de reflexão teológica e de fomento que impulsiona processos de renovação, modificando visões de mundo, pois, uma coisa é ver a história e a teologia pela ótica dos pobres e oprimidos, e outra, é ver pela ótica dos poderosos como antes. 

               Passou também, a ser um marco referencial para outros grupos que se consideram oprimidos: os cristãos pobres da África e da Ásia, as minorias discriminadas nos Estados Unidos (negros e hispanos) e os diversos movimentos feministas.

               A temática da libertação aflorou no Brasil, nos primeiros anos da década de 60, no contexto da análise do fenômeno do subdesenvolvimento. Ensinava-se que o subdesenvolvimento, era um problema de atraso técnico, pois éramos “países em desenvolvimento” e que mais tarde , se resolveria com a modernização tecnológica, causando assim, uma interdependência entre os países ricos de tecnologia avançada, e os países pobres que dependiam de sua tecnologia para desenvolveren-se e, gerou-se também a crença de que era necessário ter um país rico, para dar esses suportes. Gerou-se assim, o centrismo norte-americano, nos aspectos técnicos, financeiro-econômicos e até culturais. Nesse centrismo, seria estreitadas as relações com os países ricos e desenvolvidos, para que fosse gestado um  desenvolvimento mais homogêneo, sem mudar o sistema. 4

4.BOFF, Leonardo. O caminhas da igreja com os oprimidos, 2.ed.Rio de Janeiro, Codecri,1991.        

                 um sistema global de inegável desenvolvimento mas profundamente desigual, gerando um centro rico e uma periferia pobre, gerando um relacionamento de dependência e opressão. Não vamos esperar que os oprimidos gostem disso. Isso gera revolta e a conseqüente DENÚNCIA !

               O povo oprimido, juntamente com os movimentos populares ligados aos interesses da libertação, começaram a reunir-se e formar cristãos comprometidos e sobretudo organizados em grupos, pastorais e comunidades eclesiais de base.

               Eis aí, a Teologia da Libertação funcionando em toda sua organicidade! 

               Surgiram então:

Movimento de Educação de Base – M.E.B

Ação Popular – AP

Ambos no Brasil e utilizando o Método Paulo Freire, como método pedagógico de prática totalmente libertadora.

               Nos movimentos populares ligados aos interesses de libertação social, surgiram:

Ação Católica Operária - ACO

.Juventude Universitária – JUC

Juventude Estudantil Católica – JEC

Comissões de Justiça e Paz – CJP

Em seus círculos, introduzira-se pela primeira vez as reflexões de fé no marco teórico sobre Dependência versus Libertação.

               O mais importante na mente dos Teólogos da Libertação, não é a teologia,  e sim a Libertação concreta dos oprimidos. Sempre que isso acontece, é sinal de que o Reino de Deus já se aproximou!!!  (4)

 

Maise de Carvalho Gomes Monte

Centro de Direitos Humenos e Memória Popular

Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Natal  

(4). BOFF, Leonardo, O Caminhar da igreja com os oprimidos: do vale das lágrimas à terra   prometida. 2ª ed.. Rio de Janeiro, Codecri. 1981.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar