Sociedade Civil
 Midia
 Executivo
 Legislativo
 Judiciário
 Ministério Público
 Educação EDH
 Arte e Cultura
 Memória Histórica
 Central de Denúncias
 Rede Lusófona
 Rede Brasil
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 
Arte e Cultura

Vozes sem eco 

                                                                                              aos excluídos da terra

O meu sofrimento
      é antigo e infinito
E minha morte
      vã e inglória

Carrego o meu corpo comigo
            este corpo esfaimado
            destroçado
            amputado
e bato às portas das cidades
   todas as cidades
Canaãs longínquas e inacessíveis

Venho sozinho
carregando este corpo
            enfraquecido
          e moribundo

Aos milhares
corpos iguais e exauridos
se arrastam às portas das cidades
todas as cidades
longínquas e inacessíveis Canaãs

Ouve-me ó mundo
ó ricos
ó poderosos
ó políticos

oiçam-me ó corruptos
ó ditadores
ó assassinos

Venho sozinho
     carregando este corpo
     de criança sero
            que nasceu de pais mortos

Venho sozinho
            carregando este corpo
            de donzela infectada
            violada por todo os batalhões

Venho sozinho
            carregando este corpo
            de mulher amputada
            pela fúria dos linchadores

sou o preto, o pobre, o mendigo
batendo a todas as portas
de todas as cidades

Ouçam-me ó brancos
ó negros
ó amarelos

Oiçam a voz
            de quem não a tem

Oiçam este silêncio aterrador
que nasce das profundezas
das revoltas silenciadas
do ódio e da morte
da fome e da humilhação

Oiçam-me ó vós
que dominais o mundo

tenho fome
tenho sede
tenho frio
tenho ódio

oiçam a minha voz
oiçam a minha cólera
a minha titanesca revolta
a minha maldição

Mas oiçam também
o imenso abandono
o sofrimento antigo e implacável
o indizível calvário

Que a cada minuto
Século a século
acto a acto
se abateu sobre mim

faminto, exangue
doente
dilacerado
eu grito

mas a voz não sai
o grito não soa
porque
a minha voz não tem eco
e para mim não há
    -nunca houve-
nem liberdade
nem terra prometida   

Vera Duarte
Setembro 2003


Voltar - Página Inicial - Direitos Humanos para todos os Caboverdeanos - Contato
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype:direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Linha do Tempo
MNDH
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
Curso de Agentes da Cidadania Direitos Humanos
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Rede Brasil de Direitos Humanos
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Rede Lusófona de Direitos Humanos