Apresentação
 Trajetória de Vida
 Escritos & Reflexões
 Atuação Jurídica
 ABC Vítimas da Ditadura
 Matérias na Mídia
 Correspondências
 Processos
 Arquivos Multimedia
 Galeria Virtual
 Acervo Mércia
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Lusófona
 Rede Mercosul

 

Exmº Sr. Dr. Otávio Lobo

D. D. Presidente da OAB, Secção de Pernambuco

 

Mércia de Albuquerque Ferreira, brasileira, casada, advogada inscrita nesta seccional da OAB, havendo tomado ciência do ofício n.º 044-CJ 177 do Ilmº Sr. Comandante da Polícia Militar de Pernambuco, vem expor e requerer o seguinte:

A peticionária repele a afirmativa aleivosa, contida no ofício supra, de que seria “apática e desatenta na defesa dos interesses do seu constituinte”. Invoco o testemunho de V.Exa., bem como do Exmº Sr. Dr. Juiz Auditor da 7ª Circunscrição Judiciária Militar, para não citar aqui centenas de pessoas ilustres que conhecem de perto a atenção profissional da signatária desta.

Aliás, não é enfadonho proclamar que todo esse “affaire” decorre exatamente do empenho da peticionária no sentido de obter uma certidão do tempo de prisão e da conduta carcerária do seu cliente, Manoel Dias da Fonseca Neto.

Na petição anteriormente dirigida a V.Exa. foi anexado cópia do requerimento endereçado ao Sr. Comandante da Polícia Militar de Pernambuco, acompanhado de instrumento de mandato.

Está, por conseguinte, o Sr. Comandante da PM-PE mal informado pelos seus assessores, quando diz também que a peticionária ter-se-ia limitado a contatos telefônicos.

Sendo V.Exa. afeito às lidis forenses, de logo pode perceber a insegurança do argumento, manifestamente pueril, aludindo a um possível descaso da peticionária, mas reconhecendo a existência do requerimento não atendido até o presente.

Inusitado e extemporâneo é que o Sr. Comandante da PM-PE queira inverter o sentido claro dos fatos, e tenha o desplante de sugerir a “punição disciplinar” da peticionária. O Comandante da briosa Polícia Militar de Pernambuco é quem injuria a peticionária.

Isto posto considerando definitivamente esclarecido o assunto, requer-se a V.Exa. se digne de designar um advogado a fim de acompanhar a peticionária à sede do Comando Geral da PM-PE, resguardando o direito de exercício da advogada.

 

p. deferimento,

 

Mércia de Albuquerque Ferreira.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
MNDH
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Rede Brasil de Direitos Humanos
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Rede Lusófona de Direitos Humanos