Apresentação
 Trajetória de Vida
 Escritos & Reflexões
 Atuação Jurídica
 ABC Vítimas da Ditadura
 Matérias na Mídia
 Correspondências
 Processos
 Arquivos Multimedia
 Galeria Virtual
 Acervo Mércia
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Lusófona
 Rede Mercosul


DECLARAÇÃO

Eu, Maria do Carmo Moreira Serra Azul, brasileira, solteira, Registro Geral: 455.254 – SSP/CE , CPF: 162510593-20, residente e domiciliada à Rua João Cordeiro 1095, Aldeota, Fortaleza/Ce, CEP 60 110-300 venho declarar o que se segue:

Em meados de maio de 1974, minha irmã Iracema Serra Azul da Fonsêca e meu cunhado Manoel Dias da Fonsêca Neto, juntamente com meus sobrinhos Luís Ernesto Serra Azul da Fonsêca (3 anos) e Andréia Serra Azul da Fonsêca (2 anos), fugindo de perseguições políticas no Estado do Ceará, encontravam-se em Abreu e Lima, na região metropolitana de Recife-Pernambuco, quando foram presos.

Durante cerca de 40 dias que permaneceram encarcerados, meus sobrinhos ficaram em poder dos órgãos repressivos em local incerto e não sabido por seus familiares. É importante frisar que não existiam parentes residindo naquele Estado, porém eram conhecidos seus endereços no Ceará. Ocorre que não avisaram da prisão de seus pais e nós familiares só soubemos do ocorrido quando Iracema foi liberada e comunicou o fato.

Quando a família tomou conhecimento viajou para Pernambuco já em julho de 1974 e trouxe as crianças, totalmente traumatizadas, para o Ceará. Quando aqui chegaram fui ao encontro dos meus sobrinhos e me revoltei com o estado em que as encontrei, principalmente o Luís Ernesto, que devido ser um ano mais velho que Andréia, estava totalmente confuso e revoltado. Até hoje não encontro desculpas para o que fizeram, as crianças não tiveram o direito de escolha, foram sequestradas, separadas dos pais e separadas entre si, sendo inocentes, pois nem tinham idade para fazerem oposição ao regime de exceção e, no entanto, tiveram o mesmo tratamento dos adultos, quando poderiam ter ficado com seus avós paternos ou maternos no Ceará.

Luís Ernesto, de 3 anos, que estava com a cabeça raspada e marcas de uma possível internação hospitalar, encontrava-­se com sérios problemas respiratórios (antes era uma criança saudável), falou que “uns homens” disseram que seu pai havia matado sua mãe, repetia que ninguém gostava dele e que ele não gostava de ninguém. Chorava constantemente, tinha pavor a carros porque dizia que tinham levado sua mãe em um deles, só aceitava viajar de ônibus, tinha crises nervosas quando entrava em hospital, falava em uma “Tia Zeza” e que lá onde tinha estado havia uma” Tia Cacau” ruim, Cacau é meu apelido familiar, constatei que tentaram confundi-lo. Dizia, também, que o tinham separado de sua irmã e de seus pais.

Andréia de 2 anos, muito nova, não tinha consciência do que lhe havia acontecido, estava completamente carente e insegura, chorava com facilidade, tinha um apego exagerado com o irmão, como se tivesse medo de perdê-lo novamente, queria ficar constantemente no colo.

Até hoje os dois carregam marcas dos traumas sofridos.

É oportuno salientar que nessa época Fonsêca continuava preso em Pernambuco e Iracema ficava dividida entre cuidar dos filhos e visitar o esposo.

Hoje, quando se lê o Estatuto da Criança e do Adolescente e a proteção jurídica à criança brasileira, é que se pode medir a barbaridade cometida contra duas crianças indefesas e sem culpa, vitimas das atrocidades da Ditadura e que carregarão por toda a vida as marcas deixadas em suas pequenas vidas.

Fortaleza, 23/07/2001

Maria do Carmo Moreira Serra Azul

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
MNDH
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Rede Brasil de Direitos Humanos
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Rede Lusófona de Direitos Humanos