Apresentação
 Trajetória de Vida
 Escritos & Reflexões
 Atuação Jurídica
 ABC Vítimas da Ditadura
 Matérias na Mídia
 Correspondências
 Processos
 Arquivos Multimedia
 Galeria Virtual
 Acervo Mércia
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Lusófona
 Rede Mercosul

Dez anos sem Mércia Albuquerque
Advogada de presos políticos de Pernambuco e do Nordeste

"Tudo que fiz, foi em nome da liberdade"

Homenagem de militantes dos Direitos Humanos a grande advogada pernambucana Mércia Albuquerque Ferreira que em 29.01.2013 acontece os 10 anos de seus falecimento.

 

Para uma arqueologia da dor e da coragem

Prof. Ms. Flávio José de Oliveira Silva*

Conheci o acervo de MÉRCIA ALBUQUERQUE FERREIRA advogada de presos e torturados políticos da 7ª região militar, localizado em Recife, por intermédio do amigo Roberto Monte e sua esposa Maise, quando fui convidado pelo casal para fazer uma leitura de alguns arquivos da ditadura militar, assim que se iniciou o processo de organização do Comitê Estadual de Educação para os Direitos Humanos e do Comitê pela Verdade, Memória e Justiça RN. Foi um momento ímpar na minha vida de militante e pesquisador, pois tive acesso a um acervo inigualável e de extrema importância para a reconstrução de um capítulo da história recente do nosso país.

O Acervo de Dra. Mércia é um relicário de fontes escritas e contém 638 correspondências entre cartas, cartões, bilhetes e telegramas, enviados por presos políticos, clientes, familiares e amigos, de diversas regiões do Brasil e do mundo. Expressa em sua totalidade, um conjunto epistolar de grande relevância, pois são correspondências guardadas com o apreço de quem por muito tempo, conheceu e acompanhou as agruras de pessoas que dedicaram suas vidas a uma utopia de liberdade e ao sonho de uma sociedade possível. As correspondências foram colecionadas, acondicionadas e guardadas em um cuidadoso arquivo com encadernações e anotações devidamente enumeradas e catalogadas por Dra. Mércia. São em sua maioria súplicas, notícias de presos, agradecimentos, pedidos de acompanhamento de processos penais, alguns escritos de dentro dos presídios e outras traçadas no seio das famílias que buscavam em seu trabalho, apoio para a liberdade.

Recheadas de sentimentos de temor, de esperanças e até mesmo de sonhos, as correspondências expiram metáforas e aforismos, denotam caminhadas intimistas por um mundo desconhecido por alguns e descobertos por outros. Ricas em informações e subjetividades, as correspondências descortinam um cotidiano dos presos e das famílias que sofreram por anos a fio, na espera de uma liberdade almejada e pelo fim de uma época de dor e de perseguição. Por dias, debruçado sobre estas cartas, fiquei indignado, admirado, sensibilizado e inspirado, descobrindo e entrecruzando fatos e pessoas, configurando cenas e as projetando em diversas possibilidades, me espelhado sempre no trabalho de Ginzburg, quando em seu livro “O queijo e os vermes” descortinou a vida cotidiana do moleiro friulano Menocchio. Daí, percebi a importância de Dra. Mercia Albuquerque para a humanidade reprimida naquele micro espaço de relações sociais em plena ditadura militar. Não busquei entender o gênero textual das cartas, porém, o encontro com o arquivo, a manipulação do material, produziu no meu universo mental, a materialidade de sentimentos expostos, o encontro com saberes construídos nas relações travadas no cotidiano do sofrimento instaurado por um Estado totalitário e impiedoso.

Pensei daí, a propor uma adjetivação para o fato que me cercava e acabei por concluir que estava frente a frente com uma espécie de Arqueologia da dor e da coragem. Percebi-me num campo intocado de pegadas, rastros e gestas de pessoas comuns, que ambientadas num mesmo contexto sócio-histórico cultural e mediados pela coragem de quem enfrenta um monstro secular, num determinado tempo, pessoas diversas escreveram sua própria relação com a vida e com a utopia de um momento presente.

Nas minhas inquietações investigativas me questiono sempre: Como Dra Mercia conseguiu guardar por tanto tempo, sob tantos cuidados, gritos de sofrimento, lágrimas de torturas e clamores por justiça? Somente uma coragem épica e um extremado comprometimento com a causa dos perseguidos justifica atitudes reveladas nos escritos de seu arquivo.

Essa história começa a ser contada agora, com a devida reparação do tempo e pela luta de quem não conseguiu sepultar os seus nem calar a memória da dor. Foram os FONSECA NETO, ALBUQUERQUE, GUEDES, CAVALCANTI BARROS, DOMINGOS SOBRINHO, FERNANDES, LOPES DE LIMA, MEDEIROS, SILVA, SANTA CRUZ, e tantos outros, os atores desse capítulo que ganha cenários e começa se descortinar. E como dizia o notório Walter Benjamin “nada do que aconteceu deve se dar como perdido para a história” e nesse sentido, Dra. Mercia Albuquerque deu sua grande contribuição ao mundo.

*Professor, pesquisador, membro do Comitê de Educação em Direitos Humanos.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
MNDH
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Rede Brasil de Direitos Humanos
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Rede Lusófona de Direitos Humanos