Apresentação
 Trajetória de Vida
 Escritos & Reflexões
 Atuação Jurídica
 ABC Vítimas da Ditadura
 Matérias na Mídia
 Correspondências
 Processos
 Arquivos Multimedia
 Galeria Virtual
 Acervo Mércia
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Lusófona
 Rede Mercosul
Livro Inédito de Mércia



Texto 3


El Pueblo Unido
Inti Illimani

Era noite, muito tarde, nascia a madrugada. Ouvi um barulho intenso no corredor, próximo à porta do meu apartamento; abri-a e deparei-me com o vigia do prédio acompanhando o meu querido colega Rivadávia Braz de Oliveira, Técnico em Desenvolvimento Econômico (TDE), no Departamento de Industrialização da SUDENE, admitido por concurso público; um advogado brilhante; um superdotado.

Martirizado, pálido, esquálido, uma débil sombra, ao ver-me abraçou-me; dispensei o vigia. Rivadávia, de calção, envolvido em um lençol, queria esconder-se em baixo dos móveis. Afirmava que a polícia e agent?es do Exército estariam escalando as paredes do edifício para matá-lo. Os fantasmas de sua atordoada mente eram seus algozes, em um complexo sistema delirante-alucinatório.

Afaguei-lhe a cabeça; tombou e, ajoelhado, gritava: – “Mamãe, jogue-me no Rio Parnaíba!”; “eu quero ir para as matas, eu quero ficar com os animais”.

Eu, com os olhos molhados diante daquela tragédia, ocultava no meu interior soluços amargos. Queria libertá-lo daquele desespero. Eu meus braços, já não estava um SER, e sim os escombros de um homem. Como é doloroso ver um corpo vítima da violência, cortado, queimado, violado, vilipendiado, em toda sua integridade. Rivadávia estava morto, a alma em agonia. Não havia a unidade de um homem. O golpe militar de 1964 – através de seus algozes – o desintegrara.

A repressão tinha reduzido Rivadávia em mil pedaços. Sua estrutura de personalidade tinha sucumbido às torturas, e o que flui de toda a unidade. Ainda respirava, seus sinais vitais estavam preservados, mas agora só existia um físico que ocupava um espaço envolto no tempo, em um tempo que decretava a morte da alma, em uma eterna agonia.

Não havia um homem politicamente – ideologicamente ativo. Em meu ?regaço existiam partículas desconexas. O Golpe de 1964 – através de seus executores – o fulminou.

Meu marido estava viajando. Francisca Leocádio – mãe de Júlio Leocádio – e Maria Batista de Menezes, um anjo em minha vida, me faziam companhia; providenciaram leite e tranquilizantes, que docemente o meu querido visitante aceitou, com gemidos abafados.

Eu o havia visitado várias vezes no Hospital Geral do Exército e, posteriormente, no manicômio, hoje Hospital Ulisses Pernambucano, onde o encontrava deprimido, em pânico, sempre em posição fetal.

Aparece na sala Aradin, meu filho, com menos de dois anos de idade, muito assustado. Presenciara toda a cena; coloquei-o no colo; então, Rivadávia disse: – “Eles estão chegando”; adormeceu.

Meu conflito naquele momento era de preservar o bem-estar do meu único filho, ou lutar contra os abutres do poder, que costumam enfestar a cena do social, seja na forma do chefe maior da nação, sejam nos vermes que torturam os filhos de tantas mães e pais anônimos no processo histórico. Cicatrizes, marcas e traumas ficaram em Aradin, porém todos aprendem a viver com suas dores; eu tinha que continuar apenas a cumprir a minha participação no te?mpo e espaço que é o oferecido a todo gênero humano.

Rivadávia – piauiense como o poeta Da Costa e Silva – Rivadávia também amava o Piauí, chegando a se confundir com o Rio Parnaíba.

Lembrei-me de retalhos de um soneto de Da Costa e Silva, “Saudade”:

“Saudade! Olhar de minha mãe rezando,

O pranto lento deslizando em fio...

Saudade! Amor de minha terra... O rio

Cantigas de águas claras soluçando...

Saudade! Asa de dor do Pensamento!

Saudade! O Parnaíba – velho monge

As barbas brancas alongadas ao longe,

O mugido dos bois da minha terra...”

Parei. Já não lembrava todo soneto.

O meu rosto tingido de ansiedade retratava as minhas angústias pelo amigo “triturado” e pelo filho que naturalmente absorvia e se traumatizava com repetidas cenas de dor.

Mais uma vez lembrei-me do poeta Da Costa e Silva: 

“Vida cruel – Hacédama de Abrolhus
Onde pleno com os olhos rasos d’água
Tendo a dor a boiar dentro dos olhos”.

Quando o dia amanheceu, chegaram dois amigos de Rivadávia, com roupas para ele, e, depois de conversarem muito, o levaram; abracei-o com a certeza de que meu colega jamais resgataria a sua identidade.

Tomei conhecimento de que um irmão daquela vítima da crueldade do Golpe de 1964 – Tonico (Antônio de Oliveira Lopes) – veio apanhá-lo e levou-o para residência de seus pais, em Teresina.

No Piauí, perambulava pelas ruas, corria pelas estradas, como um pássaro que lhe cortaram as asas, e buscava a liberdade, o grande vôo para o infinito.

Tentou suicídio várias vezes, inclusive mergulhando no Rio Parnaíba.

Finalmente a paz, em 11.06.1996. Rivadávia falecia.

“Feliz a criança que expirou no dia do nascimento!

Mais feliz ainda o que não veio a este mundo...”

(Rubáiyát).

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
MNDH
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Rede Brasil de Direitos Humanos
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Rede Lusófona de Direitos Humanos