Apresentação
 Trajetória de Vida
 Escritos & Reflexões
 Atuação Jurídica
 ABC Vítimas da Ditadura
 Matérias na Mídia
 Correspondências
 Processos
 Arquivos Multimedia
 Galeria Virtual
 Acervo Mércia
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Lusófona
 Rede Mercosul
Livro Inédito de Mércia



“O Milagre dos Pães”


Apesar de Você
Chico Buarque de Holanda

Adentro os corredores da história, regressando à ditadura militar instaurada em 1964; paro em 1968 (não me recordo o mês). Lembro-me apenas que João Olímpio acabara de ser eleito Presidente do Diretório Acadêmico do curso clássico do Ginásio Pernambucano. A cidade do Recife estava fedendo a medo. Medo da violência dos golpistas, medo da morte, medo político. Naquele dia a sanha dos policiais tinha um alvo: os alunos de esquerda do Ginásio Pernambucano, grande risco corria o estudante Paulo Pontes da Silva.

Um telefone anônimo avisara-me de que a policia civil iria prendê-lo. Tratava-se de um líder estudantil, valente e sobretudo consciente do papel que a história lhe reservara.

Eu sabia que Paulo Pontes estava no Ginásio Pernambucano; não me era possível ir avisá-lo. Recorri a um amigo, famoso professor de português, que se comprometeu a ir ao Ginásio avisar o que aguardava o jovem idealista. Prometi ao querido mensageiro jamais revelar o seu nome; direi apenas um dos maiores professores de português do Recife.

Ao chegar ao Ginásio, o velho mestre percebeu que os estudantes já estavam cientes das intenções dos agentes do DOPS, alertando-os de que tivessem prudência e de que o Ginásio já estava cercado pela policia; e retirou-se.

João Olímpio, que acabara de assumir o Diretório, não fechava com as esquerdas sem a opressão do medo, convenceu o pai – o então Deputado Estadual João Olímpio – a retirar o colega – seu opositor – da enrascada. Paulo deitou-se no piso da parte traseira do automóvel do Deputado, e tanto o acento do carro quanto Paulo foram cobertos de pães. O Deputado dirigiu o veiculo com tranquilidade; Paulo escapou com segurança, para continuar perseguindo o ideal em que acreditava.

0 pão repetia o milagre bíblico: ontem, multiplicou-se para mitigar a fome dos seguidores de Cristo – “Eu sou o pão da vida” (Jesus; São João – cap. 6, v. 35).

“Jesus tomou o pão na última ceia, abençoando-o o partiu e deu aos discípulos:

“Tomai e comei; isto é o meu corpo” (Mateus, cap. 26-26).

E em 1968, naquele momento histórico, incorporou-se ao jovem arauto da liberdade para conservar-lhe a vida.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
MNDH
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Rede Brasil de Direitos Humanos
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Rede Lusófona de Direitos Humanos