Apresentação
 Trajetória de Vida
 Escritos & Reflexões
 Atuação Jurídica
 ABC Vítimas da Ditadura
 Matérias na Mídia
 Correspondências
 Processos
 Arquivos Multimedia
 Galeria Virtual
 Acervo Mércia
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Lusófona
 Rede Mercosul



DEZEMBRO DE 1973
Anotações Inéditas de Mércia Albuquerque

Hoje foi julgada a apelação de José Moura e Fonte, a pena foi diminuída para um ano. Não fiquei satisfeita porque caiu? um ano apenas. Embargarei. Amanhã telefonarei para o Auditor, dando a boa nova.
O meu marido é um companheiro, companheiro, eu se outra vida tivesse casaria com Octavio. Eu o amo intensamente e não seria Mércia se ele não fosse o meu marido. Se Octavio vier a morrer antes de mim, deixarei a vida imediatamente. É o meu oásis, da aridez afetiva dos que tenho ajudado. O deserto que tenho palmilhado estraçalhou-me a alma, e apagou-se a fé nos homens.

Fui informada que há quatro meses os presos políticos não comem carne, o feijão é podre, e falta o pão pela manhã.
O Ednaldo informa que o problema é do governo.
A realidade é que o pessoal se encontra subnutrido e o detento Julio Santana, gravemente enfermo, os médicos e diretores da Penitenciária sabem, mas deixam que passe o tempo sem providências, vai morrer o velho camponês. Paraplégico, subutrido, nervoso e com deficiência cardíaca. O Dr. Ednaldo disse que Julio deve "se lascar, porque será um de menos para comer". Filho de sete putas, sem nenhum sentido do outro. Anarquiza o atual governador porque não pode roubar MAIS.

Hoje casa Iza, ou melhor, casou Iza, através de procuração representei Calistrato.
Iza é uma excelente moça, não entende de política, mas é de uma dignidade que muita gente boa não tem.
Esteve comigo a mãe de José Costa, engenheiro preso em Maceió.
Consegui uma audiência para ela com Major Heber para amanhã.
O pai de Ramires se encontra angustiado; o drama da família Vale Maranhão me comove, o velho esta se arrasando.
Aradin, em sua ingenuidade, me falou: "Porque você não diz que é boato para seu Vale, ele vai esperar e nunca vai descobrir e não chora.

Os canaviais em diferentes áreas do estado estão sendo incendiados. A safra de cana este ano supera as expectativas, ultrapassa as quotas das usinas, logo os fornecedores de cana têm interesse que haja incêndio, tem prioridade para moer as canas, não pagam 13° mês, e ainda se furtam a compromissos bancários.
Lamentavelmente, camponeses vão à cadeia, para pagarem crimes que não cometeram. Além de serem roubados pelos latifundiários, são arrastados ao cárcere pelos crimes que deveriam ter cometido.
Em que mudaram os homens? As feras continuam as mesmas, devoram o próximo por uma migalha.
Os ventanias serão sempre sacrificados em prol dos potentados, isto ocorreu ontem, hoje e continuará ocorrendo na amanhã. Ocorre aqui, na Europa, Ásia, enfim, onde houver homens haverá misérias.

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
MNDH
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Rede Brasil de Direitos Humanos
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Rede Lusófona de Direitos Humanos