Apresentação
 Trajetória de Vida
 Escritos & Reflexões
 Atuação Jurídica
 ABC Vítimas da Ditadura
 Matérias na Mídia
 Correspondências
 Processos
 Arquivos Multimedia
 Galeria Virtual
 Acervo Mércia
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Lusófona
 Rede Mercosul




Roteiro de uma Morte Anunciada

O assassinato do estudante José Carlos Novaes da Mata Machado
No DOI/CODI do Recife, em 28/10/1973

EX-COLABORADOR DO EXÉRCITO ABRE O JOGO

 

No dia 17 de dezembro de 1992, o ex-militante da Ação Popular, Gilberto Prata Soares, deu um depoimento de 2h30 a comissão externa dos desaparecidos políticos da Câmara dos Deputados, em Brasília. Entre esquecimentos e recordações, algumas trocas de datas e lugares. Gilberto relatou publicamente sua atividade como colaborador do Exército. entre 1973 e 1982.

Uma das pessoas mais aliviadas com o depoimento de Gilberto foi sua irmã, Maria Madalena Prata Soares. Renegada por vários companheiros de luta, sobre ela cala o peso de ter entregue o próprio marido, José Carlos Novaes da Mata Machado, com quem havia casado, em 1970. Mata Machado era um dos lideres da Ação Popular, e foi preso em 19 de outubro de 1973. Oito dias depois, era morto sob torturas no DOI/CODI do Recife.

Rapidamente o depoimento de Gilberto Prata se espalhou entre familiares de desaparecidos, ex-presos políticos e vítimas da repressão militar que se instalou no Brasil após o Golpe de 1964. “Mais um cachorro abriu o jogo’. comentam entre si essas pessoas - uma gente que procura fragmentos para reconstituir a memória dos parentes, amigos, entender seus próprios passos.

Roteiro da Morte – O último dia em que esteve com o marido, Madalena Prata recorda bem - 8 de outubro de 1973. Estavam em Salvador. Mata Machado iria para o Rio de Janeiro, e os dois se encontrariam alguns dias depois, numa pequena fazenda, perto de Belo Horizonte Entre os planos, esperar algum tempo, depois fugir temporariamente do Pais.

Tudo poderia dar certo 0 pai de Mata Machado, Edgar de Godói da Mata Machado, deputado federal cassado em 1968. tinha providenciado a estrutura necessária. “O Mata Machado era uma espécie de embaixador da AP. Tinha uma facilidade muito grande de sair do Brasil, já tinha feito várias viagens para o Exterior”, lembra Madalena.

Mas nada deu certo. Desde março de 1973, Gilberto Prata estava colaborando com o Centro de Informações do Exército (CIEX) Os passos de Mata Machado eram acompanhados. Os dias estavam contados. No dia 19 de outubro, na rodovia São Paulo/Belo Horizonte. acompanhado por dois advogados e dois cunhados, o militante da AP foi preso.

Como haviam acertado, Madalena Prata foi para a fazenda. No dia 23, ela e presa e levada para Belo Horizonte. Em 1 de novembro de 1973, quando vários jornais do País divulgavam a morte de José Carlos da  Mata Machado num tiroteio ocorrido na avenida Caxangá, ela era transferida para São Paulo. “Durante 15 dias, me interrogavam para saber onde estava meu marido. Fiquei aliviada, pois achei que ele tinha fugido”, conta Madalena. O filho do casal, Dorival Soares da Mata Machado, que estava com um ano e oito meses, fica sob a guarda dos avós.

Irmão delator - O depoimento de Gilberto Prata deixou Madalena chocada. “Ele tinha me gravado uma fita. em 1983. contando a colaboração com o Exército, mas explicava que tinha sido por causa das torturas. Na verdade, ele nunca foi torturado. Era um dos irmãos que eu mais gostava, mas foi capaz de conversar confidências comigo usando um microfone escondido”, diz Madalena.

Ela nunca poderia imaginar que o irmão havia passado para o lado da repressão. Gilberto Prata sempre havia tido ligações com as pessoas de esquerda. Após o Golpe de 1964, o pai, irmão e alguns tios haviam sido presos. Em 1969, alcançou a pequena glória dos políticos iniciantes - foi eleito presidente do DCE da Universidade Federal de Goiás. No ano seguinte, ele casa e vai morar em São Paulo, mas não se adapta e volta para Goiânia. E na casa de Gilberto, em São Paulo, que Madalena e José Carlos da Mata Machado se casaram, em 1970.

“De 1971 até 1973, eu estava praticamente afastado da participação política. Trabalhava na Eternit e acompanhava as coisas, mas não me envolvia diretamente”, relata Gilberto. Em fevereiro de 1973, quando voltava de férias, ele foi preso Depois de 45 dias sendo interrogado, sem qualquer tipo de tortura física, é levado para Brasília. Lá, um oficial, identificado como “Dr. César”, faz a proposta.

“Queremos sua irmã e o José Carlos da Mata Machado. Isso é o que interessa. Você é o chamado ‘Bunda de Pinguim’, porque se afastou e deixou o rabo de fora, mas nós queremos isso aí”. A resposta de Gilberto Prata foi a sentença de morte para Mata Machado. Ele concordou.

A Caçada - Para localizar a cunhado, Gilberto procurou Edgar da Mata Machado, em Belo Horizonte. ‘Eu disse que era irmão da Madalena, queria referência, precisava encontrá-la”. Com a ajuda de Edgar, Gilberto localiza Madalena. Os dois se encontram em São Paulo, em abril de 1973. “Conversamos na ma mesmo. Eu falei. estou voltando, estou querendo me integrar novamente. Era toda uma história montada”, completa Gilberto.

Totalmente harmônico com o CIEX, Gilberto espera o contato de José Carlos. Com as despesas pagas, fica hospedado na rua Independência, 54, em Salvador. Entre o final de junho e o início de julho daquele ano. Madalena vai ao seu encontro, acompanhada do marido.

A missão poderia ter sido encerrada ali, mas o CIEX preferiu seguir os passos de Mata Machado – integrante da direção nacional da AP – e, num “efeito-dominó”, sair prendendo outros militantes. Gilberto, a irmã e o cunhado saíram algumas vezes, em Salvador. “Ele me explicou como a situação no Recife estava difícil”, recorda Gilberto. Depois de alguns dias, o casal parte, marcando um encontro para agosto, na capital pernambucana.

Conforme o combinado, Gilberto vai ao Recife Reencontra Mata Machado, com quem troca idéias. “Como a barra estava pesando, ele disse que tinha que se mandar Passei a acompanhar minha irmã, mas a essa altura. já estava caindo tudo”, relata Prata.

Último encontro – Mata Machado vai para Salvador Gilberto e sua irmã fazem o mesmo, entre o final de setembro e o inicio de outubro. A caminhada de Mata Machado vai chegando ao fim. Dia 8 de outubro, se despede de Madalena e do filho Dorival Soares da Mata Machado, que tinha um ano e oito meses.

Sempre com as despesas pagas pelo CIEX, Gilberto vai para o Rio de Janeiro, onde encontra Mata Machado pela última vez. “Foi no escritório do advogado Joaquim Martins. Ele estava indo embora. Trocamos de blusa, porque ele sabia que estava sendo seguido”. Poucos dias depois, a missão estava cumprida. Mata Machado estava nas garras da repressão.

Madalena Prata conheceu José Carlos da Mata Machado em 1969 Em julho daquele ano, ela teve o primeiro filho, Eduardo Soares da Silva, e estava de resguardo. quando Mata Machado chega ao hospital. Ambos já militavam na Ação Popular. “Ele foi sozinho, conversamos. Pouco tempo depois, começamos a namorar. Casamos em 1970, na casa do Gilberto”, diz Madalena, que utilizava os nomes Maria Auxiliadora, Maria Elizabete Paiva, Joana, Mara e Maíra, todos falsos.

Em tempos de repressão, os dois se casaram sem saber detalhes da vida um do outro. “Ele não sabia meu nome, só o de militante. Suas viagens para o exterior, também, só vim saber muito tempo depois”, conta Madalena Em 19 de fevereiro de 1972, ela estava em Goiânia, num sítio que pertencia ao Gilberto Prata, quando nasceu Dorival Soares da Mata Machado, filho da nova união de Madalena.

Quando foi presa, em Minas Gerais, Madalena estava com 26 anos, e grávida do segundo filho de Mata Machado Em depoimento realizado em 1974, Madalena denunciou que havia abortado na OBAN, mas não recordava o dia. Na prisão, ela chegou a receber 40 ml de tranquilizantes por dia, para dormir. Os dois filhos foram criados pelos pais de Mata Machado. Eduardo Soares mora em Campinas, e estuda Filosofia. Dorival e estudante de Economia e mora em Belo Horizonte.

O que teria levado Gilberto Prata a aceitar uma colaboração tão forte com a repressão militar? Afinal, sua família tinha urna tradição política de lutas, a irmã estava na clandestinidade e o próprio Gilberto havia sido presidente de um DCE. No seu depoimento à comissão parlamentar dos mortos e desaparecidos, Prata admite duas possibilidades – medo ou covardia.

“Colocaria aqui a questão em cima de medo, e, se quiserem, de covardia, esta tudo bem”, afirmou Gilberto, em 17 de dezembro de 1992. As duas coisas se entrelaçam. Desde o inicio da operação para localizar o Mata Machado, Prata sabia que o cunhado seria morto. “Uma época minha irmã chegou a levantar suspeitas quanto a mim. Eu a tranquilizei. Vivia sob medo, não tive coragem para contar tudo”, diz ele.

Hoje. Gilberto Prata faz um balanço. “Tenho 20 anos de arrependimentos diários em que, pelo menos uma vez por dia, vejo o José Carlos da Mata Machado e o Gildo Macedo Lacerda. As vezes, esta imagem aparece três, quatro vezes no mesmo dia”. Consumidor de Diempax para dormir, Gilberto tentou o suicídio em 1988, mas não levou ate o fim.

Logo depois que tudo terminou, eu já sabia que tinha feito uma tremenda besteira. Eu olhava para as pessoas e me perguntava - o que eles vão achar, quando souberem?”. Ao ser perguntado sobre o que sentiu ao saber da morte do cunhado, Gilberto fez um longo silêncio, depois falou: “Seria preferível eu ter morrido. Mas foi o que aconteceu”.

Gilberto Prata Soares deu dois depoimentos públicos Veja os principais trechos de suas confissões:

“Eles queriam o José Carlos. 0 contrato era esse, mas depois se tornou maior”.

“A forma de contato seria procurar o pai do José Carlos, Doutor Edgar, que possivelmente teria informações para nos dar”

‘Colocaria aqui a questão em cima de medo, e, se quiserem, de covardia. Está tudo bem”.

‘Ainda em São Paulo, foi considerado naquela época que tinham conseguido desmantelar a AP. Eles tinham corrido todo o circuito, e segundo o comentário, pegaram as principais cabeças”.

“Saiu nos jornais que o José Carlos e o Gildo Lacerda tinham se matado num tiroteio no Recife, numa cobertura de ponto. Isso destoava completamente do que eu realmente sabia que tinha acontecido”.

“Quando o José Carlos estava saindo para a fuga, estive no escritório e conversei com o pessoal, lá onde ele estava. Sai antes dele. Toda a equipe do Fleury estava esperando”.

“Eu estava num quarto de pensão, quando o Onofre (do Exército) chegou e falou: Olha, teu cunhado já era “.

“Tem muita coisa ainda a ser contada. O que eu sei é muito pouco”.

A Ação Popular surgiu entre maio de junho de 1962, com uma estreita ligação com a Igreja. Grupos da Juventude Operária Católica (JOC), Juventude Agrária (JAC) e Juventude Estudantil (JEC), Juventude Universitária (JUC) e Juventude Independente (JIC) germinaram muitos militantes. “De 1958 a 1962, minha presença na JUC foi marcada por uma ativa participação no movimento estudantil, que tinha uma força relativa na política nacional”, diz o sociólogo Herbert José de Souza, o Betinho, um dos fundadores da AP.

Logo na sua fundação, em meados de 1963, a AP já tinha um canal para chegar ao camponeses - o Movimento de Educação de Base (MEB), que realizava programas radiofônicos de educação de adultos, sob orientação da Igreja. Dois anos depois, a AP já havia se direcionado ao pensamento marxista. A luta armada passa a ser “o caminho necessário para a revolução brasileira”.

Entre 1966 e 1967, 05 dirigentes que haviam viajado a China Popular conquistam a hegemonia na AP – que já assimilou as idéias de Mao-Tsé Tung e se tornou um partido tipicamente maoista. A aproximação com o Partido Comunista do Brasil (PC do B) e gradual, e na Terceira Reunião Ampliada da Direção Nacional (RADN), em 1971, há a fusão. O nome oficial se torna Ação Popular Marxista Leninista do Brasil (APML do B). Em 1973, a organização foi quase inteiramente desestruturada, com a prisão e morte de vários dos seus dirigentes.

 

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
MNDH
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Rede Brasil de Direitos Humanos
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Rede Lusófona de Direitos Humanos