Apresentação
 Trajetória de Vida
 Escritos & Reflexões
 Atuação Jurídica
 ABC Vítimas da Ditadura
 Matérias na Mídia
 Correspondências
 Processos
 Arquivos Multimedia
 Galeria Virtual
 Acervo Mércia
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Lusófona
 Rede Mercosul

Dra. Mércia, 

Recebi seu recado no sentido de comparecer à audiência na Auditoria de Justiça Militar.

Como a senhora sabe, ausentei-me do Recife em virtude de estar sendo constantemente procurado pela Polícia Civil, que inclusive esteve no meu apartamento, invadindo-o sem nenhuma formalidade legal e apreendendo os meus documentos de identidade. Essa diligência, realizada por seis policiais, não tinha o menor sentido, uma vez que eu estava no Recife, comparecendo aos lugares de costume, não sendo do meu intento foragir-me.

Esses policiais disseram aos meus colegas que, o menos que fariam comigo, se me pegassem, seria “meter-me uma bala”.

Nessas condições, e tendo em vista a ocorrência de outros atentados, inclusive o do estudante Cândido Pinto de Melo, resolvi ter mais cuidado com a minha vida, razão por que não poderei comparecer à Justiça Militar, porque considero que mesmo ela não tem condições de garantir-me, nas circunstâncias atuais.

Isso, aliás, me constrange, uma vez que eu teria o maior empenho em defender-me perante a Justiça Militar, provando que o que existe contra mim é produto da luta que sustentei contra os demandos da Universidade Rural e a corrupção de certos professores.

Há duas correntes ou grupos na Escola de Agronomia: uma que apoia o atual reitor e outra que o combate. Quando a polícia quis me prender, na Universidade Rural, quem me deu fuga foi evidentemente o professor Lécio, além disso, me revelou, juntamente com o professor Camerino, todas as graves irregularidades da Escola. Naturalmente que eles procediam assim, não por minha pessoa, mas para fazer onda, como se diz vulgarmente, contra a Reitoria, cujas mazelas realmente existiam.

Nunca usei palavras contra o pavilhão nacional, que, como brasileiro, tenho o dever de honrar. No meu discurso, no dia 1º de novembro do ano passado, condenei, sim, aqueles que maculam a bandeira nacional, servindo-se dela para cobrir interesses subalternos.

Por minha luta para revelar ao público e às autoridades a verdadeira face da Universidade Federal Rural de Pernambuco, onde campeia, entre os seus dirigentes, com raras exceções, a maior corrupção administrativa e moral, é que estou sendo processado na Justiça Militar como subversivo.

Um dia, estou certo, tudo se revelará com a demonstração da verdade. E, então, eu serei tido como um dos estudantes que combateram a verdadeira corrupção.

Agradeço a sua ajuda, como minha advogada, e espero que a senhora mande dizer quanto lhe devo de honorários.

Cordialmente,

José Moura e Fontes
Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
MNDH
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Rede Brasil de Direitos Humanos
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Rede Lusófona de Direitos Humanos