Apresentação
 Trajetória de Vida
 Escritos & Reflexões
 Atuação Jurídica
 ABC Vítimas da Ditadura
 Matérias na Mídia
 Correspondências
 Processos
 Arquivos Multimedia
 Galeria Virtual
 Acervo Mércia
 Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Rede Brasil
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Rede Lusófona
 Rede Mercosul
 

Recife, 30 de abril de 1974

Dr. J. Correia de Carvalho

Vimos a sua presença, solicitar que medidas urgentes sejam tomadas, a fim de que os presos políticos não sejam assassinados, e que sejam tratados com humanidade.

Já é de conhecimento do senhor, e do órgão que preside, as violências que vêm sofrendo os detentos políticos desde que foram transferidos para o Presídio Barreto Campelo em Itamaracá.
O Dr. EDNALDO BORBA, tomando conhecimento das denúncias feitas a esse órgão, e das denúncias feitas pelos advogados e pelo deputado JARBAS VASCONCELOS, resolveu vingar-se dos presos e em sua guarda, e os transferiu para a parte mais inóspita do presídio apenas com as roupas que usavam àquele dia vinte e seis (26). As cinco horas da manhã, são despertados para o refeitório, proibidos de falar, e ameaçados, aviltados pelo sargento e a guarda, que apontam para o grupo fuzis.

O guarda Valdevino, alcunhado de VAMPIRO, há poucos dias apropriou-se de jogos de presos (damas e dominó) e os ameaçou quando protestaram de espancá-los e matá-los. As provocações de Valdevino e dos guardas alcunhados de MOUCO e CARECA, são constantes, pretendem um choque para justificarem uma hecatombe.

Foram também os presos prevenidos, que se desejassem manterem relação sexual, seriam vigiados por um guarda armado de fuzil, o que não aceitaram os reclusos.

Há também os espancamentos dos presos comuns quase que diariamente.
Foi também nomeada uma senhora semi analfabeta, que usando luvas ginecológicas, se propõe a fazer exames nas visitantes.

Desde que os detentos políticos chegaram no presídio Barreto Campelo, que o Diretor Dr. EDNALDO BORBA passou a hostilizá-los, e tratá-los como cães, quando de propriedade de pessoas desestruturadas.

Solicitamos ao nobre advogado, que seja nomeada uma comissão para apurar os fatos, e que o conteúdo desta seja remetido ao governador, que sendo Juiz, poderá tomar também providências.

Aguardamos tranquilas, a decisão do senhor como advogado, pai, e sobretudo cidadão.
Acompanha um documento.

(Assinaturas)

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055-84-3221-5932 / 3211-5428 - Skype: direitoshumanos - dhnet@dhnet.org.br
Google
Notícias de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
MNDH
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Comitês de Educação em Direitos Humanos Estaduais
Rede Brasil de Direitos Humanos
Redes Estaduais de Direitos Humanos
Rede Estadual de Direitos Humanos Rio Grande do Norte
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Rede Lusófona de Direitos Humanos