Direitos Humanos
 Desejos Humanos
 Educação EDH
 Cibercidadania
 Memória Histórica
 Arte e Cultura
 Central de Denúncias
 Banco de Dados
 MNDH Brasil
 ONGs Direitos Humanos
 ABC Militantes DH
 Rede Mercosul
 Rede Brasil DH
 Redes Estaduais
 Rede Estadual RN
 Mundo Comissões
 Brasil Nunca Mais
 Brasil Comissões
 Estados Comissões
 Comitês Verdade BR
 Comitê Verdade RN
 Rede Lusófona
 Rede Cabo Verde
 Rede Guiné-Bissau
 Rede Moçambique

Djalma Maranhão – Memorial Online
No ano de 2015, ano do centenário de nascimento de Djalma Maranhão, o Centro de Direitos Humanos e Memória Popular e a DHnet preparam diversos subsídios para comemorar a vida desse ilustre potiguar, além de material didático a ser utilizado por professores, alunos e interessados no assunto. O nosso intuito é a construção de um Memorial Online

Envie-nos dados e informações:
DHnet Email Facebook Twitter Skype: direitoshumanos

 

 

De Pé no Chão | 40 Horas de Angicos | Movimento de Natal | CEBs no ES | Potiguariana

Vida Política | Linha do Tempo | Cultura Popular | Repressão RN | Preso Político | Exílio | Publicações | Textos Documentos | Imagens | Áudios | Vídeos | Hinos e Canções | Multimídia

 

Galeria de Arte Popular
Exposições

Xico Santeiro está de volta!
Edrisi Fernandes

O escultor Xico Santeiro está de novo no foco das atenções, apesar de seu óbito em fevereiro de 1966. Como parte das comemorações do centenário de nascimento de Djalma Maranhão, a DHNET tomou a iniciativa de realizar uma exposição online inédita, com peças de Xico que compõem o acervo de diversas coleções, nunca antes reunidas, destacando-se entre essas as coleções do Museu de Arte da Universidade [Federal] do Ceará (MAUC), da Escola Doméstica de Natal, do Museu de Cultura Popular “Djalma Maranhão” (Natal) e acervo de particulares. A obra de Xico Santeiro, o primeiro escultor potiguar de quem se sabe que assinava suas criações, simboliza de forma muito apropriada o governo de Djalma Maranhão, político que o incentivou e promoveu sua obra, que alcançou notoriedade nacional e gerou polêmica, até hoje não resolvida, sobre os limites entre artesanato e arte e sobre os critérios de valoração artística e estética da arte popular. A biografia de Xico é rica em dados curiosos, como o fato de que na verdade ele se chamava Joaquim Manoel de Oliveira, e que esculpiu ou entalhou muito mais personagens laicos do que santos (um de seus temas favoritos era o poeta, cantador e rabequeiro potiguar Fabião das Queimadas). Sabe-se também que, nascido em 1898, esculpiu sua primeira peça aos 10 anos, e a trocou por um cachorrinho, e que muitos anos depois uma obra sua (um grande crucifixo) foi parar no patrimônio do Papa Pio XII, tendo recebido em troca uma benção especial. A maior benção que recebeu, contudo, foi o talento para esculpir em madeira, herdado do pai, Manoel Francisco Xavier, e que compartilhava com muitos familiares, como os tios Francisco (‘Tico’) e Rosa ‘Baquara’, de quem poderia ter recebido o mesmo epíteto (do tupi mbaekwara; “esperto; sabido”). A arte de Xico Santeiro se caracteriza por retratar grande variedade de tipos populares e situações cotidianas, sinalizando valores culturais regionais fortes e revelando afinidades e opções estilísticas próprias, que traduzem reprodução criativa (mediante adaptação e reinvenção formal), habilidade aguçada, mestria técnica e sensibilidade esté¬tica. É obra que se dá à fruição segundo critérios consagrados, que nos fazem recordar uma sugestão de Leonardo da Vinci - aquela de que a simplicidade é o grau supremo da sofisticação (‘Gli estremi della suprema perfezione e della suprema simplicità vi si confondono’). A simplicidade de Xico Santeiro muito contribuiu para que a posteridade o visse como um símbolo do governo popular de Djalma Maranhão, grande patrono da cultura e das artes, personalidade política complexa que nunca deixou de lado o cidadão simples e “de pé no chão”.

^ Subir

< Voltar

Desde 1995 © www.dhnet.org.br Copyleft - Telefones: 055 84 3211.5428 e 9977.8702 WhatsApp
Skype:direitoshumanos Email: enviardados@gmail.com Facebook: DHnetDh
Google
Notícias de Direitos Humanos
Loja DHnet
DHnet 18 anos - 1995-2013
Linha do Tempo
Sistemas Internacionais de Direitos Humanos
Sistema Nacional de Direitos Humanos
Sistemas Estaduais de Direitos Humanos
Sistemas Municipais de Direitos Humanos
História dos Direitos Humanos no Brasil - Projeto DHnet
MNDH
Militantes Brasileiros de Direitos Humanos
Projeto Brasil Nunca Mais
Direito a Memória e a Verdade
Banco de Dados  Base de Dados Direitos Humanos
Tecido Cultural Ponto de Cultura Rio Grande do Norte
1935 Multimídia Memória Histórica Potiguar